• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    De volta para o futuro. Marty McFly e Paulo.



    “Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” - Filipenses 3:13,14.


    Há uma maneira correta e uma errada de se olhar para trás.
    Uma maneira que nos edifica, fortalece...
    Uma maneira que nos destrói.


    O filme De Volta para o Futuro foi lançado em 3 de Julho de 1985. Escrito por Robert Zemeckis e Bob Gale e dirigido por Robert Zemeckis. Com: Michael J. Fox (Marty McFly), Christopher Lloyd (Dr. Emmett Brown), Lea Thompson (Lorraine Baines McFly), Crispin Glover (George McFly),
    Thomas F. Wilson (Biff Tannen)… e outros.


    Back to the Future é apenas um de uma longa série de filmes de viagens no tempo. Mas a sua habilidade de mexer com o tempo torna a história uma das mais divertidas.


    O esqueitista adolescente Marty McFly ("um slacker" ( Preguiçoso – indolente - , de acordo com o diretor do ensino médio, o Sr. Strickland), sai com o inventor excêntrico de Hill Valley, Dr. Emmett Brown. No início de uma manhã, no estacionamento do shopping local, Marty está gravando o último experimento do Doc quando o problema chega sob a forma de terroristas líbios. Parece que Brown traiu os terroristas por um recipiente cheio de plutônio para alimentar sua invenção - uma máquina do tempo incorporada em um carro esporte DeLorean. Enquanto os líbios alcançam Doc para se vingar, Marty entra no carro para escapar de sua ira - e se encontra trinta anos atrás no tempo, em 5 de novembro de 1955. Brown havia marcado essa data no teclado da máquina do tempo como o dia em que descobriu a viagem no tempo. Mais importante ainda, pouco antes de os pais de Marty, George McFly e Lorraine Baines, se apaixonarem.


    A aparição inesperada de Marty na história, é claro, causa uma série de problemas cômicos, sendo a maior delas a interrupção do namoro de George e Lorraine, que seriam seus pais no futuro. Com a ajuda de um Doc Brown de trinta anos de idade, Marty planeja reunir George e Lorraine e garantir sua própria existência futura. Para descrever o filme, um passeio de montanha-russa seria um eufemismo, mas, surpreendentemente, a história acaba bem desenvolvida e termina bem.


    Os fãs do filme sabem, como explicado pelo Doc, que o "capacitor de fluxo" - um tubo de vidro em forma de Y que pulsa com ondas de luz - é "o que torna possível a viagem no tempo". Adoramos imaginar as possibilidades de viajar no tempo - embora na realidade todos nós sejamos viajantes do tempo. Nós simplesmente nos movemos em uma única direção a uma velocidade comum e constante.


    Todo indivíduo está avançando no tempo, segundo a segundo, minuto a minuto, dia a dia. Viver no passado é ótimo para os filmes, mas não é uma opção na vida real. É por isso que o apóstolo Paulo manteve um foco nítido no fim da jornada da vida: "Uma coisa faço, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” - Filipenses 3:13,14.


    Quando olhamos para trás agora, não olhamos para nossa história, olhamos para outra coisa. Isso que possibilita esse presente descrito por Paulo. Um presente que avança para um grande fim:

    “Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.” -  Romanos 5:8 . Nós realmente não temos tempo para pensar no passado de outra forma. Nem seria sábio.


    Observe atentamente que "prova ou demonstra" está no presente e "morto" está no passado. "Deus demonstra o Seu amor para conosco, em que Cristo morreu”.


    O tempo presente implica que esta "demonstração" é um ato contínuo. Que continua acontecendo no presente, e vai continuar acontecendo, por assim dizer, no presente do nosso futuro, que chamamos de futuro.


    O passado,  “morreu” – implica que a morte de Cristo pelos eleitos aconteceu de uma vez por todas e jamais será repetida. Este é o único passado que importa... viajar no tempo para trás não poderia fazer nada melhor para nossas vidas do que o que já foi feito no passado por Deus. " N
    Pois também Cristo sofreu pelos pecados uma vez por todas, o justo pelos injustos, para conduzir-nos a Deus.” - 1 Pedro 3:18.


