• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Sauron e a incapacidade de Satanás e do homem de compreender a mente de Deus.







    No livro o Retorno do Rei, Gandalf explica a Aragorn que Frodo e Sam têm uma esperança de atravessar Mordor e destruir o Anel do poder. Ele diz de Sauron:

    “Que nós desejamos lançar o Anel na montanha e destruí-lo, é um pensamento que não ocorre à sua mente. Que realmente tenhamos esse desejo de destruir o Anel ainda não entrou em seu sonho mais escuro”


    Por que não? Por que Sauron não podia sequer pensar nisso? Sauron não advinhou o verdadeiro propósito da  Sociedade do Anel não é que Sauron seja tolo ou simplesmente arrogante se achando invencível... mas ele simplesmente não pode conceber que alguém estaria disposto a abrir mão do poder ou abandonar o poder. Ele é cego para essa realidade. Ele é incapaz de ver as motivações do que poderíamos chamar de bom ( No sentido mais bíblico possível ) – tal luz é muito brilhante para os olhos escurecidos e prisioneiro das trevas que ele possui.


    Pense, essa é a limitação fatal do mal.  Você consegue perceber quão limitado ele é? A incapacidade de Sauron reconhecer o que é verdadeiramente bom e sacrificial foi a sua completa ruína. Ele sequer poderia imaginar alguém voluntariamente desistindo do poder e estando disposto a arriscar a sua vida para desistir do poder, mas alguém fez – na verdade, uma sociedade, uma comunhão o fez. No final das contas,  foi a completa incapacidade de Sauron reconhecer o que é bom que o levou à ruína final na Terra Média.


    Como nós falamos que Jesus em sua  vida, morte e ressurreição venceu Satanás... pensamos nessa vitória como uma batalha nos termos que pensamos as batalhas... como se diante da cruz Satanás com sua voz de “Sauron” gritaria um “nãooooooooooo!” – Como se fosse um combate mano a mano entre Jesus e Satanás, com Jesus no último instante, como nos grande épicos, derrubando e vencendo ele... era uma sensação que eu tinha nos meus 17 anos de idade.


    Mas, tendo em vista que vimos no início, claramente a coisa mais inteligente que Satanás poderia ter feito para condenar o mundo à destruição e ruína era manter Jesus vivo... fazer tudo para tentar pelo menos, impedir a cruz. Ele fez o oposto. Como Sauron, Satanás é incapaz de compreender a humildade, servidão e sacrifício voluntário – principalmente do Criador que tem todo poder.


    Os Eleitos precisavam de um sacrifício perfeita para pagar nossa dívida infinita com Deus, e, ao invés de tentar de todas as formas impedir o sacrifício na cruz, Satanás, de forma oposto, estava disposto a fazer tudo para colocá-lo lá. Por exemplo, a Bíblia diz sobre Judas: “Entrou, porém, Satanás em Judas, que tinha por sobrenome Iscariotes, o qual era do número dos doze.” - Lucas 22:3 – Ele estava agindo em tudo e todos para levar Jesus para a cruz.


    A linguagem e moeda de Satanás são o poder e o domínio, jamais o oposto... ele vê tudo escuro assim, por isso essa foi a oferta dele a Jesus no deserto. Satanás, como Sauron na obra de Tolkien, só entende a busca da auto-realização e a conquista da auto-glorificação. Não é assim que ele escraviza todo homem? Ele seguiu seu “coração”... tão infernal ( infelizmente assim também é o coração do homem natural ) que ele não podia perceber que estava realizando a vontade de Deus naquele ponto particular. Ao pensar em vencer Jesus por matá-lo, condenou a si mesmo.


    A vitória de Deus sobre Satanás não era uma luta épica, mas o Onisciente colocando em andamento um plano de Salvação perfeito no qual Satanás se encaixa de forma atuante ao extremo por causa da sua própria incapacidade para sequer supor o verdadeiro bem. Todos os esforços de Satanás para derrotar Jesus assegurou a sua ruína. É óbvio que Deus poderia vencer simplesmente usando a sua Onipotência... tudo existe e subsiste nEle... mas Deus venceu em fraqueza, numa cruz...


    Não é diferente com a oposição humana: “Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens. Porque, vede, irmãos, a vossa vocação, que não são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os poderosos, nem muitos os nobres que são chamados. Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são; Para que nenhuma carne se glorie perante ele.” - 1 Coríntios 1:25-29.


