• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    "Pastor, eu odeio e vou matar meus vizinhos amanhã... mas se sou justificado eu..." ( A hipótese absurda! )




    “Os que CONHECEM o teu nome CONFIAM em ti, pois tu, Senhor, JAMAIS abandonas os que te buscam.” – Salmo 9.10.

    Imagine se um “cristão” perguntasse: "Pastor, eu odeio meus vizinhos e decidi matá-los amanhã, se sou justificado, eu ainda estarei salvo, não estarei?" Nenhum pastor por “bondade”  e “compaixão” pensaria em dizer: "Sim, você ainda vai para o céu se matar teus vizinhos amanhã como planeja, porque sei que você é um cristão justificado". Todos nós sabemos profundamente em nós mesmos que isso é uma tolice gigantesca. Nenhuma pessoa temente de Deus diria a ninguém isso, mas isso é exatamente o que os cristãos ( e muitos pastores ) dizem a muitos que se odeiam, odeiam suas vidas, situação... e estão considerando o suicídio. Claro, eles “piedosamente” dizem depois: "mas você realmente não deveria fazer isso", mas este não é o conselho que um cristão baseado na Bíblia poderia dar: “Mas você não deveria matar teus vizinhos amanhã, eu não apoio isso, mas se você fizer, matar os vizinhos não é uma blasfêmia contra o Espírito... você é ‘justificado’, então, no fim, tudo estará bem, apesar disso”.  Em vez disso, eles deviam fazê-los examinarem a si mesmos:  “Teus  olhos estão no Senhor ou sobre si mesmos?” Como Paulo diz em 2 Co 13.5: “Examinem-se para ver se vocês estão na fé; provem-se a si mesmos”.


    Devemos dizer-lhes que devem "examinar-se" pois é muito fácil sermos centrados em nós mesmos  e  não sermos centrados em Cristo ( o que todo homem regenerado é - centrado em Cristo ) ou seja, salvo. Não ajudamos pessoas a pensarem que a desesperança, o desespero e a auto-piedade delas são "fruto do Espírito"  ou de ser habitado pelo Espírito. Isso certamente será um remédio "difícil de engolir", pois é a dura realidade -  mas é melhor do que servir um placebo eufemístico para dar uma fé artificial baseada na incapacidade de Deus em guardar a mente e o coração daqueles que são habitados pelo Espírito Santo, o Deus todo-poderoso: “E a PAZ de Deus, que EXCEDE a todo o entendimento, GUARDARÁ os seus CORAÇÕES e as suas MENTES em Cristo Jesus. Filipenses 4:7.

    Pessoas assim ( Cristãos, pastores...) estão jogando a política da situação, onde sua “compaixão” humana nubla a questão central. Que o Espírito Santo habita em nós com um propósito e missão e Ele não pode falhar.

     “Não TEMAS, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te FORTALEÇO, e te AJUDO, e te SUSTENTO com a destra vitoriosa da minha justiça."

    “Por isso não TEMA, pois estou com você; não TENHA MEDO, pois sou o seu Deus. Eu o FORTALECEREI e o AJUDAREI; Eu o SEGURAREI com a minha mão direita VITORIOSA.” – Isaías 41.10.

    É realmente uma questão de verdadeira crença ou fé. Nós realmente acreditamos que essas são simplesmente "palavras vazias", ou realmente acreditamos que essas palavras são verdadeiras e confiáveis tendo sido ditas por Deus? Isso não é uma pergunta complicada, é significativa. Sabemos que essas passagens não são apenas palavras sem sentido, são promessas FIÉIS para aqueles que realmente têm o Espírito de Cristo e de confiança em Deus. Deus simplesmente não abandona aqueles que nele confiam ( Salmos 9:10 ). Deus é o que trabalha dentro de nós, tanto para mudar nossa vontade quanto para o querer e efetuar Sua vontade ( Filipenses 2:13) Isso é verdade ou não – você não pode ter as duas possibilidades – se um homem é regenerado, justificado... ele tem que estar aqui. A Sua vontade em nós é operada por Ele internamente, nos lugares mais profundos de nosso coração. Sua vontade não é, e não pode ser, que nós nos desesperemos e desistamos -  bem como todo ato de viver para Sua glória vem diretamente de Sua agência e influência espiritual toda poderosa em nosso interior. É claro que na carne ( em nossas emoções, desejos e vontade humanas ) não gostamos de pensar que nossos amigos ou entes queridos, possivelmente não tenham chegado ao Reino, mas a palavra de Deus não é tão silenciosa quanto a questão, como alguns gostariam de acreditar.


     É uma simples questão de acreditar em tudo o que Deus diz, ao invés de permitir que nossas emoções e nossos próprios interesses nublem nossos pensamentos ou façam a Palavra de Deus entrar em contradição. Como eu disse, todos gostaríamos de pensar que todos os nossos entes queridos, amigos pessoais, membros de nossas igrejas locais e conhecidos estarão no céu. É apenas a natureza humana operando nas pessoas a quererem acreditar nessas coisas. No entanto, nos entregarmos à autoridade de Sua santa Palavra. Nossa atitude deve ser: "Tua vontade será feita, Senhor, não a minha!"


    Há também muitas coisas negligenciadas que devem ser consideradas quando se trata dessa questão. A primeira é que  um verdadeiro crente é “invadido” – recriado e habitado pelo Espírito Santo de Deus. As pessoas gostam de pensar que alguém se torna tão deprimido e perturbado que não veem saída e, finalmente, eles se matam. Isso pressupõe inerentemente que Deus não se preocupa com o estado de espírito dos cristãos, ou se se preocupa, não pôde fazer nada, ou que Ele está ocupado em outro lugar de tal forma que não pôde guardar a mente e o coração em Cristo Jesus como prometeu, ou Ele está apenas morando lá dentro desse “cristão” ( assumindo que são cristãos) de maneira ociosa e ineficaz, em vez de como ajuda soberana e eficaz - não fazendo realmente nada para prevenir, suprimir ou vencer essa desesperança. O braço de Deus é tão curto que ele não pode ajudar? Muitos caem na armadilha de subestimar e mal interpretar o funcionamento e ação do Espírito de Deus dentro de nós. Pois ele "é" A AJUDA, o CAPACITADOR e o LIBERTADOR de TODOS aqueles que são abençoados soberanamente com a Sua habitação. É para isso que Ele está lá.



