• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Dez advertências de Grandes pregadores para os pregadores.




    Aqui estão dez advertências para aqueles que pregam e ensinam a Palavra de Deus, articuladas por alguns dos maiores pregadores da história.


    1. O ministério eficaz não consiste de modismos, mas de pregar fielmente a verdade.


    Charles Spurgeon: Ah, meus queridos amigos, não queremos nada desta era para o avivamento no mundo, mas a simples pregação do evangelho. Este é o grande atirador que derrubará os baluartes da iniquidade. Esta é a grande luz que espalhará a escuridão. Não é necessário que os homens estejam adotando novos esquemas e novos planos. Congratulamo-nos com as agências e assistências que continuamente surgem; Mas, afinal de contas, a verdadeira lâmina de Jerusalém, a espada que pode cortar até a separação das articulações e da medula, está em pregar a Palavra de Deus. Nunca devemos negligenciá-la, jamais desprezá-la. A era em que o púlpito desprezou a verdade, será a época em que a verdade do evangelho deixará de ser honrada. . . . Deus nos livre de que devemos começar a depreciar a pregação. Vamos honrá-la ainda mais.


    Fonte: Charles Spurgeon, “Preaching! Man’s Privilege and God’s Power,” Sermon (Nov. 25, 1860).



    2. A pregação é uma tarefa muito mais séria do que a maioria dos pregadores percebe.


    Richard Baxter: E por mim mesmo, estou envergonhado do meu coração monótono e descuidado, e do meu lento e inútil curso de vida, assim, o Senhor sabe, tenho vergonha de cada sermão que prego; Quando penso no que tenho falado, Naquele que me enviou, e que a salvação ou a condenação dos homens está totalmente dependente disso, estou pronto a tremer para que Deus não me julgue com quem diminui Suas verdades e as almas dos homens, e para que no melhor sermão eu ainda fosse culpado do seu sangue. Eu penso que não devemos falar uma palavra aos homens em questões de tal consequência sem lágrimas, ou a maior seriedade que possivelmente possamos ter; Nós seríamos mais culpados  do que os pecados que reprovamos.


    Fonte: Richard Baxter, “The Need for Personal Revival.” Cited from Historical Collections Relating to Remarkable Periods of the Success of the Gospel, ed. John Gillies (Kelso: John Rutherfurd, 1845), 147.



    3. A fidelidade no púlpito começa com a busca da santidade pessoal.


    Robert Murray M'Cheyne: Tenha cuidado com você mesmo. Sua própria alma é seu primeiro e maior cuidado. Você sabe que um corpo sadio sozinho pode trabalhar com poder; Muito mais uma alma saudável. Mantenha uma consciência limpa através do sangue do Cordeiro. Mantenha uma íntima comunhão com Deus. Estude a semelhança a Ele em todas as coisas. Leia primeiro a Bíblia para o seu próprio crescimento, depois para o seu povo. Pregue muito; É através da verdade que as almas devem ser santificadas, não através de ensaios sobre a verdade.


    Fonte: Robert Murray M’Cheyne, letter dated March 22, 1839, to Rev W.C. Burns, who had been named to take M’Cheyne’s pulpit during the latter’s trip to Palestine. Andrew Bonar, ed, Memoir and Remains of Robert Murray M’Cheyne (Banner of Truth, 1966), 273-74.



    4. Poderosas pregações fluem de oração poderosa.


    E. M. Bounds: O sermão real é feito no quarto da oração. O homem - o homem de Deus - é feito no na oração secreta. Sua vida e suas convicções mais profundas nasceram em sua comunhão secreta com Deus. A agonia carregada e chorosa de seu espírito, suas mensagens mais pesadas e mais doces foram obtidas quando estavas sozinho com Deus. A oração faz o homem; A oração faz o pregador; A oração faz o pastor. . . . Todo pregador que não faz da oração um fator poderoso em sua própria vida e ministério é fraco como fator na obra de Deus e é impotente para projetar a causa de Deus neste mundo.


    Fonte: E.M. Bounds, Power Through Prayer. From chapter 1, “Men of Prayer Needed.”



    5. A pregação apaixonada começa com a paixão por Cristo.


    Phillip Brooks: Nada exceto fogo acende fogo. Conheça em toda a sua natureza o que é viver por e para Cristo; Ser Seu, não o nosso; Estar tão ocupados com a gratidão pelo que Ele fez por nós e pelo que Ele é continuamente por nós, para que Sua vontade e Sua glória sejam os únicos desejos de nossa vida. . . Essa é a primeira necessidade do pregador.


    Fonte: Phillips Brooks, Lectures on Preaching, originally published in 1877. Republished in 1989 by Kregel under the title The Joy of Preaching. As cited in “The Priority of Prayer in Preaching” by James Rosscup, The Masters Seminary Journal, Spring 1991.