    A mente do homem natural, como a de “Sauron” – de Satanás, não pode compreender um Deus que vence assim... escolhendo se esvaziar...
    Ao mesmo tempo, o homem também tenta negar que seu poder absoluto opera todas as coias como Ele quiser... homens, demônios... tudo terá que cooperar para o Seu plano... mesmo  seguindo os seus corações totalmente maus.


    Como homem regenerados começam a enxergar a vida depois que compreendem isso? Onde começa a vida espiritual? Tudo começa com esta verdade fundamental: Ele é Deus e nós não somos.


    Ele é Deus e nós não somos. Nada é mais básico do que isso. Toda a realidade espiritual começa com esta verdade, e se ignorarmos isto ou minimizarmos isso, nada mais que falarmos sobre vida espiritual fará muito sentido e será verdadeira vida espiritual.


    A fim de ajudar a compreender esta verdade, eu quero examinar uma série de passagens bíblicas. A Primeira “Lei” é tão fundamental ( Ele é Deus e nós não somos. ) que eu poderia facilmente encontrar 400 versos para ensiná-la. Aqui estão apenas alguns.


    "Mas ele está Só, e quem pode se opor a Ele? Ele faz sempre o que quer " - (Jó 23:13). Jó entende que não pode exigir nada de Deus. Em si mesmo, ele não tem poder para mudar sua terrível condição e não pode sequer exigir uma audiência para pleitear seu caso ao Senhor. Deus faz o que ele quer e Jó é impotente e indigno para se opor a ele.


    "Eu sei que tudo podes; Nenhum dos teus planos pode ser frustrado "(Jó 42: 2). Este versículo introduz o capítulo final da saga de Jó. Ele vem depois de Deus ter dado a ele uma lição de teologia e um exame final sobre a criação, que Jó falhou miseravelmente. Ele não podia responder a uma única pergunta. Agora completamente humilhado, ele confessa que Deus é todo-poderoso, ele faz o que quer, e ninguém está contra ele. Essa confissão o leva a um profundo arrependimento por seu insensato questionamento do plano de Deus.


    "Nosso Deus está no céu; Ele faz o que lhe agrada "(Salmo 115: 3). Isso é bem claro, não é? Podia ser mais claro? O Senhor do universo faz o que quer. Sempre que leio este verso, quero parar e dizer: "Alguma pergunta mais?"


    "O Senhor faz o que lhe agrada, nos céus e na terra, nos mares e nas suas profundezas" (Salmo 135: 6). O salmista passa a listar várias provas de que Deus faz o que quer. Ele fez nuvens nascerem no céu (v. 7), derrubou o primogênito do Egito (v.8), enviou sinais e prodígios (versículo 9), e feriu muitas nações (verso 10). A conclusão do salmo é um convite repetido cinco vezes para que todos louvem ao Senhor (vv 19-21).


    "Seja bendito o nome de Deus para todo o sempre, porque são dele a sabedoria e a força. Ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; é ele quem dá a sabedoria aos sábios e o entendimento aos entendidos. Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz.” - Daniel 2: 20-22).


    Quando o rei Nabucodonosor de Babilônia teve um sonho que ele não conseguia se lembrar e não entendia, ele finalmente pediu a Daniel para ajudá-lo. Daniel concordou, orou a Deus, e o sonho e sua interpretação lhe foram revelados. Estas palavras são parte da resposta de Daniel dando louvor a Deus. Fico impressionado com a frase "ele sabe o que está na escuridão". Ele estabelece reis e os destrona. Ele ordena os tempos e as estações. Ele até vê as coisas escondidas porque a escuridão não é escura para ele.”


    Olhe para Daniel 4. Quando o Rei Nabucodonosor toma crédito pela grandeza de seu reino, de seus bens... Como é comum ( Eu estudei, trabalhei, conquistei ) Deus o atingiu com uma espécie de insanidade que o fez pensar que ele era uma fera do campo. Por sete anos viveu entre os animais selvagens. Quando ele finalmente voltou seu coração para o Senhor, sua sanidade foi restaurada. Isso faz parte de seu público louvor a Deus: " Mas ao fim daqueles dias eu, Nabucodonosor, levantei ao céu os meus olhos, e voltou a mim o meu entendimento, e eu bendisse o Altíssimo, e louvei, e glorifiquei ao que vive para sempre; porque o seu domínio é um domínio sempiterno, e o seu reino é de geração em geração. E todos os moradores da terra são reputados em nada; e segundo a sua vontade ele opera no exército do céu e entre os moradores da terra; não há quem lhe possa deter a mão, nem lhe dizer: Que fazes?... Agora, pois, eu, Nabucodonosor, louvo, e exalço, e glorifico ao Rei do céu; porque todas as suas obras são retas, e os seus caminhos justos, e ele pode humilhar aos que andam na soberba.” Daniel 4: 34-35, 37).


