• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    O herói de Gerda – Não podemos nos consertar.





    Eles nos colocaram em um galpão e aquilo era realmente o Inferno de Dante, porque todo mundo estava morrendo. Noventa  por cento das pessoas morreram lá por causa da diarreia e do mau cheiro, imundície e os corpos congelados de frio – tudo era indescritível. Todo lugar que você escolhesse ficar, você se sentaria ao lado de um cadáver. Agora eles despejaram gasolina por toda parte, e eles iam queimar a coisa toda.


    Em seguida, ouvimos batidas nas portas do galpão... E então as portas foram abertas. De repente eu vi... um carro estranho descendo a colina, não mais da cor habitual, não levando a suástica, mas uma estrela branca. Era uma espécie de veículo salpicado de lama, mas eu nunca vi uma estrela mais brilhante na minha vida. E dois homens saltaram e vieram correndo em nossa direção e um deles veio na direção de onde eu estava. E ele disse: "Alguém aqui fala inglês ou alemão?" e eu disse: "eu falo alemão". Eu diria que essa foi a melhor hora da minha vida. E então ele fez uma pergunta incrível. Ele disse: "Posso ver as outras damas?" Você não sabe o que foi ouvir isto... em que temos tínhamos sido  abordadas por seis anos... e agora ouvir esse homem falar “damas”? Ele olhou para mim como um jovem deus. Eu tenho que te dizer que eu pesava tão pouco. Meu cabelo estava branco. E você pode imaginar, eu não tinha tomado um banho por anos. E essa criatura falou "as outras damas". E eu disse a ele que a maioria das garotas estavam lá dentro. Elas estavam muito doentes para andar e ele disse: "Você não vem comigo?" E eu disse: "Claro". Mas eu não sabia o que ele queria dizer. Ele segurou a porta aberta para mim e deixou-me precedê-lo e naquele gesto me restaurou a humanidade.


    - “All But My Life: A Memoir”, de Gerda Weismann Klein


    Certamente todos nós já ouvimos falar dos horrores do holocausto muitas vezes para contar. Como os nazistas trataram pessoas como animais, literalmente explode nossas mentes. Ah, mas também podemos apontar para os Gulags de Stálin, o massacre do Khmer Vermelho, o rastro de lágrimas...  um rastro da capacidade do homem de tratar os outros como animais nos segue como um cão.

    Porque há crimes contra a humanidade em toda a nossa volta, a portas fechadas, em clínicas de aborto e estúdios pornográficos, em quartos de classe média, do homem comum... com palavras que nos tiram nossa dignidade e punhos que nos fazem sangrar. O pecado faz isso. O diabo ama isso. Quando Eva tomou o fruto, ela queria se tornar como Deus, ironicamente, ela já tinha sido feita à sua imagem! No entanto, ela se tornou um “animal” e Deus se tornou seu “mestre”. Então, ela e seu parceiro no crime correram para se abrigar como um cachorro correndo do chicote atrás de árvores.


    Alguns mentem e nos dizem que pecar é sermos nós mesmos. Mas não é. O pecado não é natural para a humanidade. Na verdade, é contrário à nossa natureza, embora pareça momentaneamente correto, pois serve ao nosso mais profundo desejo de nossa natureza agora corrompida. Nós - todos nós - nos empurramos para um celeiro escuro salpicado de gasolina, à espera de um fósforo. É insano, na verdade.


    Com toda a nossa tecnologia, aviões congestionando os céus e smartphones, videogames e Tvs 4K roubando a luz de nossos olhos, nós moramos em um galpão de lixo e morte.


    Então, como o herói de Gerda, Deus entra em cena. No começo, nós imaginamos que Ele acenderia o fogo e queimaria todo o lugar. Ele nos deu a Sua imagem e nós trocamos por sopa barata. Mas em vez disso, Ele abriu a porta na Pessoa de Jesus. A luz queima nossos olhos e revela nossa maldade. No entanto, Ele estende a mão gentil e gentilmente  nos levanta. Nós poderíamos continuar e continuar com explicações, mas com uma Palavra Ele silencia todas as nossas desculpas. Com um copo de água lava toda a nossa sujeira. Nosso herói nos perdoa com uma palavra para sempre. Ele nos abraça através dos braços abertos numa cruz e nos trata como seres humanos pela primeira vez em nossas vidas! Ele abre a porta para nós e nos leva ao seu jardim. Como a mulher no poço que corria pelos cantos da sociedade como um rato, Jesus conversava conosco como se fôssemos dignos de estar na presença de Deus!


    Em Cristo e somente em Cristo nossa humanidade é restaurada!


    Ao contrário do mundo, Jesus não nos usa e nos joga fora. Ele nos compra com o Seu sangue não porque seremos úteis para ele. Ele nos chama de irmão, irmã, senhora, senhor. Nós não somos mais órfãos. Nós não somos mais animais. Em Jesus somos quem realmente deveríamos ser. Agora, pela fé, apegando-se à Sua luz, o vemos em Sua Palavra. Finalmente agora somos humanos de novo. E logo, muito em breve, O veremos como Ele é - veremos a conclusão - o telos - o novo céu e a nova terra para nunca mais sermos empurrados em um galpão na escuridão.
    “Vem, Senhor Jesus!”