• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    A Violência de Deus ou a Violência do Homem.





    O coração caído do homem é necessariamente violento porque estamos em guerra com Deus (Is 48:22, 57:21) e, portanto, uma das nossas hipocrisias fundamentais é a reivindicação da paz quando não há paz e não haverá paz em nossa sociedade, nações... O evangelho afirma inequivocamente que não pode haver paz neste mundo além do sangue de Jesus. Além do sangue de Jesus, há apenas hostilidade e guerra. Todas as tentativas do multiculturalismo, construção de uma sociedade e nação pacífica e unidade...  além da pregação da cruz sangrenta de Jesus, são TENTATIVAS REBELDES e DESAFIADORAS de alcançar a paz por conta própria e sempre trazem MAIS VIOLÊNCIA. O único caminho da paz é através da reverência ao Senhor Jesus e ao Seu caminho de paz – Ele mesmo.


    A Bíblia diz: “Chegando a Jerusalém, Jesus chegou ao monte das Oliveiras, e enviou dois discípulos para obter um jumento, sobre o qual ninguém havia montado (Lc 19, 28-30). Jesus diz aos discípulos para desatar o jumento e trazê-lo para Ele, e se alguém perguntasse o que eles estavam fazendo, eles deviam dizer que o Senhor precisava dele (Lc 19:31). Os discípulos fizeram o que lhes foi dito, e quando os proprietários perguntaram, os discípulos disseram o que Jesus disse para dizer (Lc 19: 32-34). Então eles trouxeram o jumento para Jesus, colocaram suas capas no potro, e Jesus sentou-se sobre ele e desceu o monte em direção a Jerusalém, enquanto os discípulos e uma grande multidão espalhavam suas capas no caminho e começaram a se alegrar e louvar a Deus por todos os atos poderosos que tinham visto (Lc 19, 34-38). Quando alguns dos fariseus pediram a Jesus para repreender seus discípulos, Jesus disse que se eles ficassem em silêncio, as pedras clamariam (Lc 19, 39-40). Chegando perto da cidade, Jesus chorou por sua incapacidade de ver as "coisas que fazem a paz", e diz que a cidade e seus filhos acabarão destruídos (Lc 19, 41-44).


    Chegando à cidade, Jesus entrou no templo e expulsou aqueles que vendiam animais para os sacrifícios..., dizendo que eles transformaram a casa de Deus em um covil de ladrões (Lc 19, 45-46). Jesus estava diariamente ensinando no templo e, enquanto todos os líderes desejavam mata-lo, ele era tão popular ( por enquanto - só durará alguns dias ) entre as pessoas que não havia nada que pudessem fazer (Lc 19, 47-48).


    Senhor de todos.


    Neste texto, Jesus abraça o senhorio e a realeza de sua precedente parábola anterior (Lc. 19:12, 15). Ele faz isso assumindo autoridade sobre um jumento que Ele não possuía pessoalmente (Lc 19, 33-34). Isso é roubo ou senhorio. Da mesma forma, Jesus assume o senhorio entrando montado em Jerusalém como um rei davídico vitorioso, recebendo os louvores de Israel (Lc 19, 35-38, pág. 118). Isto ( Ele entrando montado num jumento em Jerusalém)  é a charada de uma loucura arrogante ou a humildade do legítimo rei de Israel. E, finalmente, ele insiste em Seu Senhorio, quando Ele diz aos fariseus que as pedras clamariam se os discípulos não o fizessem (Lc 19, 39-40).


    Esta é uma reivindicação de divórcio, separação, dele sobre e da criação. Jesus é o Senhor dos animais, propriedade, pessoas e toda a criação. Ele é Senhor e Mestre de tudo. Ele é livre para amar alguns e odiar outros, salvar e endurecer, ter piedade de alguns e não de outros (Romanos 9). Ele é o Senhor. Ele é o Senhor de tudo ou então, se houver alguma área de que Ele não é Senhor, Ele não é o Senhor de nada.