    Aqui está um rei pagão que descobriu pelo caminho difícil a verdade da soberania de Deus. Para seu crédito, ele não hesita em falar a verdade uma vez que sua sanidade lhe foi restaurada. Deus faz o que quer. Mesmo os maiores governantes humanos não são nada para ele. Ninguém pode questionar o que Deus faz. Tudo o que Deus faz é certo. E o Senhor sabe humilhar os soberbos. Seria difícil encontrar uma declaração mais clara da “Primeira Lei” em toda a Bíblia.


    " Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos! 34 Pois, quem jamais conheceu a mente do Senhor? ou quem se fez seu conselheiro? 35 Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? 36 Porque dele, e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém." - (Romanos 11: 33-36).


    Esta maravilhosa doxologia vem no final da apresentação de Paulo do evangelho como a resposta de Deus ao pecado do homem e sua apresentação dos planos futuros de Deus. Ninguém poderia ter previsto como Deus responderia à rebelião humana. Ninguém dá conselhos a Deus. Ninguém pode traçar seu caminho através do céu estrelado. Deus nunca está em dívida para com ninguém por qualquer motivo. Tudo é dele, tudo é através dele, e tudo é para ele. E só ele recebe a glória.


    "Nele fomos também escolhidos, tendo sido predestinados segundo o plano daquele que realiza tudo conforme o propósito da sua vontade" (Efésios 1:11). Este verso é uma parte de uma longa frase que começa com as palavras "Louvado seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo" no versículo 3. No versículo 11 Paulo está louvando a Deus por nos ter escolhido em Cristo de acordo com seu plano predeterminado. Você pode traduzir a última parte do versículo desta forma: "Ele arranjou tudo para que todas as coisas funcionassem exatamente como ele planejou há muito tempo". Tudo no universo é causado por Deus ou “permitido” por Deus – portando, Decretado por Deus. Nada nunca "acontece" e nada é causado por alguém ou algo fora do controle de Deus. Algumas coisas ele causa diretamente; Outras coisas que ele permite que aconteçam. Mas todas as coisas no céu e na terra e até mesmo as coisas que acontecem no inferno, até mesmo os atos de Satanás, são controladas por Deus – Decretados por Ele.  Como disse Lutero, o diabo é "o cachorrinho de Deus". Ele não pode fazer nada sem a permissão de Deus. É por isso que Paulo pode declarar que tudo está acontecendo exatamente como Deus planejou desde o início. Como Ele decretou deste o início.


    "E ouvi como que a voz de uma grande multidão, e como que a voz de muitas águas, e como que a voz de grandes trovões, que dizia: Aleluia! pois já o Senhor Deus Todo-Poderoso reina. Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória!” -  (Apocalipse 19: 6-7). Quando Cristo voltar à Terra, o mundo inteiro saberá claramente o que sabemos agora pela fé: Nosso Deus reina.


    Ele reina sobre todas as coisas.

    Ele reina em cada situação.

    Ele reina no melhor e no pior que nos acontece.

    Ele reina sobre seus amigos e sobre seus inimigos.

    Ele reina no céu e também reina no inferno.

    Ele reina sobre aqueles que duvidam dele e o negam.

    Ele reina sobre aqueles que seguem outros deuses e outras religiões...


    Nosso Deus reina. O mundo ainda não o vê, e às vezes temos dificuldade enxergar tudo. Mas a verdade permanece e não será mudada: Nosso Deus reina.

    Quando olhamos todos esses versos maravilhosos, um fato salta para mim e não pode ser  ignorado. Toda vez que os escritores bíblicos falam da soberania de Deus, sempre isso os leva a louvar.


    Ele faz o que lhe agrada ... Louvado seja o Senhor.