    "Eu sou pobre e necessitado, mas o Senhor pensa em mim: tu és meu ajudante e meu libertador" - Salmo 40.17.


    Deus não abandona seu filho necessitado. Seus pensamentos estão sobre eles como ajuda toda poderosa para que eles jamais se afundem em desespero terminal e para lembrá-los da preciosa esperança que todos os cristãos têm. Sua graça é suficiente no seu tempo de fraqueza, que eles podem e perseverarão por causa do Seu poder infinito. E se sua graça e força não fossem suficiente em tempo de fraqueza, elas de nada serviriam.


    O segundo ponto é, e somos obrigados a constatar, que claramente o  cristão professo não pode ter Cristo como toda sua confiança e estar totalmente desesperado - uma confiança que é, ou deveria ser a evidência do renascimento espiritual na verdadeira salvação. Em Sua santa e segura montanha ( Isaías 11: 9 ) nos refugiamos das provações e tribulações deste mundo, não em nosso próprio desespero egocêntrico e autocompaixão. Na existência centrada em Cristo do cristão, Ele é sua fé e ajuda e o núcleo de sua força invencível.


    A outra coisa totalmente contraditória, é que pessoas tentam dizer e usar os conceitos da psicologia humanista secular com alguém que está nesse estado, porque não querem que eles percam a esperança. Vê como isso é absurdo? Eles estão de fato dizendo-lhes que está certo para eles perderem a esperança em relação ao poder de Deus para sustentar, enquanto lhes dizem que não devem perder a esperança de salvação que só o poder de Deus dá.  Considerando tudo o que as Escrituras dizem sobre a questão, os crentes fiéis não devem dar a ninguém um lugar aconchegante para se sentir seguro sobre o seu próprio desespero final -  porque como Deus  não tem poder de salvá-los no mundo, mas tem poder de salvá-los fora do mundo?


    Todo homem que perdeu toda a esperança, quer gostemos ou não, está sentindo pena de si mesmo, embora seja abençoado muito acima do que o ser humano merece. O fio prevalecente em tudo isso é que eles têm seus olhos em si mesmos e não em Cristo, e é nesta vaidade que muitos cometem seu grande erro. Os seus pensamentos são sempre: "Pobre de mim, por que isso sempre está acontecendo comigo, porque a química do meu cérebro não me ajuda... por que sou amaldiçoado nesta vida, por que tenho tanta dor, por que Deus me abandonou, por que Deus não é ajuda suficiente?" O ministro cristão deve aconselhá-los a encontrar o problema real - que eles se tornaram a figura central e principal razão para sua existência, em vez de Cristo. Quando Cristo é a razão central – O que é verdade sobre todo homem regenerado – esse homem diz: “Segundo a minha INTENSA expectação e ESPERANÇA, de que em NADA serei confundido; antes, com TODA A CONFIANÇA, Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte.” Filipenses 1:20.


    Então, se eu tenho o oposto, como isso seria a evidência de verdadeira salvação? Eles são destinados ao Reino? Devemos exortá-los a tirar os olhos de si mesmos e os cuidados do "mundo" e colocá-los em Cristo. Se eles fizerem isso, sua depressão sempre será aliviada porque você não pode sentir pena de si mesmo quando não está pensando em si mesmo. Quando levantamos as mãos em oração e colocamos nossas mentes em Cristo ( se Ele realmente estiver presente dentro de nós ), Ele será nossa ajuda, nossa força e nosso refúgio em tempo de fraqueza ou dificuldade, por mais extrema que seja.


     “Em Deus está a minha salvação e a minha glória; a rocha da minha fortaleza, e o meu refúgio estão em Deus. Confiai nele, ó povo, em todos os tempos; derramai perante ele o vosso coração. Deus é o nosso refúgio” - Salmos 62:7,8.

    “Para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais  FORTALECIDOS com PODER pelo seu Espírito no homem interior” - Efésios 3:16.


    Existe dentro de nós, ( se somos regenerados ) o que a Bíblia chama de a "mente de Cristo", e devemos entender que não podemos ser levados ao desespero final por algo que não domina nossa mente - algo sobre o qual não é o que pensamos como o centro de nossa vida. Devemos ter nossa mente finalmente sobre outra coisa para sermos trazidos para  baixo e ficarmos deprimidos de modo final. No entanto, se levarmos os princípios bíblicos para o coração (algo que a igreja hoje esqueceu em sua inclinação para o evangelho social, a psicologia humanista secular... ), teremos nossas mentes sobre coisas de cima, coisas infinitamente mais elevadas do que nós mesmos. No entanto, a maioria dos teólogos de hoje prefere dar conselhos seculares, humanistas e expressar sua filosofia sobre o suicídio, em oposição ao conselho bíblico.


    O  Deus de paz será convosco.


    "Não estejais inquietos ou ansiosos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus. Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai. O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso fazei; e o Deus de paz será convosco.”  - Filipenses 4: 6-9.


    Deus diz que não fiquemos inquietos [ marimnao ] ou ansiosos por nada! Nós somos mandados a não estar atentos  ou deixar isso capturar nossa mente - em outras palavras, retiremos a nossa mente daquilo que não pode ser nossa preocupação, que dirá preocupação final. As preocupações deste mundo, sobre a forma como as pessoas nos veem, sobre esta vida e como ela está indo, como ela terminará, amar a vida, endeusar a “felicidade”, riqueza, o status, o futuro ou sentimentos, não é o que a "Nova Vida" em Cristo trata. Nós entregamos isso, negamos a nós mesmos, tomamos nossa cruz e seguimos a Cristo ( Se é que somos regenerados, justificados....) rendemos tudo, “vendemos” tudo o que temos por causa de Cristo. Por causa da alegria nEle:  "O Reino dos céus é como um tesouro escondido num campo. Certo homem, tendo-o encontrado, escondeu-o de novo e, então, CHEIO DE ALEGRIA, foi, vendeu tudo o que tinha e comprou aquele campo.” – Mateus 13.44.  Isso é estar no Reino de Deus. A única evidência.