    Porque Paulo usou o tempo presente, "Deus demonstra ..." – Era de se esperar que ele usasse o passado. “Deus demonstrou”. Não é a morte do Seu Filho pelos eleitos a manifestação desse amor? Isso não ocorreu no passado? Por que então o apóstolo usa o presente: “Deus demonstra...” e não “demonstrou”?


    Paulo tinha acabado de dizer que “Não só isso, mas também nos gloriamos nas tribulações, porque sabemos que a tribulação produz perseverança; a perseverança, um caráter aprovado; e o caráter aprovado, esperança. E a esperança não nos decepciona, porque Deus derramou seu amor em nossos corações, por meio do Espírito Santo que ele nos concedeu.” - Romanos 5:3-5


    Ou seja, o objetivo de tudo que Deus decreta em nossas vidas é a esperança invensível. Deus tem o propósito que sintamos a inesgotável esperança em todas as tribulações.


    Mas como isso é possível? As tribulações, por definição, são anti-esperança. Se elas fossem esperançosas em si, não seriam tribulações. Qual o segredo subjacente de realmente crescer em esperança através da tribulação?



    Paulo responde na próxima linha: "Porque o amor de Deus foi derramado dentro de nossos corações através do Espírito Santo que nos foi dado" (v.5). O amor de Deus " foi derramado em nossos corações". O tempo deste verbo significa que o amor de Deus foi derramado em nossos corações no passado (em nossa regeneração, justificação...) e ainda está presente e ativo.



    Então, o argumento de Paulo é que a garantia e o gozo do amor de Deus por parte do Espírito é o segredo para crescermos em esperança através da tribulação. A tribulação trabalha nossa paciência e o caráter comprovado. E essa esperança não nos envergonha porque, em todos os pontos do caminho, o Espírito de Deus está nos assegurando o amor de Deus em todos os problemas.


    Agora, podemos ver por que Paulo usa o presente no versículo 8: "Deus demonstra seu amor para conosco." Esta é a própria obra do Espírito Santo referida no versículo 5: Deus, o Espírito Santo, está derramando e derramando no nosso coração o amor de Deus.


    Deus demonstrou seu amor por nós ao dar seu próprio Filho para morrer uma vez por todas no passado por nossos pecados (v. 8). Mas ele também sabe que o amor passado deve ser experimentado como uma realidade presente (hoje e amanhã) se quisermos ter paciência, caráter e esperança. Portanto, ele não só demonstrou no Calvário, ele continua demonstrando isso agora pelo Espírito. Ele faz isso abrindo os olhos de nossos corações para "provar e ver" a glória da cruz e a garantia de que nada pode nos separar do amor de Deus em Cristo Jesus ( Romanos 8:39 ).

    Essa viagem no tempo – para o passado – mudou todo presente de Paulo... garantindo o futuro.


    Paulo nunca olhou para trás... de uma maneira que ficasse paralisado no presente. Nós realmente não temos tempo para pensar no passado assim: Jesus disse: "Ninguém que coloca a mão no arado e olha para trás é apto para servir no reino de Deus" – Lucas 9.62.


    Porque Paulo olhou para trás da forma que vimos antes, ele quase imediatamente ao seu chamado na estrada de Damasco, pôde responder de maneira incrível no presente:


    "Senhor, o que queres que eu faça?"
    Ele logo que regenerado, estava pronto para o serviço santo e, "logo, ele pregou a Cristo" nas sinagogas de Damasco.


    Deixo as coisas que ficaram para trás...
    Prossigo para o alvo...
    De cidade em cidade me espera tribulações e sofrimento...
    Ágabo disse: “Você será preso em Jerusalém”
    Paulo respondeu: “Já estou crucificado com Cristo”
    “Quero conhecê-lo”
    “O mundo está crucificado para mim”
    “Estou determinado a pregar apenas Cristo e este crucificado”
    “Ter comunhão com seus sofrimentos”
    “Já aprendi a estar contente...”

    Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira, e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus. Atos 20:24


    "Eu estou pronto". Romanos 1:15. Presente!