    Ninguém pode opor-se a ele ... Brade de alegria ao Senhor.

    Tudo o que Deus faz é certo ... Aleluia.

    Quão insondável é a sua sabedoria ... A Deus seja a glória para sempre.

    Seu plano está funcionando perfeitamente ... Louvado seja Deus.

    Nosso Deus reina ... Que o povo se alegre com júbilo.


    Se esta verdade não enche nossos corações de louvor, então ou não entendemos o que a Bíblia diz ou simplesmente nos recusamos a acreditar. Mas a verdade continua se acreditamos ou não. Ele é o responsável por todas as coisas. Mesmo quando parece que ele não está governando, ele está governando. Quando o caos aparece, ele está no comando do caos. Quando as coisas começam a desmoronar, ele está encarregado de desmoronar essas coisas.

    Os teólogos chamam essa doutrina de "Soberania de Deus". Você a encontra em todas as páginas da Bíblia. A palavra "soberano" significa rei ou governante ou chefe. A soberania de Deus significa que ele está todos os eventos no universo. Ele é o responsável por todas as coisas. "A terra é do Senhor, e tudo nela, o mundo, e todos os que nela habitam" (Salmo 24: 1).

    E é isso que quero dizer com a declaração: "Ele é Deus e nós não somos." Ele é o Criador e nós somos suas criaturas. Este é verdadeiramente o princípio mais fundamental da vida espiritual.

    Até você entenda isso, e submeta, nada na vida vai funcionar bem. Cada erro que você já cometeu veio de esquecer quem é Deus e quem não é. Eu acredito que o primeiro pecado no universo aconteceu porque um querubim (um anjo criado por Deus, que mais tarde se tornou Satanás) esqueceu quem era Deus e quem não era. Isaías 14: 13-14 parece usar a linguagem poética para descrever o primeiro ato de rebelião contra Deus: "Subirei ao céu; Eu levantarei o meu trono acima das estrelas de Deus; Sentar-me-ei sobre o monte da assembléia, nas alturas extremas da montanha sagrada. Eu subirei acima das cúpulas das nuvens; Eu me farei como o Altíssimo. "Observe as cinco" – Eu farei do texto. Quando qualquer ser criado tenta se tornar "como o Altíssimo", o único resultado possível pode ser julgamento severo de Deus. Quando decidimos "brincar de Deus" e reinar em nossa pequena porção do universo, também não escaparemos ao julgamento.

    A Liberdade de Deus.

    Neste ponto, eu gostaria de falar algo sobre a liberdade de Deus. Embora falemos muito sobre liberdade, geralmente é nossa liberdade pessoal que temos em vista. Raramente pensamos na liberdade de Deus, mas esse é o ponto principal das passagens que acabamos de discutir. Quando você chega ao ponto final, a liberdade de Deus é a única verdadeira liberdade no universo. Cada outra "liberdade" é derivada de sua liberdade de uma maneira ou de outra. Só Deus é livre!!!

    Aqui estão sete breves afirmações que explicam o que quero dizer com "a Liberdade de Deus":

    A. Ele é absolutamente livre para fazer o que quiser.

    Porque Deus é Deus, ele pode fazer o que quiser quando quiser. Se ele quer criar um planeta, ou uma galáxia, ou mesmo outro universo, ele apenas diz a palavra e acontece. Ele é verdadeiramente "livre" no sentido absoluto do termo. É por isso que ele se anunciou a Moisés como "EU SOU O QUE EU SOU" (Êxodo 3:14). Deus é eterno, auto-existente e inteiramente auto-suficiente. Ele existe inteiramente fora do universo que criou.


    B. Ele tem o direito de nos tratar da maneira que escolher.

    Com isso quero dizer que Deus não tinha nenhuma obrigação de criar você ou eu ou qualquer outra pessoa. E ele não tem obrigação de nos manter vivos nem mais um segundo. Ele não está sob nenhuma compulsão para salvar um único membro da raça humana. Ninguém tem uma reivindicação para Deus. Ele pode fazer o que quiser com qualquer um de nós e ninguém pode com sucesso se levantar contra isso.