    Quando somos regenerados e amamos o que Deus nos ordena (“Darei a vocês um coração novo e porei um espírito novo em vocês; tirarei de vocês o coração de pedra e lhes darei um coração de carne. Porei o meu Espírito em vocês e os levarei a agirem segundo os meus decretos e a obedecerem fielmente a minha Palavra” - Ezequiel 36:26,27 ),  Ele nos dará tudo o que é necessário para ter paz mental. Sua graça é suficiente.

    Onde Deus guia, Ele fornece!


    Quando Deus diz, “pense nessas coisas, e o Deus da paz estará contigo”, não são apenas palavras sopradas no vento para tentar trazer um “tratamento psicológico” de um pensar mais positivo. Estas são palavras de Sua verdade divina. Suas palavras só parecem sem poder quando os cristãos professos ( nominais ) ignoram as Escrituras e começam a dar e tomar conselhos com o que parece certo em seus próprios olhos segundo a sabedoria humana. Se somos verdadeiros cristãos, devemos resignar-nos a caminhar o caminho de Deus. Nós não pensamos em nós mesmos, na nossa vida ou nos nossos problemas, pensamos em como glorificar a Deus em todas as situações e nas coisas que Deus determina. Nunca é sobre: "pobre de mim, o que posso fazer sobre... ", em vez disso pensamos, "o que posso fazer hoje no poder do Espírito para melhor glorificar a Deus". Deus prometeu que, se o fizermos, a paz de espírito dele estará conosco. Nós acreditamos realmente na Palavra, ou nós  acreditamos que essas frases são apenas palavras vazias ou tentativa de pensamento positivo? Se pensarmos que as palavras de Deus são baratas, então o que nos faz pensar que somos verdadeiros crentes, regenerados, justificados... o que nos faz pensar dessa maneira? Essa é a verdadeira questão?

    Falar em um “cristão” em desespero final,  é rejeitar rebeldemente as promessas de Deus que JAMAIS colocaria sobre nós qualquer coisa além do que podemos suportar. É estar dizendo: "Deus colocou sobre mim mais do que eu posso suportar nesta vida". Isso é chamar Deus finalmente de mentiroso. Isso, é claro, é uma contradição direta ao que Deus prometeu que Ele jamais faria. No entanto, é apenas um outro exemplo das Escrituras constantemente ignorado em favor do raciocínio humanista.


     “Não sobreveio a vocês tentação que não fosse comum aos homens. E Deus é FIEL; ele NÃO PERMITIRÁ que vocês sejam tentados ALÉM do que podem SUPORTAR. Mas, quando forem tentados, ele lhes PROVIDENCIARÁ UM ESCAPE, para que o POSSAM SUPORTAR.” - 1 Coríntios 10:13

    Estas são as Escrituras pertinentes que muitas vezes são evitadas por aqueles que a substituem e tomam a psicologia, humanismo, visões do mundo e filosofias, e as colocam no lugar do conselho bíblico, da Palavra final de Deus. Podemos até entender (embora não tolerar) a negligência dos entusiastas em “ajudar” os aflitos, negligenciarem farto material e ensino bíblico e tais versos e textos, mas os mestres que aconselham potenciais vítimas devem saber melhor (“Meus irmãos, não sejam muitos de vocês mestres, pois vocês sabem que nós, os que ensinamos, seremos julgados com maior rigor.” – Tiago 3.1), e como mestres, serão julgados mais severamente. Deus diz que "NÃO" colocará os cristãos em qualquer situação além do que possam suportar, apenas o que é comum ao homem. Em seguida, vem alguém para reescrever o texto bíblico ou torcer isso para significar, “talvez Ele (Deus) não coloque, mas não necessariamente em todos os casos”. Isso é simplesmente reescrever a Bíblia – é um sintoma de que Podemos dizer: “Sola Scriptura, mas não em todos os assuntos – pois a Escritura não entendo a complexidade da alma humana.” No entanto, essa passagem é inequívoca e é uma promessa claramente escrita, e como podemos discutir com Deus e chamar isso de exagero? Como podemos ignorar essa promessa em nosso desejo egoísta de confortar os outros? “Deus é fiel (Verdadeiro ) - Deus não permitirá que cristãos possa ser tentado [ peirazo ] acima do que eles POSSAM SUPORTAR” - ou Deus é alguém cujas palavras não são confiáveis ​​e vazias? Essa é a questão relevante para o cristão sério e consciencioso. O Espírito é capaz, e, em caso afirmativo, ele não está disposto? Não estaria disposto sendo capaz e todo-poderoso?


    “Aquele que sonda os corações conhece a intenção do Espírito, porque o Espírito INTERCEDE pelos santos DE ACORDO COM A VONTADE DE DEUS. SABEMOS que Deus opera TODAS AS COISAS para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.” - Romanos 8: 27-28. Ou seja, de TODOS os que foram Justificados, Regenerados...


    Deus não deixa Seu povo desesperado e em desespero final, pois o desespero é a mentalidade daqueles que não têm o conforto do Espírito de Cristo. Podemos enfrentar noites escuras e profunda tristeza? Absolutamente! Pois há lições a serem aprendidas em todas as nossas transgressões, provações e tribulações. Mas Deus promete que, com essas provações, Ele é fiel para dar um ESCAPE para que possamos suportar. 

    Considere Davi como nosso exemplo. Ele estava profundamente abatido, deprimido, trazido para tão baixo que sentiu tristeza durante todo o dia: "Estou perturbado, estou muito abatido, estou de luto durante todo o dia. Porque os meus lombos estão cheios de uma doença repugnante: e não há solidez na minha carne". Salmos 38: 6-7.