    Eu acho que Paulo poderia ter usado essas palavras como lema de sua vida.
    A vida tinha apenas um valor para Paulo.
    Pense nisso e olhe para sua própria vida.
    Isso é uma coisa muito difícil de aceitar e de se dizer.
    A vida tinha um ÚNICO propósito.
    Havia apenas um valor na vida de Paulo, que era cumprir o propósito de Deus ... SER consumido por ele.


    Ele estava ansioso para pregar.
    Paulo está dizendo em Romanos 1:15,


    tudo o que estiver em meu poder e diante de mim agora...
    tudo o que estiver na minha prerrogativa, eu estou pronto.
    Eu estou pronto, eu estou, na verdade,  ansioso para ir a Roma para pregar o evangelho. Roma era o centro da perseguição ao Evangelho. Como se fosse a capital do ISIS.


    “E assim, quanto está em mim, estou pronto para também vos anunciar o evangelho, a vós que estais em Roma.” - Romanos 1:15.


    Ele é como um cavalo de corrida na porta da largada, batendo contra o aço, esperando ela se abrir abrir.  ( Um Fórmula um na largada – Um Usaim Bolt esperando o tiro de largada. ).


    Ele é como um velocista que fica naqueles blocos...
    Paulo era como um velocista e Deus teve que segurá-lo muitas vezes, pois ele estava sempre tão pronto para ir que corria o risco de “queimar” a largada.


    Você está tão ansioso assim? É assim o teu presente por causa da viagem que você pode fazer ao passado até o Calvário. Essa viagem ao passado mudou tudo e te impulsiona para o futuro?


    Ou você olha para teu passado e não para o calvário e se sente preso, pensando no que poderia ter feito? Ou, quem sabe, pensando no que fez e não devia ter feito? Isso está impedindo você de avançar? Se assim for, peça a Deus que lhe dê paz sobre ontem olhando para o ontem de Cristo e visão para hoje.


    Olhe para a frente, estabelecendo alguns objetivos para sua vida. Onde você se vê um, cinco, dez anos a partir de agora? Peça a Deus para plantar um objetivo em seu coração - então comece a viajar naquela direção! Viajar no tempo de maneira diferente muito mais eficientemente do que num corro esportivo DeLorean como o de Marty McFly.


    Ou será que alguém tem que ficar atrás de você e empurrar com toda a sua força para você avançar um pouco que seja? Tua esposa, pastor, amigos, irmãos... esse tipo de empurrão não te fará viajar par o futuro dos eleitos de Deus.


    Ou você, como Paulo, está ansioso? E, você sabe como é incrível ele esta ansioso, porque ele sabia que lugar volátil era Roma.


    Ele sabia que eles desprezam o evangelho.
    Ele sabia que eles iriam rejeitar a sua mensagem.
    Ele sabia que eles odiavam Cristo.


    E isso nos leva à última marca final de um espírito regenerado viajando para o futuro, eu chamo de um espírito arrojado ... um espírito corajoso. Versículo 16: "Pois não me envergonho do evangelho de Cristo".


    Paulo, gostaríamos de perguntar, “como você pode estar tão ansioso para ir de Roma?

    Quero dizer, você sabe que eles estão até o pescoço comprometidos com o culto ao imperador.
    Você sabe que eles estão mergulhados no paganismo, imoralidade...
    Você sabe que eles desprezam o evangelho de Jesus Cristo.
    Você sabe que o Evangelho não é relevante para esta cultura.
    Como você pode ter tanta pressa para ir para lá?
    Você não está intimidado sobre o que é passível de acontecer?”


    Paulo diz: “Não, eu não estou envergonhado.”
    Ah, isso é ... isso é uma declaração tão importante.
    Paulo diz, em qualquer lugar que tenha a oportunidade de pregar, eu realmente pregarei.  Eu estou pronto.  ESTOU PRONTO!!!!