    C. Ele não tem que me tratar da maneira que ele trata o meu vizinho.

    Muitas pessoas lutam com esse conceito porque pensam que, porque Deus fez algo por um amigo, um vizinho ou um ente querido, Deus deve estar obrigado a fazer o mesmo por eles. Mas não funciona dessa maneira. Deus pode livrar seu vizinho do câncer e você pode morrer de câncer. Ou vice-versa. Envidar o seu próximo porque ele tem algo que você não tem é uma perda de tempo porque Deus nos trata como indivíduos, não como grupos. A verdade é que ele pode fazer por você exatamente o que ele fez por outra pessoa, ou ele pode fazer mais ou ele pode fazer menos ou ele pode fazer algo totalmente diferente. Ele é Deus. Ele pode nos tratar da maneira que quiser.


    D. Ele não tem que me tratar hoje como ele me tratou ontem.

    Este princípio deve ser estabelecido cuidadosamente. Como o caráter de Deus nunca muda, sabemos que ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente. Ele é sempre gracioso, sempre amoroso, sempre santo, e sempre justo. Seus caminhos são sempre perfeitos. No entanto, isso não significa que o que aconteceu comigo ontem é um padrão ou garantia para o que vai acontecer amanhã. O caráter de Deus e seu amor por mim nunca mudarão ( Se estou em Cristo). Mas como a graça, a fidelidade e o amor são expressos varia muito de momento a momento. Um dia talvez eu precise de uma resposta notável para a oração. No dia seguinte, estarei no vale do sofrimento, esperando que o Senhor me livre. Ele é sempre o mesmo Deus, mas ele não se exibe na minha vida da mesma maneira o tempo todo.


    E. Ele pode responder às minhas orações da maneira que quiser.

    Todo aquele que orou muito entende essa verdade. Uma noite pescamos e não pegamos nada. No dia seguinte, nossas redes estão cheias e se partindo. Posso estar na prisão uma noite e um anjo pode vir me libertar. Ou Deus pode enviar um terremoto para me livrar. Ou eu posso morrer na prisão como muitos cristãos tem morrido ao longo dos anos. Um ente querido com uma doença terrível pode ser poupado por Deus por vários anos, apenas para morrer dessa doença eventualmente. Um dia eu posso sentir o Espírito de Deus trabalhando poderosamente em minha vida. Outro dia eu posso mergulhar através do marasmo. Assim é com todos os filhos de Deus. Nosso Deus é infinitamente criativo na maneira como ele trata conosco quando nos leva à maturidade espiritual. Há dias brilhantes e noites escuras, e ambos são do Senhor.


    F. Ele não tolerará rivais a seu trono.

    Este é um dos temas mais claros da Bíblia. Há somente um Deus e ele exige nossa adoração exclusiva. Depois de lembrar aos judeus que os havia libertado do Egito, Deus fez este o primeiro mandamento: "Não terás outros deuses diante de mim" (Êxodo 20: 3). Está claro, não é? Nenhum outro deus, ponto. Deus é o número um. E não há número dois.


    G. Ele não é obrigado a viver de acordo com as minhas expectativas ou se explicar.

    Esta pode ser a declaração mais importante a respeito da liberdade de Deus. Ele não se obriga a fazer o que esperamos que ele faça. De fato, Deus continuamente surpreendeu seu povo na Bíblia. Ele expulsou Adão e Eva do Éden e então fez roupas para cobrir sua nudez. Ele enviou uma inundação e deu a Noé um arco-íris. Ele separou o Mar Vermelho, providenciou a entrega diária de maná e codorna, e então fez com que os filhos de Coré fossem engolidos pela terra. Jesus repreendeu Pedro, permitiu-lhe ver a Transfiguração, previu sua traição, restaurou-o, e então previu a maneira que ele iria morrer. Tudo aconteceu exatamente como Deus prometeu, mas nada funcionou como as pessoas esperavam. Ele é o Deus das grandes surpresas.


    E ele não precisa se explicar para nós. Há muitas perguntas que todos gostaríamos de fazer. Eu tenho um punhado de minhas próprias perguntas. Quase sempre as nossas perguntas giram em torno do sofrimento, tristeza, a morte de entes queridos e tempos de decepção pessoal. Descobri que quanto maior a tristeza, menos provável é que a compreendamos completamente. Coisas pequenas podemos descobrir sozinhos. Grandes perdas estão escondidas na mente e no coração de Deus. "As coisas secretas pertencem ao Senhor nosso Deus" (Deuteronômio 29:29).


    Deus é Perfeito em Suas Perfeições.