    Ele estava preocupado a ponto de ter essa grande sombra em seu coração, e, no entanto, ele nunca desistiu da esperança, em vez disso ele invocou o Senhor, que ele sabia que era a fonte de sua ajuda:

    “Levanto os meus olhos para os montes e pergunto: De onde me vem o socorro? 2 O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra. 3 Ele não permitirá que você tropece; o seu protetor se manterá alerta, 4 sim, o protetor de Israel não dormirá, ele está sempre alerta! 5 O Senhor é o seu protetor; como sombra que o protege, ele está à sua direita. 6 De dia o sol não o ferirá, nem a lua, de noite. 7 O Senhor o protegerá de todo o mal, protegerá a sua vida. 8 O Senhor protegerá a sua saída e a sua chegada, desde agora e para sempre.” -  Salmos 121: 1-2  - Esta é a mentalidade do verdadeiro crente, do homem regenerado, do homem justificado. Que Deus é sua ajuda  em tempo de desespero, e não a sepultura e não a morte.

     “Senhor, não me abandones! Não fiques longe de mim, ó meu Deus! Apressa-te a ajudar-me, Senhor, meu Salvador!” - Salmos 38:21,22

    O rei Davi sentiu que se matar era a resposta? Pelo contrário, ele se virou para Deus para ajudar a conduzi-lo a partir de seu ponto mais baixo de abatimento e depressão. Sempre ele dependia das promessas de Deus, e é aí que ele depositou sua confiança e sua esperança.


    “Agora estou prostrado no pó; preserva a minha vida conforme a tua promessa.” - Salmos 119:25.

    Quando Davi ficou tão baixo que estava no pó, ele orou pela renovação da vida, pedindo a Deus para preservar sua vida de acordo com a Sua palavra e promessa. Este é (geralmente falando) o problema desenfreado hoje. Os cristãos (ou seja, os cristãos professos e nominais) não estão realmente olhando para Deus por sua ajuda, antes eles estão olhando para si mesmos e dizendo "por que não consigo corrigir isso, por que não posso sair disso, pobre de mim, coitado de mim,  Estou sem esperança ". Seus olhos não estão no alto, no tesouro, em Cristo... seus olhos estão sempre sendo colocados em si mesmos. A ênfase é sempre sobre eles, e nunca sobre o poder de Deus como sua ajuda e esperança infalível.


    “Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e meu Deus” - Salmos 42:5


    Em outras palavras, Davi entendeu que este era o Deus de sua força invencível. Os cristãos sobrevivem a grande abatimento, tristeza, depressão...  fazendo duas coisas. Eles reduzem suas angústias mentais colocando seus pensamentos na cruz (“Alegrem-se sempre no Senhor. Novamente direi: alegrem-se! Seja a amabilidade de vocês conhecida por todos. Perto está o Senhor. Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os seus corações e as suas mentes em Cristo Jesus.” - Filipenses 4:4-7) e deixando-os lá. 

    Eles aumentam sua capacidade de lidar com tudo isso se apoiando na força (Salmos 19:14, Salmos 31: 4, 2 Coríntios 12: 9) de Cristo, em vez de sua própria força e capacidade. Podemos dar nossos fardos a Cristo, ou podemos tentar levá-los em nossos ombros. Não podemos fazer as duas coisas. Muitos cristãos se encarregam de tentar lidar com isso sozinho, sem que Cristo seja sua ajuda, seu deleite, sua alegria. No entanto, se eles se humilharem, colocam todo o seu fardo assim sobre Ele, então, na verdade, todo cuidado e angústia do mundo não pode esmagá-lo. O problema é que as pessoas ( cristão nominal ) não vão fazer isso. Eles preferem deixar as aflições arrastá-los para baixo para que eles possam se revolver em autopiedade e encontrar alguém que justifique isso. E, é claro, o humanismo terá uma filosofia para ajudá-los em seu caminho... infelizmente tanto o conselho como a pregação de muitos não passa disso.


    Pedro escreveu sua carta para um povo que estava numa verdadeira fornalha de aflição, angústia e morte. Ele diz: “Portanto, humilhem-se debaixo da poderosa mão de Deus, para que ele os exalte no tempo devido. Lancem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês.” - 1 Pedro 5: 6-7

    Em oração e súplica, eles devem fazer conhecido seus pedidos a Deus, colocando seus olhos nEle e não em si mesmos. Porque a fé em Cristo é parte integrante de ser um verdadeiro cristão, e é isso que não devemos perder de vista nem minimizar em nossa tristeza ou compaixão. A luz do corpo é o olho. Então, exortemos ( como fez Paulo ) para manter seus olhos no prêmio, pois este mundo não é a nossa zona de conforto, é simplesmente uma estação de passagem. Muitas vezes na nossa depressão, esquecemos que esta não é a nossa casa e somos apenas estranhos e peregrinos passando aqui. Temos um trabalho a fazer e não nos foi prometido um jardim de rosas ao fazê-lo. Na verdade, o que nos foi prometido foram provações, tentações, tribulações, injúrias e perseguições (João 16:33, Lucas 6:26 ).


    “...as perseguições e os sofrimentos que enfrentei, coisas que me aconteceram em Antioquia, Icônio e Listra. Quanta perseguição suportei! Mas, de todas essas coisas o Senhor me livrou! De fato, todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos.” - 2 Timóteo 3:11,12

    Então não é, " ai de mim ", deve ser " abençoado sou " que sofro perseguições. Nosso Senhor declarou abençoados aqueles que os homens insultam e perseguem e dizem todo o mal... Nós não perdemos a esperança sobre tais coisas, ou qualquer outra coisa dessa vida -  mas tomamos a nossa cruz e O seguimos. É dito claramente que todo aquele que não abandona tudo por causa de Cristo "não é digno dele (Mateus 10: 37-38)". A primeira coisa a ser negada é a “nós mesmos” - Isso porque, em nossa fraqueza, somos fortalecidos no poder de Cristo. Estas são as coisas que os cristãos dos nossos dias parecem ter perdido ou esquecido. Sua ideia de “amor” é ser “caridoso” ao compartilhar a mensagem de um “evangelho” que começa e não termina o que começou. Nossas fraquezas e angústias não são algo para nos desesperar, mas para se transformar em  esperança mais profunda. Sou Justificado?, então, “tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo... e nos gloriamos na esperança da glória de Deus. E NÃO SOMENTE NISSO, mas também nos GLORIAMOS nas TRIBULAÇÕES, porque sabemos que a tribulação PRODUZ ( no homem Justificado ) PERSEVERANÇA; a perseverança, um caráter aprovado; e o caráter aprovado, ESPERANÇA ( e não o desespero final). E a ESPERANÇA não nos DECEPCIONA, porque Deus DERRAMOU seu amor em nossos corações, POR MEIO do Espírito Santo que ele nos concedeu.” - Romanos 5:1-5

    Sofrimento e esperança. Deus tem muito a nos falar sobre essa conexão. Nós sofremos. Todo mundo sofre. O que é o sofrimento? É o fato de ter algo em sua vida que você não queria que estivesse lá mas que você não pode mudar. Muitas vezes o sofrimento é o oposto disso, você não tem algo em sua vida que você “precisa” desesperadamente, mas não pode ter.