    É incrível o que nos faz sentir vergonha hoje. Muitas pessoas ficam realmente ansiosos, mas não pelo motivo de Paulo, mas pelo oposto. Querem ser abraçados pela cultura. Podem denunciar crimes e violência, mas jamais o aborto... e assim por diante. Nunca querem estar contra a grande agenda da cultura. Podem ser apologetas nas redes sócias, mas não na universidade, trabalho...


    Paulo sabia da oposição, mas estava pronto.
    Os pagãos em Roma marcaram o cristianismo como o ateísmo.
    Eles ainda marcaram o cristianismo como canibalismo.
    Os judeus marcaram o cristianismo como heresia, blasfêmia e ilegalidade.


    O evangelho sempre foi uma pedra de escâncalo e uma pedra de tropeço.
    Mas Paulo disse: “eu não me importo, eu não tenho vergonha disso, eu não me envergonho.” – Esse era o seu presente. Esse seria o seu futuro. Essa é a viajem dos eleitos.


    Ele provou que o que ele dizia ele faria
    Ele provou isso em Jerusalém, não foi?
    Ele provou isso em Atenas.
    E ele iria provar isso em Roma.
    Ele provou isso em cada cidade que ele foi. Isso quase lhe custou a vida em cada uma delas. Mas ele nunca se desviou de um soco.
    O servo do Senhor está sempre indo para enfrentar a situação de uma forma descarada dizendo: “Eu não me envergonho”.


    Posso apenas oferecer este pensamento?

    Um Puritano escreveu:
     "A impopularidade de um Cristo crucificado levou muitos a apresentar uma mensagem que é mais palatável para o incrédulo. Mas a remoção do escândalo da cruz sempre torna a mensagem ineficaz e falsa. Uma evangelho inofensivo é um evangelho inoperante. Por isso, o Cristianismo é mais ferido na casa de seus amigos do que no mundo".


    É verdade. Temos emasculado (CASTRADO) o evangelho para que ele não ofenda ninguém.


    Durante toda a vida de Paulo, o que aconteceu com ele por causa do evangelho, encontrou ele  sempre pronto.

    Se ele tinha que falar para multidões na rua, ele teve a palavra adequada, ou se para a elite na Colina de Marte, ele estava pronto para os filósofos.
    Se ele falou com os fariseus, ele sabia como tratá-los e  quando ele foi levado perante o Sinédrio, diante dos fariseus e saduceus, aconteceu o mesmo.

    Olhe para ele diante de Felix, diante de Festo, diante de Agripa, ele está sempre pronto: “E discorrendo ele sobre a justiça, o domínio próprio e o juízo vindouro, Félix ficou atemorizado e respondeu: Por ora vai-te, e quando tiver ocasião favorável, eu te chamarei.” Atos 24:25.


    Quando chegou o fim... ele estava pronto: “Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé.” - 2 Timóteo 4:7


    Ele estava pronto para ir a qualquer lugar por Jesus, em qualquer lugar para pregar o Evangelho, em qualquer lugar para ver Deus salvando, em qualquer lugar para confortar o povo de Deus! "Eu estou pronto".
    Não houve lugar algum para o qual Paulo não estava pronto para ir.
    Se Paulo foi para Roma, ele estaria indo para a boca do leão, mas ele estava pronto para isso, pois os leões não traziam nenhum tipo de terror para ele.
    Ele havia lutado com feras em Éfeso. Havia lutado em todos os lugares.
    Em espírito que ele tinha morrido na boca do leão muitas vezes, não contando a vida com preciosa para ele. Ele disse: “Somos como ovelhas levadas para o matadouro!”


    Não estamos prontos, é óbvio, se fazemos parte dessa “Geração mimimi…” onde   palavras “ferem… o tempo todo…”
    Paulo  estava pronto para ir a qualquer lugar com o Evangelho, mas ele não estava pronto para pregar outro evangelho, ninguém poderia fazê-lo pronto para fazer isso!

    Ele não estava pronto para esconder a Evangelho;
    ele não estava pronto para falar dele num tom mais baixo;
    ele não estava pronto para abrevia-lo;
    ele não estava pronto para tirar a ofensa do Evangelho,
    não estava pronto para castrar o evangelho para torná-lo “relevante”.


