• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Luxúria! O que ela nos faz realmente desejar?



    Ansiedade pela comida, pelo sexo, pela riqueza, pelo respeito, pela intimidade, pelo amor... é um desejo pelo nada? Se é, como isso funciona?


    Beleza, luxúria e nada - A luxúria tem fome de nada .
    A luxúria é o instinto primordial, caído que cria demanda pelo nada, nihil.
    A luxúria ou a cobiça é idolatria, a adoração dos ídolos.
    E os ídolos são literalmente, nada (1 Cor. 8: 4).
    A luxúria é a adoração do que é escuro, sem forma, o vazio.


    Por quê?

    Por que desejamos o nada?

    Porque desejamos fazer a realidade por nós mesmos. Desejamos criar a realidade. Desejamos criar para nós mesmos nosso próprio significado, nosso próprio futuro, nosso próprio universo, nossa própria verdade.


    É por isso que o Novo Testamento sempre adverte contra a luxúria do status, a luxúria da carne, a luxúria dos olhos. A luxúria, por exemplo, não é apenas um desejo sexual menor ou mesmo perverso. Um dos grandes truques do diabo foi isolar a "luxúria" à categoria de desejo sexual. Claro que a luxúria acontece lá, mas, falando biblicamente, a luxúria é algo muito mais amplo e profundo e de natureza cósmica. Inclui rebelião sexual e anarquia, mas é, na verdade, o desejo fundamental de toda rebelião, toda anarquia, toda ilegalidade, toda auto-deificação. É por isso que não pode haver coerência ou status quo para a revolução sexual. É necessariamente niilista. Não pode parar até que não haja nada, até que tudo que foi feito tenha sido desfeito. E é o que se vê claramente em nossa cultura.


    Muitas vezes o desejo no Novo Testamento está ligada à carne, desejos por coisas, coisificar pessoas, gratificação, status...:


    "...mas quando chegam as preocupações desta vida, o engano das riquezas e os anseios por outras coisas, sufocam a palavra, tornando-a infrutífera.” - Marcos 4:19.


    Mas a Bíblia também descreve frequentemente a luxúria como muito mais cósmica, como algo que se aproxima do núcleo da realidade:

    "Vocês pertencem ao pai de vocês, o diabo, e querem realizar o desejo dele.” - João 8:44

    "Por tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a luxúria dos olhos e o orgulho da vida ( Status), não vem do Pai, mas é deste mundo" (1 Jo 2:16).


    A luxúria da carne, a luxúria dos nossos olhos... está cheia do orgulho mundano do diabo.


    "Portanto, Deus também os entregou à imundícia através dos desejos de seus próprios corações, para desonrarem seus próprios corpos entre eles ..." (Romanos 1:24).


    Essa luxúria flui diretamente da rejeição de Deus nosso Criador e do culto das coisas criadas (ídolos) no lugar de Deus. As luxúrias surgem dessa origem, o desejo de deslocar Deus, nosso Criador, do seu lugar.


    "Por isso digo: vivam pelo Espírito, e de modo nenhum satisfarão os desejos da carne. Pois a carne deseja o que é contrário ao Espírito; e o Espírito, o que é contrário à carne. Eles estão em conflito um com o outro, de modo que vocês não fazem o que desejam.” - Gálatas 5:16,17 - (Gálatas 5: 16-17, cf. Romanos 6:12, 7: 7-8, Eph 2: 3, 4:22, Col. 3: 5, 1 Tessalonicenses 4: 5, 1 Tim. 6: 9).


    Muitas dessas referências do Novo Testamento enquadram a luxúria como o ponto de batalha crucial para o cristão, a guerra entre o Espírito de Deus e o nosso eu anterior ou a rebelião restante em nossa carne. Essas luxúrias não são apenas o desejo de satisfazer um certo apetite, são pontos de “inflamação” do desejo mais profundo e antigo de destronar a Deus, desconstruir e refazer o mundo de acordo com nossos próprios caprichos, ser nosso próprio criador, ser os capitães de nossos destinos, mestres de nossa alma, ser como deuses.


    Vamos ligar os pontos um pouco mais.


    Ansiedade pela comida, pelo sexo, pela riqueza, pelo respeito, pela intimidade, pelo amor - na superfície, pode ser difícil ver como isso pode ser estar desejando o nada. Certamente não é o que pensamos estar desejando. O que achamos que queremos é essa coisa, essa experiência...


    Mas essa é a falsidade da luxúria. Essa coisa, essa coisa preciosa, essa experiência, esse prazer... não existe . O diabo mostra uma imagem, uma imaginação, uma oferta imaginária, uma miragem. Mas você diz, sim, existe! Eu vi isso no comercial. Eu vi a alegria em seu rosto, o prazer em seus olhos. Imaginei ser amado assim, desejado assim, querido assim. Exatamente. Você imaginou isso. Era uma foto, um filme. Não é real. É fabricado. Você viu uma imagem que parece retratar alegria, felicidade, prazer, mas é uma imagem, um ícone, um ídolo. Não é real.