    Todos nós temos coisas em nossas vidas que não queremos, e todos nós não temos coisas em nossas vidas que precisamos.

    Você não precisa ir procurar o sofrimento, ele te acha. Uma doença imprevisível, seus negócios afundando, a perda de alguém amado, casamento em crise, um filho rebelde quebrando seu coração, e assim poderíamos fazer uma lista enorme. Em algum momento o inimaginável vai encontrar você.

    Os que são “fortes” podem dizer – Ok, vou começar de novo – outros não terão essa mesma perspectiva. Mas nenhum dos dois casos, por fim, pode vencer. Mais sofrimentos virão e virão... até que a morte chega.

    Algo muito maior é dito para nós sobre o sofrimento do que qualquer caminho – otimista ou pessimista – que possamos estabelecer, e o único que faz toda diferença.


    Quando sofremos Deus nos dá um dom: “E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, E a paciência a experiência, e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.” -  Romanos 5:3-5


    Deus no sofrimento nos da o dom da novidade. Ele está abrindo uma porta para uma nova experiência de seu amor. É sobre isso que Paulo está falando conosco aqui em Romanos. Um Deus poderoso capaz de usar nossas experiências de profundo sofrimento para tornar a  ÚNICA esperança verdadeira mais real para nós do que jamais poderíamos sonhar.


    Deus não vai nos proteger do sofrimento, ele quer mudar a forma como nós sofremos. Ele é capaz de derramar o seu amor em nossos corações bem no meio dos nossos sofrimentos. Mais do que isso, nos levar a nos gloriarmos em nossos sofrimentos... isso pode parecer estranho, mas é a mais pura verdade.


    Paulo aqui em Romanos 5 está respondendo a uma pergunta. Em Romanos de 1 a 4, ele tornou o evangelho claro, por causa disso, sabemos que somos muito piores do que jamais poderíamos ter imaginado, e de que somos amados mais do que jamais sonhamos. Paulo deixou claro que o evangelho não é sobre o que nós fazemos para Deus, em nossa total depravação, somos merecedores apenas de Sua ira. O evangelho é o que Deus fez por nós, diz Paulo. Ele nos levou de novo a uma verdadeira paz com Ele através do sacrifício de Cristo na cruz e nós o recebemos com mãos vazias, desprovidas de tudo, ao recebermos dEle o dom da fé. Quando já temos isso... então chegamos em Romanos 5.


    “Justificados pois pela fé, temos paz com Deus!” – Temos razão para ficarmos de pé olhando nosso destino eterno. Nosso futuro glorioso, dado pela graça molda todo nosso caráter... Então Paulo nos versos 3-5, pressiona a realidade disso agora, nos gloriamos na “esperança da glória de Deus” – mas não somente nisso. Nós nos gloriamos num futuro perfeito, nas agora temos um presente cheio de sofrimentos. Então ele diz o impensável – “nos gloriamos em nossas tribulações e sofrimentos do presente”.


    O que agora isso pode significar? De que maneira concebível podemos nos gabar em nossos sofrimentos e encontrar significado pessoal e satisfação em nossos sofrimentos? Você pode dizer: “eu não me glorio nos meus sofrimentos...” – Mas a justificação pela fé muda a maneira como sofremos. A justificação pela fé nos ensina a nos vangloria em nossos sofrimentos – não apesar de nossos sofrimentos – mas por causa de nossos sofrimentos. No verso 2 Paulo diz que nós nos gloriamos, não apesar da esperança da glória de Deus, mas na esperança da glória de Deus, agora aqui, ele diz o mesmo, nos gloriamos nas tribulações e não apesar das tribulações.


    Aqui está o ponto – É Cristo toda nossa satisfação? É aqui que o sofrimento entra como algo glorioso. Se você de fato foi regenerado e é um com Cristo, você não será poupado de sofrimento neste mundo mau. E os sofrimentos deixarão claro, ao encontrar neles completa satisfação em Cristo, que você não é um impostor, não é um amigo, um com Cristo, em dias de tempo bom, mas leal corpo de Cristo na terra. Havia uma tonelada de sofrimentos sobre o apóstolo Paulo. Ele então pôde dizer: “Não importa, para mim o viver é Cristo... tenho por perda todas as coisas por amor a Cristo... ainda que o homem exterior se corrompa (seu corpo), o homem interior se renova a cada dia...” – Você vê o que o sofrimento está fazendo?


    Nós nos gloriamos em nossos sofrimentos, porque ver e experimentar a realidade de que Cristo é tudo, vale tudo. Você descobre isso, e se alegra, porque você não queria estar no campo adversário, e agora você sabe onde está. Sabendo que “que a tribulação produz a paciência, E a paciência a experiência, e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão...”
    Toda confusão é dissipada. O que nós odiamos no sofrimento, é que parece que estamos perdendo a nossa chance na vida. Parece que o sofrimento nos nega tudo o que torna a vida ser algo que vale a pena ser vivida, tudo que nos faz feliz. É por isso que isso leva os homens ao fundo do poço. Eles perdem a esperança no sofrimento e não ganham esperança como Paulo diz sobre os justificados que agora estão em paz com Deus.