    Ele é muito maior do que imaginamos, sua presença preenche o universo, ele é mais poderoso do que sabemos, mais sábio do que toda a sabedoria dos homens e mulheres mais sábios, seu amor está além da compreensão humana, sua graça não tem limites, sua santidade é Infinito, sua Ira não tem fim... Ele criou todas as coisas e todas as coisas existem por seu poder divino. Ele não tem “colegas”. Ninguém lhe dá conselhos. Ninguém pode compreendê-lo completamente. Ele é perfeito em todas as suas perfeições.


    Não há nada que possamos fazer, nem mesmo o nosso louvor e adoração, que acrescente o mínimo a quem Deus é. Ele não nos criou por causa de qualquer falta em si mesmo, como se nós fôssemos criados porque Deus estava solitário. Parafraseando um antigo escritor, se todas as pessoas na terra se tornassem ateus, isso não afetaria Deus de qualquer forma. A crença ou a descrença da raça humana não pode mudar a realidade de quem Deus é. Acreditar nele não acrescenta nada à sua perfeição; Duvidar dele não tira nada.


    O tempo é sempre de Deus.

    Ele governa todas as coisas em todos os lugares em todos os momentos. Nada escapa ao seu conhecimento. Nada está além de seu controle. Ele está além do tempo e do espaço, mas controla ambos. Como alguém disse: "O tempo é o pincel com que Deus pinta sua história na tela da história humana. A eternidade é a perspectiva a partir da qual veremos a pintura: " Este é o nosso Deus!


    À medida que meditamos sobre Deus, somos conduzidos a uma verdade muito humilhante, que não é mencionada com freqüência e que dificilmente se acredita quando é ensinada: Deus não precisa de nós para nada. Se qualquer conceito bate na face do cristianismo contemporâneo, é isso. No fundo, a maioria de nós quer sentir que somos importantes e necessários. E nós gostamos de pensar que Deus deve ter precisado de nós, ou então por que ele teria nos criado? No sentido absoluto, Deus não "precisa" de nada nem de ninguém. Ele não nos criou porque estava solitário e não nos salvou porque o céu estava vazio. Ele não precisa da nossa adoração, da nossa obediência, do nosso serviço missionário, das nossas orações ou de qualquer outra coisa que façamos para sermos Deus. Não há nenhuma falta de qualquer coisa nele.

    Isto é muito humilhante, e para algumas pessoas, uma verdade muito frustrante. Mas pergunte a si mesmo: Você realmente acha que Deus não pode se dar bem sem você? E se todas as nossas congregações simplesmente desaparecessem, poof, exatamente assim? E se nós nunca tivéssemos existido? Você acha que o universo depende de nós para a sua sobrevivência? É claro que não. Quando os fariseus disseram a Jesus para repreender os seus discípulos quando entraram em Jerusalém perto de sua morte, ele respondeu: "Se eles calarem, as pedras clamam" (Lucas 19:40). Se ele quiser, Deus pode fazer com que as árvores batam palmas e as montanhas cantem os seus louvores. Ele pode fazer as “pedras” cantarem seus louvores se ele quiser.


    Que Deus nos criou é um ato de sua vontade soberana. Que somos salvos é um milagre de graça soberana. Que ele aceita nossa adoração e “recompense” nossa obediência é um milagre de amor soberano.


    Antes de prosseguir, devo acrescentar um ou dois pontos de esclarecimento. O ponto do ensinamento que acabamos de dar é destruir todo o orgulho humano e nos deixar deitados na poeira. Devemos chegar ao lugar onde entendemos que não há nada de bom em nós. Além da bondade de Deus, não há nenhuma razão para ele nos usar. Se Deus "precisa" de nós para fazer seu trabalho, é somente porque ele determinou trabalhar através de nós para realizar sua vontade. Porque Deus é Deus, ele poderia ter criado o universo de alguma outra forma. Somos abençoados sem medida em Deus nos conceder a honra de louvá-lo, servi-lo e proclamar sua glória às nações.


    Eu reconheço que há muito mais que precisamos saber sobre quem é Deus do que o que eu disse até aqui. A Bíblia está cheia de rica verdade sobre o nosso Pai Celestial. À medida que nos movemos através de outros artigos, vamos falar muito sobre sua misericórdia e graça soberana. No entanto, nesta momento, é crucial que nos estabeleçamos firmemente fundamentados na verdade da soberania absoluta, inquestionável e totalmente livre de Deus.

