• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Protocolo de Groningen. Temos o status de Pessoa?




    Nova York recentemente legalizou o aborto tardio e revogou uma lei que exige que os médicos cuidem de bebês que sobrevivam a abortos. É aí que o esquerdismo do Partido Democrata já chegou com seu governador Andrew Cuomo.

    Devíamos ter o direito de matar nossos filhos para nosso bem estar? Ideias, votos e escolhas têm consequências. A partir de agora, Nova York aprovou o aborto até momentos antes do nascimento. Mas você acha que para por aí? Devemos nos perguntar: Como é que o infanticídio se tornou justificável agora, quando era impensável nos anos que se seguiram à Segunda Guerra Mundial? (médicos alemães foram enforcados em Nuremberg por matar bebês com deficiência)


    O humanismo secular com seu braço ideológico e político no progressismo, esquerdismo... nunca vai parar, pois não há limites para o mal. TODOS os argumentos para o aborto, funcionam igualmente para o infanticídio. E ele já está sendo colocado em prática. O infanticídio já se tornou justificado pelos mesmos ideólogos progressistas, esquerdistas do aborto.


    Em um artigo que li recentemente, um dos maiores especialistas em bioética da atualidade, junto com outros, consideraram a morte de bebês digna de um debate acadêmico e político respeitável. Peter Singer, por exemplo, da Universidade de Princeton, é um dos mais famosos desses defensores. Como um utilitarista crasso, ele argumenta que "ser humano" não tem QUALQUER IMPORTÂNCIA MORAL. A questão do valor depende de um indivíduo exibir os TRAÇOS COGNITIVOS de uma “pessoa” ao longo do tempo, como a autoconsciência. Nessa visão, alguns seres humanos são NÃO-PESSOAS - uma categoria ofensiva que inclui os não-nascidos, os bebês, os deficientes cognitivos profundos e aqueles que perderam sua personalidade através de doenças ou ferimentos.


    Não-pessoas não possuem o direito à vida. Em sua obra “Repensando a Vida e a Morte” , Singer compara explicitamente não-humanos a um peixe: “Como nem um recém-nascido nem um peixe são uma pessoa, o erro de matar tais seres não é tão grande quanto o erro de matar uma pessoa”.
    Em Ética Prática é dito:

    “Quando a morte de uma criança deficiente levar ao nascimento de outra criança com melhores perspectivas de uma vida feliz, a quantidade total de felicidade será maior se a criança deficiente for morta. A perda da vida feliz da primeira criança é compensada pelo ganho de uma vida mais feliz pela segunda. Portanto, se matar o bebê hemofílico não tem nenhum efeito adverso sobre os outros, de acordo com a visão total, seria correto matá-lo.”
    Singer argumenta repetidamente que, como tanto os fetos tardios quanto os recém-nascidos não têm a cognição necessária para atingir o STATUS de “PESSOA”, o infanticídio deve ser permitido nas mesmas circunstâncias em que a sociedade permite o aborto de fetos viáveis.

    Singer está longe de ser o único a amarrar a moralidade do infanticídio à ética do aborto tardio. Vários anos atrás, o Journal of Medical Ethics publicou um artigo de defesa do infanticídio afirmando que o que quer que justifique o aborto também apoia o direito dos pais a matar bebês indesejados:


    “Apesar do oxímoro na expressão, propomos chamar essa prática de “aborto pós-natal”, ao invés de “infanticídio”, para enfatizar que o status moral do indivíduo morto é comparável com o de um feto (em que “abortos” "No sentido tradicional são executados" em vez de uma criança. Portanto, afirmamos que matar um recém-nascido pode ser eticamente permissível em todas as circunstâncias em que o aborto seria. Tais circunstâncias incluem casos em que o recém-nascido tem o potencial de ter uma vida (pelo menos) aceitável, mas o bem-estar da família está em risco.”
    Algo assim é dito normalmente no Journal of Medical Ethics.


    O biólogo evolucionista, claro,  Jerry Coyne -  escreve de maneira semelhante que, por uma questão de lógica Darwiniana, matar um recém-nascido e abortar um feto de final da gestação ( Como em Nova York é permitido agora – abortar até o momento antes do nascimento ) deveria ser visto através da mesma lente moral. Ele diz:


    Se você tem permissão para abortar um feto que tem um defeito genético grave, microcefalia, espinha bífida ou assim por diante, então por que você não é capaz de sacrificar o mesmo feto depois do seu nascimento?