    Sem essa realidade o sofrimento suga a esperança, eles sofrem e parece que a vida está escorregando por entre os dedos para sempre. Isso é terrível. Mas a justificação pela fé altera tudo. A justificação pela fé redireciona para onde o sofrimento nos leva, não no fundo do poço, mas para uma profunda esperança. Esse é o ensino aqui. O Evangelho coloca um novo pensamento em nossas mentes. Agora minha única chance de felicidade está em Deus que é desfrutado por tudo que Cristo fez e é para mim. Sua graça redefiniu o meu futuro maravilhosamente. Estou indo para o céu, estou indo para casa agora. Todas as minhas dívidas foram pagas antecipadamente, e nada pode roubar a glória preparada para mim... com Cristo, com Cristo, a esperança do futuro muda radicalmente o presente. Se eu posso me gabar, me vangloriar na esperança da glória, eu também posso me gabar diante de qualquer coisa agora – dificuldades, medo, stress, exclusão, calúnia, injustiça, dor, agressão, crítica, racismo, impotência, fraqueza, vergonha, doença, morte, martírio...


    Você vê a mudança de caminhos aqui, nos versos 3-4? “E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, E a paciência a experiência, e a experiência a esperança.” Romanos 5:3-4 – Se você está em Cristo, seus sofrimentos estão te levando na direção da esperança.


    Então em meio ao sofrimento hoje Deus está dizendo: “Não pare!” – Quando em meio ao sofrimento andamos com Deus em sua força, através de nossas terríveis experiências, crescemos. Nós descobrimos que nossa fé é real. Que não era mera chuva de verão... alegria em tempo bom que o coração natural pode ter. Ele revela, você está em Cristo. Isso que Paulo que dizer, autenticidade comprovada, o negócio real, o espírito de um soldado veterano endurecido pelas batalhas que deixou para trás. Quantas vezes as pessoas perguntam – “Eu realmente estou em Cristo, tenho fé justificadora... ou estou me enganando? Será que eu estaria com ele se tudo estivesse dando errado, me deleitando nele? Será que eu morreria por Cristo?” – Deus conhece isso. A incerteza... Então ele leva você a resposta, leva seus verdadeiros soldados até o lugar na linha de batalha onde tudo o que resta é Deus, e lá e somente lá, você descobre que ele é tudo que você precisa – descobre que realmente você está em Cristo. Você realmente creu no evangelho, você foi regenerado. Então você se gloria NO sofrimento e não apesar do sofrimento. E o sofrimento produz em nós grande resistência agora, o que nos leva inquestionavelmente a autenticidade comprovada, e nos inspira, e nos enche de mais esperança confiante de que, com Cristo, podemos enfrentar qualquer coisa.


    Por isso, quando sofremos, Deus não está falhando, Deus está realizando em nós algo mais valioso do que a vida e qualquer coisa que pudéssemos imaginar.


    Quando sou FRACO sou FORTE!

    “Por isso, por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco é que sou forte.”  2º Coríntios 12:10.


    Não existe uma cláusula de exclusão ou de excessão para os crentes que estão na Aliança de Deus, e não há justificativas pela ética da situação. Nem podemos usar a história de alguém – por mais que amemos esse alguém, ou desejemos “consolar” alguém – para negar a Verdade Bíblica. Além disso, como o Espírito Santo de Deus nos guiaria sem nos mover para onde Ele quer que nós vamos? Sério, mesmo um cão guia e move o cego para a segurança, o Espírito Santo não? Ele nos guiaria poderosamente e soberanamente para suicídio? “Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus.” - Romanos 8:14

    E quem não é guiado pelo Espírito de Deus não é filho de Deus. Deus é muito mais cuidadoso com aqueles que estão sob Seu cuidado que um cão-guia é para com um cego, e infinitamente poderoso. E assim assumir que Deus conduz e leva ou desespero final - é ignorar e desprezar todas as Escrituras pertinentes que ilustram claramente o que Deus faz.


    Filipenses 2: 12-13

    “Assim, meus amados, como sempre vocês obedeceram, não apenas em minha presença, porém muito mais agora na minha ausência, ponham em ação a salvação de vocês com temor e tremor, pois é Deus quem efetua em vocês tanto o querer quanto o realizar, de acordo com a boa vontade dele.”

    Pois é Deus que trabalha em você " ambos " para querer e para fazer segundo sua Boa vontade ( Filipenses 2:13 , Hebreus 13: 20-21 ). Em outras palavras, Deus trabalha em você para fazer a vontade dEle prevalecer. Assim, é a vontade dele que você chegasse ao desespero final? Ele trabalhou esse querer e o realizar? – A palavra em Filipenses 2:13 traduzidas em "querer" e "fazer" são ambos [ energeo ], que significa "ser ativo", o que efetivamente o move. É onde nós tiramos a palavra "energia" - Claramente, Deus ilustra que Ele não é um odioso Deus passivo, Ele é um Deus que trabalha dentro de nós e está nos movendo ativamente a trabalhar para fazer Sua vontade que é glorificar o valor infinito do seu Filho em nós. Isso não é o que eu digo e não é a filosofia humanista dos teólogos modernos, ou a psicologia humanista; isso é o que o Deus eterno inspirou. Se quisermos ignorar todas as passagens das Escrituras que não gostamos, é claro que podemos acreditar em qualquer coisa que desejamos. Podemos então chegar a qualquer conclusão não bíblica para se adequar aos nossos gostos pessoais ou privados ou a filosofias humanistas que nos cercam e assim “consolar” a todos. No entanto, se estamos realmente buscando a verdade e buscando o que Deus deseja e declara, então toda a Escritura deve ser levada em consideração na formulação de crenças e doutrinas.