    Ele disse, "Eu não me envergonho do Evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego."


    Quanto à questão de pregar o Evangelho, Paulo estava sempre pronto para isso!


    Ele não reteve qualquer uma de suas verdades,
    nem qualquer parte de seu ensino.

    Mesmo que isso fosse trazer ridículo e desprezo sobre ele,
    que ele seja para os judeus uma pedra de tropeço e loucura para os gregos,

    Paulo dizia: "Tanto quanto está em mim, estou pronto para pregar o Evangelho" para eles tudo.



    Nem sempre ele se sentir apto ou a altura para o trabalho,
    ele nem sempre encontrar as mesmas aberturas,
    ou a mesma liberdade no discurso,
    mas ele estava sempre pronto para pregar onde quer que o Senhor lhe deu a oportunidade.


    Se você olhar para Atos 21:13, você vai ler, da prontidão de Paulo a sofrer. Ele diz: "Mas Paulo respondeu: Que fazeis vós, chorando e magoando-me o coração? Porque eu estou pronto não só a ser preso, mas ainda a morrer em Jerusalém pelo nome do Senhor Jesus.” - Atos 21:13



    Isto é, certamente, uma coisa maior. Estar pronto para sofrer é mais do que estar pronto para servir.

    Para alguns de nós, tornou-se um hábito estar pronto para pregar o Evangelho, mas aqui está um homem que estava pronto a sofrer pelo nome do Senhor Jesus, tão pronto que ele não poderia ser dissuadido disso. 

    Ele pode pregar o Evangelho, mas por que ele deve ir a Jerusalém? 


    Todo mundo estava diante dele, irmãos perguntando por que ele tem de ir a essa cidade perseguidora do evangelho?

    Todo mundo disse que ele teria cadeias e prisões e, talvez, a morte, mas ele não se preocupava com tudo isso! Ele disse: "Eu estou pronto, estou pronto."


    Estamos prontos para sermos ridicularizados?
    Tem sido assim a nossa viagem no tempo?
    Prontos para sermos vistos como idiotas pela cultura,
    para sermos colocados entre os antigos fósseis?
    Prontos para  perder qualquer amigo por causa de Cristo?
    Prontos para receber um olhar frio por causa de Cristo?
    Prontos para pregar qualquer verdade como Paulo?
    prontos para servir a Deus ou prontos para sofrer?

    Ah... como está nossa viagem no tempo?

    Paulo disse: “...não penso que eu mesmo já o tenha alcançado, mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, Filipenses 3:13


    Temos que desenvolver uma insatisfação certa.


    “Não julgo que tenha alcançado!” Essa viajem de busca de em tudo exaltar a cristo e não ter a vida como preciosa parte de uma profunda insatisfação com algo que não seja “tudo por Cristo!”


    O primeiro passo na direção ao futuro firme na busca da alegria somente em Cristo, é desenvolver uma insatisfação com sua vida espiritual... se deleitar nela... mas se Paulo, que estava sempre pronto, disse que julgava que não tinha alcançado... o que eu direi? Se coloque diante do espelho da Palavra todos os dias e reconheça que ainda não chegou. Uma amável admissão de nossas imperfeições espirituais ( enquanto descansamos na perfeição de Cristo imputada a nós ) é o ponto de partida a cada manhã na busca de Deus. No próximo passo para o futuro.


    Você pode dizer – “Será que você não vê que as pessoas já sentem culpa demais? Elas não precisam de alguém dizendo que devem pensar mais sobre sua culpa... O mal estar de nossa geração – no mundo e na igreja – é uma epidemia de culpa e sentimentos ruins. Não diga que elas precisam desenvolver mais insatisfação em relação a elas mesmas.”


    Mas não – eu posso dizer que certamente a verdadeira culpa humilde é a coisa mais rara em nossos dias. Quase que o tempo todo nossos sentimentos ruins sobre nós mesmos estão enraizados no orgulho e em ter nossa vida como a coisa mais preciosa.