    Tá bem, você diz, mas eu sei que meu amigo é real. Eu vi seu casamento, seu carro, seu corpo, seu trabalho, sua família, sua liderança, seu ministério... Ela é real; ele é real. Sim, é claro que eles são reais, e está bem que eles realmente gostem desses presentes. Mas a luxúria imagina que você poderia roubá-los por si mesmo. A luxúria imagina tomar o que não é seu e curtir como se fosse. Mas esta é a coisa, esse é o ponto: isso é impossível. Você não pode realmente roubar o que não é seu e apreciá-lo como se fosse. Sim, você pode roubar o carro de outro homem, o trabalho de outro homem, a esposa de outro, a posição de outro homem, o ministério de outro homem... mas quando você o fez, você achará que você realmente não tem o que eles tinham. Porque resulta que o gozo e o prazer nos dons de Deus está todo ligado ao fato de que essas coisas são presentes de Deus, recebidas com alegria e gratidão porque Ele deu.


    Então, estamos novamente, reconhecendo que a luxúria e a cobiça não é meramente desejar algo que não é seu – é estar realmente desejando nada, desejando o mundo desfeito, os dons que Deus não administrou..., para que você possa refazer o mundo de acordo com tua própria sabedoria. É por isso que a luxúria não é apenas um pouco de devaneio tolo. A Bíblia descreve isso como central para a grande guerra:


    " São estes os que se introduzem pelas casas e conquistam mulherzinhas sobrecarregadas de pecados, as quais se deixam levar por toda espécie de desejos.” - 2 Timóteo 3:6 ..."


    "Porque a graça de Deus se manifestou salvadora... Ela nos ensina a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver de maneira sensata, justa e piedosa nesta era presente” - Tito 2:11,12.


    "Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.” - 2 Timóteo 4:3,4


    Tudo isso é por que, quando se trata do triunvirato das virtudes: a verdade, a bondade e a beleza, os cristãos devem sempre insistir em uma hierarquia com a verdade no topo, seguida pela bondade e pela beleza, o derivado necessário da verdade e do bem, mas não o contrário. Os homens naturalmente querem prazeres e alegria sem uma sã doutrina. Isso é o que a luxúria sempre quer: prazer e beleza e alegria sem verdade. Os ouvidos com coceira se afastam da verdade. A luxúria é a demanda por fábulas.


    Em outras palavras, a beleza não existe por si só. A verdadeira beleza é apenas e sempre a glória e o brilho da verdade e do bem. Mas no momento em que a beleza é separada do fundamento da verdade e da bondade, está oferecendo um mundo falso, um mundo mitológico, um mundo de beleza inexistente, além da verdade e da bondade de Deus. É claro que o pecado e a rebelião no mundo de Deus são sempre parasitas. O pecado e a rebelião só existem tentando recriar secretamente e tirar sua força da verdade que eles odeiam e desprezam. Quem te deu essa mente? Essas mãos? Aqueles olhos? Essa respiração em seus pulmões? Esses coração que pode latejar sentimentos? Aquele que te criou te deu esses presentes, esses presentes que usamos tão rapidamente para exigir o nada, que o mundo seja desfeito e recriado de acordo com nossos desejos. Fale sobre fábulas. É o que sempre a luxúria quer ouvir.


    Então, o fim de nossas luxúrias é literalmente o nada. Não há nada ali. É frio, escuro e completamente solitário.



    Mas servimos ao Deus que cria ex nihilo. Nós servimos o Deus que fala luz em nossa escuridão, que fala vida em nossa morte. Nós servimos ao Deus que não nos deixa em nossa imaginação vã. Servimos ao Deus é a Verdade, que é o mesmo que dizer o Deus que é o único fundamento de toda bondade e beleza. Ele veio para nós na pessoa de Seu Filho, a Verdade em carne, para dizer a verdade sobre o nosso pecado e loucura, para permanecer em nosso lugar, para receber esse julgamento profundo e furioso devido a nós, a fim de nos levar para casa, para que a verdade possa nos libertar. Visto sob esta luz, autocontrole, temperança, sobriedade, contentamento, modéstia... não são virtudes que negam a bondade das coisas  deste mundo ( criadas) de qualquer maneira. Em vez disso, são enfaticamente as virtudes que nos fundamentam precisamente da verdadeira bondade deste mundo criado. Elas entendem que todas as falsas ofertas de prazeres e auto-busca são fábulas, mitos, faíscas fugazes que desaparecem no nada. Mas a verdade de Deus, a doutrina sadia de Deus, é o fundamento de toda a beleza. E à Sua mão direita estão os prazeres para sempre.