    Deus faz exatamente o que lhe agrada, o tempo todo, em toda parte, em todas as situações, em todas as partes do universo. Sempre faz, sempre fará. Em um sentido profundo, sua vontade final está sempre sendo feita. Ele é Deus. É assim que tem de que ser.


    Qual deve ser nossa resposta? Quando pensamos nesta verdade da liberdade de Deus, muitas aplicações vêm à mente. Devidamente compreendida, ela deve nos levar a uma calma confiança em Deus, mesmo no meio de uma tragédia indizível. E isso deve nos tornar ousados ​​em nosso testemunho e forte em nossas orações. E se acreditarmos nisso, encontraremos a força para perseverar no longo prazo, sabendo que até nossos erros tolos não podem cancelar os planos de Deus para nós.


    Tudo isso é verdade, mas não parece tocar a questão central. Há uma "escolha" fundamental que cada um de nós deve fazer todos os dias. É mais ou menos assim. Podemos rejeitar e decidir lutar contra essa verdade. Mas essa rebelião leva inevitavelmente à raiva, à amargura, ao desespero e finalmente a um coração endurecido, totalmente endurecido. Leva a um evangelho totalmente contraditório - portanto falso. Há muitos “cristãos” assim no meio do evangelho humanista secular de nossos dias.


    Há outra "escolha" que podemos fazer. Se somos levados pelo Espírito a abraçar esta verdade com alegria, e se nos submetermos a Deus, e se reconhecermos que ele é livre, fazendo o que ele quer fazer, essa submissão nos leva ao alegre louvor. A verdade da liberdade de Deus deve nos levar a louvar e adorar. Se não, então não entendemos completamente o ensinamento bíblico - e tudo que chamamos verdade não passa de engano. Não é que louvemos a Deus diretamente pela dor e tristeza que nos rodeiam ou pelos atos pecaminosos dos outros. Mas louvaremos a Deus por poder trabalhar, com e através de tudo o que acontece, tanto o bom como o mau, para cumprir a sua vontade, nos tornar mais semelhantes a Cristo e nos levar a glória. Dizer isto é nada mais do que o que Romanos 8:28 ensina claramente.

    Então, essas são as únicas posições possíveis:

    Rejeição e Raiva.

    Submissão e Louvor.

    Eu entendo porque algumas pessoas se rebelam contra uma visão elevada da soberania de Deus. O paradoxo é este. As pessoas que se rebelam contra Deus geralmente o fazem em nome da "liberdade". Eles querem a liberdade de seguir seu próprio caminho, seguir seus próprios desejos, fazer o que quiserem, quando quiserem, com quem quiserem fazer. Ironicamente, esse tipo de "liberdade" leva apenas à escravidão - na verdade é a descrição da escravidão do coração não regenerado ao pecado. Acabamos escravizados ao pecado, acorrentados a comportamentos viciantes, e trancados na prisão da culpa implacável e vergonha. Não há liberdade na rebelião contra Deus. Só há escravidão.

    Mas quando nos submetemos ao Pai Celestial, quando finalmente dizemos: "Senhor, tu és Deus e eu não sou", quando nos inclinamos diante dele, através das nossas lágrimas, se necessário, então (e só então) descobrimos a verdadeira liberdade . Isto é o que Jesus quis dizer quando disse: "Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará" (João 8:32). Os que o Filho liberta são livres. Somo livres para amar esse Deus soberano, o que naturalmente o coração escravizado pelo pecado odeia.

    Nosso problema básico é que “permitimos” ( que loucura usar esta palavra ) que Deus esteja em toda parte, mas não em seu trono. Não nos  maravilha então nós sermos infelizes e frustrados. Não admira que a vida não funcione direito. Quão  melhor é dizer com o salmista: "Venha, adoremos, ajoelhemos diante do Senhor nosso Criador!" (Salmo 95: 6).


    Chegará um dia em que "todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Jesus Cristo é o Senhor para a glória de Deus Pai" (Filipenses 2: 9-11). Se esse dia está chegando, então por que não começar a curvar a cabeça e dobrar o joelho e confessar que Deus é Deus e Jesus Cristo é o seu Senhor? E não colocar nenhum “mas” depois disso.