    De onde vem toda a baixa autoestima? Todos esses sentimentos deprimentes, imobilizantes...? Da glória de Deus que é ofendida em todo lugar neste mundo? Ou do nosso orgulho ferido? Tristeza verdadeira porque o seu comportamento impediu e prejudicou que a glória de Deus seja vista no mundo é muito raro. Mas pessoas deprimidas, imobilizadas, irritadas, amargas... porque suas vidas as impedem de ter a reputação que queriam, serem vistas com legais, competentes, relevantes... é muito, muito comum.
    Quando falamos em desenvolver insatisfação. Uma insatisfação santa, estamos falando da coisa mais rara e incomum nesta vida. Isso que Paulo sentia. Por isso ele estava sempre pronto e sempre de maneira ofegante viajando para o futuro. É sentir insatisfação por possuir tão pouco de Cristo, pregar tão pouco sabre ele, viver tão pouco só para Sua glória. Essa é uma santa insatisfação.


    Então esqueceremos o que ficou para trás... qualquer coisa que nos paralise. Tanto conquistas, quanto derrotas. A única viagem ao passado que importa é a que nos leva até ao Calvário e o que Cristo fez... não o que fizemos. Quer coisas que consideremos boas, quer nossos fracassos: “...esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante” Filipenses 3:13. A memória só tem lugar no nosso arsenal e artilharia espiritual – ao lembrarmos da vitória completa de Cristo e as misericórdias recebidas. A questão então não é: nunca olhe para trás. O ponto é: Só olhe para trás para aquilo que o impulsiona para frente, para o alvo. Não precisamos de nostalgia, mas da esperança invencível que flui do Calvário.
    Memórias de sucessos podem te tornar  presunçoso e auto-satisfeito. Memórias de fracasso podem torná-lo sem esperança e paralisado em sua busca da glória Deus no mundo. Nunca olhe para trás assim. Dê um humilde agradecimento pelos sucessos; faça confissões humildes pelos o fracasso; então vire-se para o futuro e vá firme em direção ao alvo. Assim viajamos para o futuro.


    Nosso último passo é sempre estar fitando o que está por vir: “...esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante” Filipenses 3:13.


    Paulo gosta de nos dar ilustrações vívidas disse, como em 1 Coríntios 9: 25-27: “Todos os que competem nos jogos se submetem a um treinamento rigoroso, para obter uma coroa que logo perece; mas nós o fazemos para ganhar uma coroa que dura para sempre. Sendo assim, não corro como quem corre sem alvo, e não luto como quem esmurra o ar.” É uma esperança na perfeição e completude da Obra de Outro que nos traz disciplina e a abnegação de um atleta. Eu duvido que já houve um cristão que alcançou as alturas de conhecimento, alegria, disciplina, abnegação e obediência como Paulo. Todos que Deus chamou soberanamente têm um objetivo comum. Paulo não correu sem rumo, nem deu socos no ar. Ele viveu com objetivos espirituais em vista e controlou suas paixões por causa desses objetivos.


    Essa é a nossa viagem para o futuro. E só se pode viajar para este futuro dessa forma: “Todavia, não me importo, nem considero a minha vida de valor algum para mim mesmo, se tão-somente puder terminar a corrida e completar o ministério que o Senhor Jesus me confiou, de testemunhar do evangelho da graça de Deus.” Atos 20:24.


    Nós realmente não temos tempo para pensar no passado ou olhar para o futuro de uma maneira diferente. Não há atalhos ou máquinas do tempo aqui. Mas estamos viajando para o futuro.

    Você olha para trás e vê coisas que poderia ter feito? Isso está impedindo você de avançar? Se assim for, peça a Deus que lhe dê paz sobre o ontem ( te levando para o ontem de Cristo ) e visão para hoje.



    Olhe para a frente, estabelecendo alguns objetivos para sua vida. Onde você se vê em um, cinco, dez anos a partir de agora? Peça a Deus para plantar um objetivo em seu coração - então comece a viajar naquela direção! Você está viajando no tempo de qualquer maneira. Não em um DeLorean como Marty McFly, mas espero que esteja viajando como Paulo. E que viajem Paulo fez para o futuro!!