    6. O pregador é um arauto, não um inovador.


    R. L. Dabney: O pregador é um arauto; Seu trabalho está em anunciar a mensagem do Rei. . . . Agora o arauto não inventa sua mensagem; Ele simplesmente a transmite e explica. Não é uma mensagem dele para ele criticar sua sabedoria ou aptidão; Isso pertence somente a seu soberano. Por um lado, . . . Ele é um meio inteligente de comunicação com os inimigos do rei; Ele tem cérebro, bem como uma língua; E é esperado assim entregar e explicar a mente de seu mestre, que a outra parte receberá não somente os sons mecânicos, mas o significado verdadeiro da mensagem. Por outro lado, transcende inteiramente seu ofício presumir corrigir o teor das proposições que ele transmite, quer por adições, quer por mudança. . . . O negócio do pregador é tomar o que lhe é dado nas Escrituras, como é dado a ele, E esforçar-se por imprimi-lo nas almas dos homens. Tudo o mais é obra de Deus.


    Fonte: R.L. Dabney, Evangelical Eloquence: A Course of Lectures on Preaching (Banner of Truth, 1999; originally published as Sacred Rhetoric, 1870), 36-37.



    7. O pregador fiel permanece focado no que importa.


    G. Campbell Morgan: Nada é mais necessário hoje entre os pregadores do que ter a coragem de nos livrar das mil e uma trivialidades nas quais somos solicitados a desperdiçar nosso tempo e força e voltar resolutamente ao ideal apostólico que era tão focado na Palavra e Oração, que  fez necessário ser criado o ofício do diaconato para que eles mais nada fizessem. [Devemos resolver como eles] "continuaremos firmemente na oração e no ministério da Palavra".


    Fonte: G. Campbell Morgan, This Was His Faith: The Expository Letters of G. Campbell Morgan, edited by Jill Morgan (Fleming Revell, Westwood, NJ), 1952.



    8. A tarefa do pregador é fazer com que o texto ganhe vida para seus ouvintes.


    Martyn Lloyd-Jones: Como pregadores não devemos esquecer isso. Não somos meros comunicadores de informação – repetidores monótonos da Verdade. Devemos dizer ao nosso pessoal para ler certos livros e obter as informações lá. O negócio da pregação é fazer viver esse conhecimento. É conhecimento vivo, com emoção, sentimento... O mesmo se aplica aos professores das faculdades. A tragédia é que muitos professores simplesmente ditam notas e os alunos miseráveis por ter que ouvi-los, levando-os para baixo. Esse não é o negócio de um professor ou conferencista. Os alunos podem ler os livros por si mesmos; O negócio do professor é colocar isso em fogo, entusiasmar, estimular, animar. E esse é o principal negócio da pregação. Vamos levar isso a sério. ... O que precisamos acima de tudo hoje é uma pregação movimentada, apaixonada e poderosa. Deve ser "quente" – cheia de paixão por Deus e pela Verdade, e deve ser "séria".


    Fonte: D. Martyn Lloyd-Jones, “Jonathan Edwards and the Crucial Importance of Revival.” Lecture delivered at the Puritan and Westminster Conference (1976).



    9. O pregador deve ser alguém que exalta Cristo, não que se auto-promove.


    R. B. Kuiper: O ministro deve sempre lembrar que a dignidade de seu ofício não se fixa à sua pessoa, mas ao seu ofício. Ele não é de todo importante, mas seu ofício é extremamente importante. Portanto, ele deve levar seu trabalho mais a sério, sem se levar a sério demais. Ele deve pregar a Palavra a tempo e fora de tempo no esquecimento de si mesmo. Ele deve ter os olhos só para a glória de Cristo, a quem ele prega, e esquecer de si mesmo. Deve ser seu objetivo constante que Cristo, a quem representa, possa aumentar enquanto ele mesmo diminui. Lembrando-se de que o ministro não é senão servo, deve humildemente, mas apaixonadamente, servir ao Senhor Cristo e à Sua igreja.


    Fonte: R.B. Kuiper, The Glorious Body of Christ (Banner of Truth, 1966), 140-42.



    10. A pregação fiel requer grande disciplina pessoal e sacrifício.


    Arthur W. Pink: A grande obra do púlpito é pressionar as reivindicações autoritárias do Criador e Juiz de toda a terra - para mostrar o quão pouco temos satisfeito às justas exigências de Deus, para anunciar Sua exigência imperativa de arrependimento. . . . Ele requer um "obreiro" e não um homem preguiçoso - um estudante e não um preguiçoso - que estuda para "mostrar-se aprovado a Deus" ( 2 Timóteo 9:15 ) e não aquele que busca os aplausos e os sorrisos dos homens.



    Fonte: A. W. Pink, “Preaching False and True,”