• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Passando com Paulo pelo Beco Diagonal da Magia e encontrando a Doutrina da Eleição divina.



    O Beco Diagonal é a porta de entrada para o mundo bruxo e da magia nas aventuras de Harry Potter. O Beco Diagonal é um lugar secreto atrás de um simples restaurante cheio de bruxos e bruxas adultos que vão para tomar uma cerveja amanteigada ou até mesmo um suco de abóbora. É atrás do Caldeirão Furado, em um pequeno e murado pátio com uma lata de lixo. O Beco Diagonal pode ser acessado batendo no tijolo correto na parede atrás do Caldeirão Furado (da lata de lixo, três para cima e dois para o lado). A parede abre um pequeno buraco primeiramente, que se expande e forma um grande arco.


    Em 1991, pela primeira vez Harry Potter foi ao Beco Diagonal com Rúbeo Hagrid, o que marcou sua entrada ( ou re-introdução ) no mundo da magia.


    Agora, imagine Paulo passando por ali. Entrando nesse mundo de magia. Não da magia infantil e lúdica do mundo criado por J. K Rowling no qual nos divertimos – mas um mundo real... tenebroso e destruidor em seus feitiços e magias da escuridão. Paulo passou pelo Beco Diagonal. O que aconteceu?


    Imagine morar numa das sete maravilhas do mundo? Grandes atrações, grandes monumentos, grandes shows, grande entretenimento... tudo que a alma errante do homem pode desejar para satisfazer suas concupiscências particulares... liberalidade sexual iminitada, grande magia... Que atmosfera!


    O templo de Diana ( ou Artemis, como os gregos chamavam ) tinha 130 metros de comprimento e 70 de largura. Seu telhado era de mármore branco brilhante que refletia o sol – um verdadeiro Taj Mahal daqueles dias. Tinha 127 incríveis colunas de mármore branco artisticamente trabalhadas e com pedras preciosas. Cada coluna foi responsabilidade de um rei vassalo do Império. Cada coluna tinha 20 metros de altura.


    Esse templo era central na vida de Éfeso. Era o centro religioso... com milhares de sacrifícios de animais, mas também era o centro político e financeiro, já que tinham ali o “banco central” da Ásia. Com todo esse poder junto, religioso, financeiro, artístico, de entretenimento... inevitavelmente se tornou o centro gravitacional que atraía para lá grande massas... se tornando “a metrópole da Ásia”.


    Você pode perceber o magnetismo que a cidade exercia? Ela era simplesmente um grande imã. Sua deusa, a grande Diana dos efésios, era a deusa da fertilidade, era a deusa da magia, era a deusa da astrologia... toda a forma de superstição que o homem caído ama estava lá. Éfeso atraía então os magos, as bruxas, necromantes, adivinhadores... de todo o mundo conhecido naqueles dias.


    Junto com tudo isso, havia um estranho costume, todas as terras do templo eram um local de anistia... uma espécie de cidade refúgio... e asilo para quem tinha cometido crimes. Dentro de 200 metros em torno do templo, ninguém podia ser preso.


    Some isso as prostituas do Templo, já que Diana é deusa da fertilidade... toda a promiscuidade sexual não só era abundante, mas vista como parte do sagrado. O que falta a esta cidade para expressar toda a decadência do coração humano caído e escravizado pelo pecado?


    Por isso pense em Éfeso como o epicentro da magia, bruxaria... mas também um lugar onde criminosos gostavam de estar, e políticos, já que era ali, junto ao templo,  que a política era exercida, financistas,  pois ali estava o centro financeiro da Ásia, e artistas... Éfeso se tornou o grande centro cultural da Ásia... um Louvre da arte que todos queriam visitar, um lugar para se morar realmente, onde as pessoas gostariam de passar sua “aposentadoria”, a Meca da peregrinação religiosa daqueles dias... magia? Ali era o Beco Diagonal da magia, a porta de entrada para o mundo da magia... e que mais poderia ser dito de tão grande metrópole?