    Existem alguns mestres que entendem essas coisas, mas que respondem dizendo que não podemos ter essa visão porque todos nós temos uma certa falta de confiança no Senhor às vezes. Isso pode ser verdade, mas devemos usar nossa própria fraqueza como justificação para o desespero final onde Deus falha em tudo o que disse? Só porque alguém não confiou no Senhor em algum momento não equivale ao desespero final, como é óbvio. Talvez não confiemos no Senhor em algum momento, mas não nos matamos, não é mesmo? A razão pela qual não o fizemos foi por causa da graça de Deus que estava trabalhando em nós, tanto o querer e o fazer segundo a sua vontade ( Filipenses 2:13). Essa é a verdade que alguns mestres parecem decididos a ignorar. Não alcançamos esse ponto de desespero total precisamente por causa da Graça de Deus em nós em que Ele "mantém" Sua promessa fiel de não nos colocar algo além do que podemos suportar. Ou isso, ou Deus não foi verdadeiro quando prometeu que não o faria. Então, novamente, em quem vamos acreditar? Psiquiatras, psicólogos, filósofos, mestres graduados em algum seminário, mestres sintonizados com o pensamento cultural... ou na Palavra de Deus. Para que não nos esqueçamos, a graça de Deus é mais perfeitamente vista ( 2 Coríntios 12: 9-10 ) quando somos fracos, para que possamos permanecer fortes ao invés de covardes diante das provações e cair no desespero final. Porque se quando somos fracos, nos matamos... então a graça não nos fez fortes em nossa fraqueza.

    Provérbios 28: 1
    “O ímpio foge, embora ninguém o persiga, mas os justos são corajosos como o leão.”

    É somente em Cristo que somos um leão e não um covarde quando enfrentamos as provações deste mundo. Este mundo (e eu falo sobre o mundo do cristão professo também, infelizmente) está tão apaixonado por sua própria vaidade e habilidade para resolver todos os problemas ( em seu humanismo secular como remédio mais sofisticado para os dramas da alma), pensando em si mesmo, que Deus e a Sua palavra são uma reflexão tardia e que é obrigada a se encaixar no humanismo secular galopante de nosso cultura. As coisas são sempre sobre eu, ou outra mente humana, ou o que fazemos, o que eu fiz, o que não podemos fazer, como escolhi Deus... como devemos nos mover porque Deus não o fará por nós, etc., etc. O "eu" é o verdadeiro problema aqui. Tudo é orgulho e vaidade diz o pregador. Confiança e crença na palavra e  fé no Senhor para realizá-la, não é insignificante em nada. É uma parte essencial do verdadeiro cristianismo. Mas muitos cristãos hoje acreditam em coisas que estão além do poder de Deus e da suficiência do Evangelho.


    "O Senhor é a minha rocha, a minha fortaleza e o meu libertador; o meu Deus é o meu rochedo, em quem me refugio. Ele é o meu escudo e o poder que me salva, a minha torre alta.”  - Salmos 18:2


    “Como é feliz o homem que põe no Senhor a sua confiança, e não vai atrás dos orgulhosos, dos que se afastam para seguir deuses falsos!” - Salmos 40:4


    Estas são as coisas que os ministros fiéis da Palavra de Deus devem testemunhar aos cristãos. Eles não os aconselham para que eles possam, sem que Deus possa fazer nada, chegarem ao desespero final – isso não é ser “mais humano”, “consolador”... isso é não ser fiel a Verdade. Nós, como servos de Deus, nunca falamos que é peculiar para um cristão verdadeiro não ter esperança, nem ter confiança no Senhor para superar qualquer situação. O “cristão” que chegou ao desespero final, jogou a toalha, para ser  proverbial. Em essência, ele está dizendo: “Estou cansado de esperar no trabalho de Cristo, este trabalho não tem sido suficiente, Deus me quer no mundo, mas Ele não fez o suficiente para me manter aqui.


    Isso é áspero?  Claro que é, porque é verdade. Você não pode colocar Cristo em "primeiro lugar" e então ser abandonado e chegar ao desespero final, sem apenas estar mostrando que Cristo não é o descanso final da sua vida.  Não é cristão, Regenerado,  Justificado...


    Um verdadeiro cristão não desmaia fazendo a vontade de Deus, ele resiste porque Deus está operando nele o desejo e o realizar do desejo. Aqui está a paciência e a fé dos santos: “Porque é louvável que, por motivo de sua consciência para com Deus, alguém suporte aflições sofrendo injustamente. Pois que vantagem há em suportar açoites recebidos por terem cometido o mal? Mas se vocês suportam o sofrimento por terem feito o bem, isso é louvável diante de Deus. Para isso vocês foram chamados, pois também Cristo sofreu no lugar de vocês, deixando-lhes exemplo, para que sigam os seus passos.” - 1 Pedro 2:19-21 .

    Isso novamente é uma das evidências do verdadeiro cristianismo. De que alguém de fato foi Justificado, Regenerado... Se não temos isso, o que nos faz pensar que somos verdadeiros cristãos cheios de Espírito?

    Não desfalecemos!

    Por isso não desanimamos ( desfalecemos – nos desesperamos ). Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia” - 2 Coríntios 4:16.

    Nosso espírito dentro de nós é renovado e revigorado dia após dia porque Cristo habita dentro de nós e nos dá a força necessária para perseverar em QUALQUER situação. Isso é a Perseverança dos santos – mas muitos estão dizendo exatamente o oposto disso e chamando de perseverança dos santos – ou seja, o abraço final do desespero final.  Devemos pensar que Seu Espírito nos abandona ou não nos renova no dia em que mais precisamos disso? Deus me livre! Essa pode ser a implicação nas palavras de alguns mestres, mas não é o que esperamos de acordo com as Escrituras. Ele disse que Ele NUNCA vai nos deixar nem nos abandonar - ou isso se tornou uma frase sem sentido em nossos dias? Como verdadeiros cristãos, esperamos no Senhor, não se desfalecem nossas mãos na angústia, sofremos e somos vitoriosos em nossas provações em tempos desesperados especificamente por causa da força de Cristo dentro de nós. Então, entendendo isso, o que temos dentro de nós? Fé dada por Deus que nos Justificou? Isso nos sustenta? É fé ou falta de fé?  É crença ou descrença?

    Forças renovadas.

