• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Nietzsche e os horríveis pensamentos secretos por trás do simbolismo de Deus na cruz.




    Não esconda a ofensa da cruz, para que não a faça de nenhum efeito. Os ângulos e os cantos pontudos do evangelho são sua força: afastá-los é privá-lo de todo poder. Conformar a Cruz ao mundo não é aumento de força, mas a morte dela." - Charles  Spurgeon


    Escrevendo a um grupo de cristãos primitivos em Corinto, o Apóstolo Paulo disse, palavras que agora são célebres, que "a palavra da cruz é loucura para os que estão perecendo, mas para nós que estamos sendo salvos é o poder de Deus" (1 Coríntios 1: 18). Cristo crucificado era "uma pedra de tropeço para os judeus e insensatez e loucura para os gentios" (v. 23), uma coisa tola e um sinal de fraqueza.


    No mundo antigo uma cruz não era algo decorativo para se colocar em cima de edifícios, cravejar de diamantes e colocar ao redor do pescoço. Era um método bárbaro de morte lenta. Tipicamente reservado para o pior dos criminosos entre os grupos de pessoas mais desprezadas. A crucificação foi usada por gregos e romanos para infligir o máximo de dor e humilhação a criminosos merecedores da maior repulsa da sociedade da época. Que o suposto "Rei dos Judeus" estaria sujeito a tal morte estava além de escandaloso. Quem acreditaria em um "Messias" que não ultrapassasse e vencesse os opressores romanos, mas antes os deixasse dominar, ridicularizar e executá-lo de uma maneira tão embaraçosa e vergonhosa? Era tolice. Era burrice. Era loucura.



    A cruz de Cristo era loucura mesmo para aqueles que estavam no círculo íntimo de Jesus. Imediatamente depois que Jesus confirmou as suspeitas / esperanças de seus discípulos de que ele era o messias há muito aguardado (Mc 8: 27-30), Jesus puxou o tapete debaixo de seus pés. "O Filho do Homem deve sofrer muitas coisas e ser rejeitado pelos anciãos, pelos principais sacerdotes e pelos escribas, e ser morto, e depois de três dias ressuscitar" (verso 31), disse aos discípulos. Sofrimento? Rejeição? Morte? Era tão absurdo que Pedro começou a "repreender" Jesus (v. 32) por mesmo sugerir tal coisa. Jesus teve que ser dura ali: “Para trás de mim satanás...” – Você não pode se envergonhar da cruz diante da cultura, esvaziá-la para torná-la “relevante” para a cultura sem expressar a própria mente de Satanás.



    Mas Jesus não estava delirante. Como se seu próprio sofrimento iminente e morte não fosse chocante o suficiente, Jesus então joga para baixo a compreensão de discipulado: "Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a sua vida por amor de mim e do evangelho a salvará " (vs. 34-35). Se torne tão desprezível aos olhos do mundo e sua cultura como um homem pendurado numa cruz é.



    Quer seguir Jesus? Junte-se a ele na cruz. Assim como Jesus "sofreu fora do portão" no seu caminho para o Calvário, assim também "devemos ir a ele fora do acampamento e suportar a vergonha e desprezo que ele suportou" (Hb 13:13). Ser seguidor de Cristo é juntar-se à sua jornada de abandono do conforto e sofrimento duradouro, uma jornada que é loucura aos olhos do mundo.



    O evangelho de Cristo crucificado foi, e permanece, "insensato" “burro”, “irrelevante”... porque mina a lógica e a sabedoria humana. Nós temos ideias sobre o que a redenção e revolução do mundo, cultura e do homem deve ser semelhante. Nós temos noções de que a força é. No entanto, a sabedoria e o poder de Deus frequentemente nos confundem. O evangelho da cruz nunca será uma mensagem popular porque humilha o orgulho de nosso intelecto e caráter.



    Assim como isso escandaliza nossa cultura ao abraçar a humildade num mundo onde o orgulho reina, a cruz também é impopular porque simboliza a fraqueza num mundo obcecado pelo poder. Em um ambiente darwiniano de sobrevivência do mais apto, a fraqueza não é um ativo. É por isso que Friedrich Nietzsche rejeitou o cristianismo, "a religião da piedade", que "torna o sofrimento contagioso". As palavras de Paulo em 1 Cor. 1.27 são a própria essência da estupidez do cristianismo: "Mas Deus escolheu o que é tolo no mundo para envergonhar os sábios; Deus escolheu o que é fraco no mundo para envergonhar os fortes". Estes representam, para Nietzsche, os "horríveis pensamentos secretos" por trás do simbolismo de "Deus na cruz".



    A aparente fraqueza de Deus em uma cruz também é ofensiva ao Islã, uma religião que tanto nega a necessidade e o fato histórico da crucificação de Cristo, achando inapropriado que um grande Profeta de Deus chegue a um fim tão ignominioso. A cruz de Cristo é um importante ponto de divisão entre o Islã e o cristianismo, e os muçulmanos que se convertem ao cristianismo muitas vezes enfrentam o ridículo, a alienação da família e outras perseguições e a morte. As imagens indeléveis e horríveis de 21 cristãos egípcios sendo decapitados por membros do Estado Islâmico em um vídeo de 2015 capturam isso bem. Descrito em uma legenda como "o povo da cruz", esses mártires vestidos de macacão laranja estão em posições de fraqueza: vulneráveis ​​de joelhos com as facas de seus captores no pescoço. E, no entanto, quando sucumbem à morte, o fazem na fé.




    Refletindo o truísmo de Paulo de que "viver é Cristo, e morrer é lucro" (Filipenses 1:21), esses mártires perderam suas vidas, mas também ganharam. E assim é para o povo da cruz: perda visível para ganho invisível, sofrimento presente e glória futura. Esta é a ofensa da cruz. Não só que um Deus se sujeitaria a tal fraqueza e morte, mas que tal loucura percebida se tornaria o orgulho e glória de Seus seguidores.