    Não vejo diferença substantiva que faça o primeiro agir moral e o segundo imoral. Afinal, bebês recém-nascidos não têm consciência da morte, nem são tão sencientes quanto uma criança mais velha ou um adulto, e não têm faculdades racionais para fazer julgamentos (e se houver deficiência mental grave, nunca desenvolveriam tais faculdades).


    Os eventos das últimas semanas mudaram o “Neuhaus Gauge” do infanticídio de “discutível” para “justificável” porque agora está sendo adotado dentro do mainstream político e cultural ( O esquerdismo do Parido Democrata ). Nova York, como eu disse, recentemente legalizou o aborto tardio e revogou uma lei que exige que os médicos cuidem de bebês que sobrevivem a abortos. Uma proposta semelhante da Virgínia se tornou uma grande notícia comemorada na mídia, mas falhou, por enquanto,  na comissão. Rhode Island, o menor Estado dos Estados Unidos, tem uma conta semelhante pendente, apoiada por seu governador. Enquanto isso, um projeto de lei de Vermont visa tornar o aborto um direito absoluto sem qualquer limitação quanto ao tempo de gestação, propósito ou método. O projeto conta com 91 co-patrocinadores.


    Outras evidências podem ser vistas no apoio da grande mídia e da academia que o governador da Virgínia, Ralph Northam, recebeu após afirmar que os bebês que sobrevivem ao aborto tardio podem legalmente ser deixados para morrer. Northam falsamente (de acordo com um estudo publicado pelo Guttmacher Institute pró-aborto) afirma que os abortos tardios são restritos a “casos em que pode haver deformidades graves, pode haver um feto inviável”. Mais tarde, o Governador Northam disse:


    “Portanto, neste exemplo em particular, se uma mãe está em trabalho de parto, posso dizer exatamente o que aconteceria. A criança nasceria. O bebê seria mantido confortável. Se isso fosse o que a mãe e a família desejam, e então haveria uma discussão entre os médicos e a mãe se isso era o melhor ou não.”

    O Governador Northam é médico, é especialista em neurologia pediátrica. Sua declaração, feita com tal desapego clínico, gelou muitos. Mas Northam foi defendido - notavelmente pela colunista liberal esquerdista do New York Times, Michelle Goldberg. Enquanto isso, o Washington Post relatou que o bafafá era apenas uma história política de "ataque republicano", não uma questão de importância moral significativa. É assim que a mídia mainstream em seu esquerdismo desenfreado pensa.


    Isto não é apenas uma questão de advocacia. Os médicos holandeses cometem abertamente o infanticídio em bebês nascidos com condições terminais ou deficiências graves. De fato, o infanticídio tornou-se tão socialmente aceitável que existe uma lista de verificação burocrática chamada Protocolo de Groningen para ajudar os médicos a decidir quais bebês podem ser mortos. Apesar de permitir essa flagrante violação dos direitos humanos, o país continua em boa posição na comunidade internacional. Enquanto isso, no Senado dos Estados Unidos, os democratas bloquearam um projeto de lei que exigiria profissionais médicos para fornecer cuidados e tratamento para bebês nascidos vivos após tentativas de aborto.


    Como é que o infanticídio se tornou justificável em países coom Holanda, Estados Unidos... quando era impensável nos anos que se seguiram à Segunda Guerra Mundial? (médicos alemães foram enforcados em Nuremberg por matar bebês inválidos)?


    A resposta envolve um choque crescente entre contestar os primeiros princípios que competem pelo domínio da sociedade. A vida humana é sagrada ou nosso valor moral depende de características relevantes da personalidade? O objetivo final da sociedade é proteger toda a vida humana inocente ou eliminar o sofrimento – Se um feto, um filho ou alguém idoso senil... te causa sofrimento ele pode ser eliminado? As respostas que finalmente damos a essas perguntas determinarão se o infanticídio e outros tipos de assassinato é finalmente estabelecido como opção – pois agora eles se tornaram NÃO-PESSOAS.

    O mal não conhece limites, como eu disse, ideias, votos e escolhas têm consequências.


    Baseado em artigos que li sobre os Democratas do Senado dos Estados  bloqueando um projeto de lei que exigiria profissionais médicos para fornecer cuidados e tratamento para bebês nascidos vivos após tentativas de aborto.