    Sua população estava preocupada constantemente, por tudo que o templo de Diana era,  com a tentativa de manipular o mundo espiritual ( quantos que se dizem “cristãos” desejam o mesmo também em nosso dias...) com seus rituais, encantamentos, invocações... o incansável apetite humano pela superstição e manipulação mágica para sua vida, alimentou ali uma grande indústria de artefatos mágicos e imagens... mantendo ourives prósperos e sempre se enriquecendo.


    Certamente a magia era uma das mercadorias principais no formigueiro cultural que Éfeso era. Toda essa magia enriquecia os que com ela manipulavam a grande massa. A lista de compras e gastos não é pequena quando a vida está cheia de amuletos, poções, palavras de encantamento cobradas, feitiços pagos...


    Todo esse grande negócio se verá em breve ameaçado pelo evangelho com a chegado de um homem chamado Paulo lá. Nada nesta grande metrópole rica, cultural, fervilhante... o impressionava.


    Tudo que Paulo via era um multidão de pecadores perdidos presos dentro desse vórtice mortal e destrutivo que aquele grande templo alimentava. Isso o atraiu para aquele lugar... não tudo o que culturalmente atraía as outras pessoas... e atrai tantos hoje, homens não regenerados e até mesmo cristãos.

    Paulo ficou ali por 3 anos ( At. 18.23 - 21.17)
    Ele tinha um profundo conhecimento de Éfeso.
    Ele tinha um profundo conhecimento das pessoas que moravam lá. O que elas amavam... ele sabia que o evangelho cousaria um grande e perigoso choque. Mas não seria maravilhoso também?

    Foram três anos cheios de grande e impressionantes histórias que ao lermos suas descrições sem todos os detalhes, podemos preencher com nossa imaginação a atmosfera de tudo ali. 


    Lembra dos 7 filhos de Ceva, exorcistas que tentaram aumentar seus podres mágicos evocando o nome de Jesus – como viram Paulo fazer, e que  terminou de forma terrível para eles? “Um dia, o espírito maligno lhes respondeu: "Jesus, eu conheço, Paulo, eu sei quem é; mas vocês, quem são? " Então o endemoninhado saltou sobre eles e os dominou, espancando-os com tamanha violência que eles fugiram da casa nus e feridos.” - Atos 19:15,16


    Lembra da grande quantidade de convertidos que se arrependeram, abandonaram as artes mágicas e fizeram uma grande fogueira queimando todo a espécie de livros mágicos e magias? Eles queimaram uma fortuna em dinheiro: “Grande número dos que tinham praticado ocultismo reuniram seus livros e os queimaram publicamente. Calculado o valor total, este chegou a cinqüenta mil dracmas. Dessa maneira a palavra do Senhor muito se difundia e se fortalecia.” -  Atos 19: 17-20.


    Isso era demais, toda a cidade estava em polvorosa. Houve então uma união de todos a indústria... os ourives, por exemplo,  que ganhavam tanto dinheiro se revoltaram porque o evangelho pregado por Paulo estava destruindo completamente tudo que eles achavam grande naquele lugar... e o mercado de bugigangas mágicas estava entrando em colapso ( At 19. 23-40)


    Esse paradoxo sempre existirá. O Evangelho que dava liberdade, segurança e paz a todos aqueles homens escravizados a vida inteira com seus brinquedos mágicos e feitiços... conhecendo a verdade que os libertou de tudo isso... este mesmo evangelho era uma ameaça a toda vida cultural daquele cidade: “Não somente há o perigo de nossa profissão perder sua reputação, mas também de o templo da grande deusa Ártemis cair em descrédito e de a própria deusa, adorada em toda a província da Ásia e em todo o mundo, ser destituída de sua majestade divina". - Atos 19:27

    Imaginem uma multidão gritando sem parar por duas horas uma mesma frase! "...todos unanimemente levantaram a voz, clamando por espaço de quase duas horas: Grande é a Diana dos efésios." Atos 19:34


    Anos depois, preso numa cela romana da qual não podia escapar, Paulo pensa sobre tudo o que aconteceu em Éfeso... cheio de lembranças de lutas terríveis, oposição demoníaca e grande vitórias.