    Isto é porque a Sua pretensão de ser o Senhor não é meramente uma reivindicação de ser muito grande ou muito poderoso. O senhorio de Deus é a pretensão de ser unicamente Deus – o único Deus - não há outros deuses ao lado dele, sem concorrentes, sem adversários, fora do tempo...  não pode ser dito razoavelmente (sem ser uma loucura) para Deus chegar para o lado para deixar a vontade de outro passar.


    As coisas que fazem para a paz.


    Pode parecer estranho que Jesus chore sobre Jerusalém dado o fato de que há uma grande multidão que o acolhe alegremente em Jerusalém como seu rei. O “rei” que eles criaram em seus corações e desejos era um mero ídolo. Eles não enxergavam o tamanho da maldade do coração deles e o tipo de Rei que precisavam.  Eles achavam que sabiam como ter paz e uma sociedade em paz. Eles eram o problema mas achavam que tinham a solução.


    Então, devemos perguntar: o que faria a paz deles? Podemos querer dizer: "receber Jesus como seu Rei", mas, em última análise, é a morte de Jesus que fará a paz entre Deus e o homem e entre homem e homem. Paulo diz: pela fé na morte de Jesus, somos justificados e temos paz com Deus e somos salvos da sua ira (Romanos 5: 1-10). Jesus é em si mesmo nossa paz, nos levando a Deus por meio do seu sangue, e através da cruz... nos reconciliando uns aos outros, matando a hostilidade entre nós (Efésios 2: 13-16). "Pois foi do agrado de Deus que nele habitasse toda a plenitude, e por meio dele reconciliasse consigo todas as coisas, tanto as que estão na terra quanto as que estão no céu, estabelecendo a paz pelo seu sangue derramado na cruz. Antes vocês estavam separados de Deus e, em suas mentes, eram inimigos por causa do mau procedimento de vocês. Mas agora ele os reconciliou pelo corpo físico de Cristo, mediante a morte, para apresentá-los diante dele santos, inculpáveis e livres de qualquer acusação,” – (Colossenses 1: 19-22 ). Jesus não chorou  pelo fato de que eles o matariam.


    A Violência de Deus ou a Violência do Homem.



    Para muitas sensibilidades modernas, o que Jesus faz em seguida parece confuso, inconsistente, até mesmo muito inútil, indecoroso ou rude (Lc 19:45). Se Jesus quer que Jerusalém compreenda o que faria para a paz deles, por que entrar no templo e começar a empurrar as mesas com um chicote na mão? Um dos elementos mais insidiosos da rebelião pecaminosa do homem é uma linha profunda de sentimentalismo. O sentimentalismo nega fundamentalmente que o homem seja realmente tão maligno como Deus diz que somos e, consequentemente, nega que a ira de Deus e o ódio ao mal seja realmente exigido. É por isso que muitas pessoas se opõem a Deus destruindo cidades inteiras em julgamento no Antigo Testamento. Mas cada um desses homens, mulheres e crianças mereciam morrer (Lc 13: 1-5), e o centro do evangelho de Deus é a mais brutal afronta a justiça na história do mundo.



    Os cristãos realmente devem ter suas mentes e corações em torno do fato de que o caminho de Jesus é o caminho de uma santa violência (Lc 12, 49, 51-53, 14: 26-27). Dizer isso em voz alta em nosso mundo é convidar os gritos de ódio, discurso de ódio, extremismo religioso, terrorismo, cruzadas, inquisições e abuso. Mas a Bíblia ensina que a violência e a hostilidade da cruz é  o único caminho de paz real ou então haverá violência e hostilidade em nossas casas e ruas e nunca haverá paz. Não há outras opções. Ele é o Senhor da guerra e da paz, e não existe outra maneira. Os judeus estabeleceram seu mercado na parte do templo onde os gentios deveriam poder orar e, portanto, era um sinal permanente da contínua hostilidade entre judeus e gentios e a recusa de aceitar o caminho de paz de Deus (cf . Is 56: 7) – o que sempre será verdade sobre o homem natural.


    A santa fúria de Deus contra o pecado permanece inabalável, e não há outro refúgio senão a cruz do Senhor Jesus (Gálatas 2:20).