    “Mas aqueles que esperam no Senhor renovam as suas forças. Voam bem alto como águias; correm e não ficam exaustos, andam e não se cansam.” - Isaías 40:31

    Desesperança e estar perturbado até o desespero final e dar cabo da vida, não são as evidências de um verdadeiro cristão, de um homem Justificado, regenerado.  É evidência de algo superficial com Cristo, mas não de fé salvadora. Na verdade, eu diria que é mais a evidência de alguém que tirou ( nunca pôs ) os olhos de Cristo do que de alguém que manteve os OLHOS FIXOS EM CRISTO. São aqueles que correm e ficam cansados, ou aqueles que andam e desmaiam – Isso representa a salvação, regeneração, justificação... a alguém que espera no Senhor -  “Mas aqueles que esperam no Senhor renovam as suas forças. Voam bem alto como águias; correm e não ficam exaustos, andam e não se cansam.” - Isaías 40:31 - Ou mostra aqueles que não receberam asas de águia, nem realmente esperaram no Senhor, mas que, contrariamente, se afundaram em profundo desespero e desistiram da vida? Não podemos, em toda a boa consciência, ter as duas coisas – ou ignorar essas coisas por causa de coisas eufemísticas que as pessoas querem ouvir para sentir “consolo”.

    “Eles dizem aos videntes: "Não tenham mais visões! " e aos profetas: "Não nos revelem o que é certo! Falem-nos coisas agradáveis, profetizem ilusões.” - Isaías 30:10


    Em conclusão, para não nos alongarmos ainda mais neste breve artigo ( o que é difícil, já que é tão abundante o material bíblico sobre a suficiência de Deus, de Cristo, do Espírito, do Evangelho ) eu sei que haverá aqueles que, sem dúvida, afirmarão que não somos compassivos, humanos ao testemunhar isso. Mas a verdadeira compaixão é encorajar a confiança de que Deus não pode mentir em suas promessas e chamar ao arrependimento, e exortar que nos afastemos do erro. Ser compassivo não está em dizer "Paz, Paz quando não há Paz", ou falar o que as pessoas querem ouvir como “consolação” fora de Deus ( que procurem então o humanismo secular que despreza Deus e sua Palavra) -  ou dizer coisas suaves para o ouvido, apenas para aplacar ou ser agradável ​​aos homens. A disciplina pode parecer áspera, mas, na realidade, é compaixão para a justiça (Hebreus 12:11).


    No passado os cristãos não tinham os remédios e tratamentos atuais para dor física e todo tipo de dor e alívio... sofriam absurdamente tanto por perseguição, como por viverem numa época onde não tinha nada para alívio de muitas coisas que causam angústia... mas eles suportaram... e suportaram os horrores de homens maus em torturas inimagináveis... no entanto, não vacilaram em sua fé... não cederam uma polegada diante da vontade de Deus para eles. Escolhendo, em vez disso, serem torturados até a morte, em vez de dizer algumas palavras que salvaria suas próprias vidas ou acabaria com sua tortura: “Alguns foram torturados e recusaram ser libertados, para poderem alcançar uma ressurreição superior. 36 Outros enfrentaram zombaria e açoites, outros ainda foram acorrentados e colocados na prisão, 37 apedrejados, serrados ao meio, postos à prova, mortos ao fio da espada. Andaram errantes, vestidos de pele de ovelhas e de cabras, necessitados, afligidos e maltratados. 38 O mundo não era digno deles. Vagaram pelos desertos e montes, pelas cavernas e grutas. 39 Todos estes receberam bom testemunho por meio da fé” – Hebreus 11.35-39. Esse é o poder da fé que é um dom de Deus na qual somos Justificados...

    Devemos lançar essa força em Cristo fora como uma aberração do cristianismo?  E devemos abraçar a fraqueza do desespero final como um ato compreensível e excusável de verdadeiros cristãos? Não. Ao fazê-lo, negamos tudo o que Deus declara que Ele fará por nós e degradamos tudo o que a igreja que foi antes de nós sofreu por causa da fé. Quando perdemos a esperança, perdemos nossa âncora ( Ou seja, não temos uma). Como, então, ainda estamos ancorados com segurança e permanecendo em Cristo? Os cristãos de todos os tempo sabem algo melhor do que isso:


    "Que esperança nós temos como uma âncora da alma, com certeza e firme, e que entram naquilo dentro do véu"; Temos esta esperança como âncora da alma, FIRME E SEGURA, a qual adentra o santuário interior, por trás do véu, onde Jesus, que nos precedeu, entrou em nosso lugar, tornando-se sumo sacerdote para sempre” - Hebreus 6:19,20.


    Todas as Escrituras acima mencionadas não significam nada para aqueles que optam por ignorá-las em favor do raciocínio humanista da psicologia secular. No entanto, os cristãos fiéis que têm esperança como sua âncora, sabem que estão SEGUROS e FIRMES como todos aqueles que tem uma fé verdadeira. Sabemos que a falta dessa esperança é um pecado terrível. É, em essência, não ter fundação ou âncora.

    O homem Regenerado, Justificado...  (nós...) foi “enviado” por Cristo com e em uma missão, e ela não está finalizada até que Deus nos chame para casa. Não termina quando decidimos que não queremos mais viver porque Deus ( implicitamente ) colocou sobre nós mais do que podemos suportar, em uma contradição direta a uma promessa na qual Ele diz que é uma evidência da Sua fidelidade.  


    Nossa missão – se Deus nos enviou em uma, como ele fez com todos os que chamou soberanamente e justificou... ( “E aos que predestinou, também chamou; aos que chamou, também justificou; aos que justificou, também glorificou.” - Romanos 8:30 - numa perfeita corrente de outro inquebrável ) não acaba por uma decisão nossa.


    Não acabou a missão ( é impossível)  do homem justificado realmente até que o próprio Deus soberano decida nos chamar para casa. Ele é nossa força na vida, não nosso fardo insuportável. Se tivermos um fardo que não podemos suportar, é porque não o depositamos sobre Cristo e Ele nunca nos aliviou e deu descanso que tudo vence: “Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso. Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve". - Mateus 11:28-30 – Como eu disse, Ele é nossa força na vida e nosso descanso,  não nosso fardo insuportável que nos leva ao desespero final.


    E, com certeza, como alguém que carrega seu próprio fardo até o desespero final, pode ter entregado seu fardo ao Príncipe da Paz?  Como quem carrega o seu próprio farto e não recebeu alívio final e soberano em Cristo, entra no Reino dos Céus?


    Um homem Justificado nunca diz em seu fim: "Eu desisto!" - No fim todo  homem Justificado diz: "Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé." -  2 Timóteo 4:7