    Ele pega a sua pena para escrever aos amados irmãos em Éfeso, uma igreja ainda jovem naquela cidade assustadora para cristãos comprometidos com a Verdade.


    Sua carta é cheia de ensinamento sobre o poder espiritual disponível a eles naquela grande guerra espiritual... ela foi escrita por um homem que conhecia bem os que a leriam, e sobre a bagagem cultural na qual eles foram criados, e que agora eram obrigados a viver como cristãos. Verdadeiros peregrinos ali. Crentes vivendo em meio a superstições pagãs, a imoralidade pagã... e que deviam estar lá, e não fora de lá, mas lá como sal e luz.


    Que primeiro assunto você acha que seria fundamental Paulo enfatizar para eles. Que primeira verdade gloriosa? Ele começa com a Eleição Soberana!
    “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo. Porque Deus nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis em sua presença. Em amor nos predestinou para sermos adotados como filhos por meio de Jesus Cristo, conforme o bom propósito da sua vontade, para o louvor da sua gloriosa graça, a qual nos deu gratuitamente no Amado.” - Efésios 1:3-6


    A linguagem não pode ser mais FORTE e mais CLARA do que a que ele imprimiu. Ele queria que estes pontos estivessem firmados no coração de cada cristão em Éfeso:


    Em Cristo eles foram Eleitos  filhos de Deus antes da fundação do mundo..
    Em Cristo eles tinham livre acesso a todas as bênçãos espirituais.

    Em Cristo o destino eterno deles estava garantido para sempre, eles não eram vulneráveis a ninguém e a nenhum poder...


    Para o Apóstolo e os crentes em Éfeso – como para nós agora – a Doutrina da Eleição é fundamental e deve ter nossa prioridade e toda a seriedade, porque é essencial para nossa segurança eterna nessa grande Feira da Vaidade – como era Éfeso – que se empenha de todas as formas a gerar incertezas e insegurança em nossas vidas se quisermos viver para a glória de Deus nela.


    Olhe para os efésios... eles continuaram a viver suas vidas á sombra do grande templo de Diana (no mundo da magia )... eles precisavam de um lembrete constante do amor eletivo e imutável de Deus em Cristo por eles.


    Pense em como todos eles, os membros da igreja dos efésios,  viviam antes. Estavam acostumados a pagar muito dinheiro e gastar grande parte dos seus ganhos com mágicos locais para usar um feitiço para quebrar um presságio ruim, um horóscopo assustador, ameaças tenebrosas... gastavam dinheiro para frustrar o impacto que espíritos podiam causar em suas vidas de todas as formas... precisavam da deusa da fertilidade e de tudo a sua volta.


    Imagine como o grande ensino de Paulo foi para eles notável, comovente e confortador. O destino deles, eterno e terreno, não estavam nas mãos de poderes espirituais caprichosos e tantas vezes hostis que povoavam aquele reino de magias.


    O destino deles descansava para sempre seguro nas mãos de um único Deus que os amou na eternidade em Seu Filho, e que em amor os predestinou para Ele. Que os escolheu na eternidade - para estar num relacionamento com eles muito antes de qualquer poder espiritual do mal ( demônios ) existirem. Seu futuro é seguro não por causa de nada que há neles, seu futuro é abençoado e garantido por causa da sua eleição em Cristo e sua relação de união com Ele que jamais pode ser quebrada.


    “Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito:Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia;Somos reputados como ovelhas para o matadouro... Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor.” - Romanos 8:35-39


    O que Paulo está dizendo é que nenhum poder espiritual, nenhuma pressão cultural, nem mesmo nós mesmos, podemos anular este amor eletivo de Deus que sempre é soberanamente vencedor: “E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou. Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?” - Romanos 8:30,31


    Essas pressões culturais dão à eleição divina um significado diário inestimável para o povo de Deus.


    Cada cristão em Éfeso vivia no constante murmúrio de promessas culturais, de promessas vazias e dos brinquedos intoxicantes que enchiam a cidade. Dos feitiços e magias que pregavam um anti-evangelho da insegurança constante ao te aprisionar no medo e necessidade de controlar seu próprio mundo magicamente para que ele repentinamente não desabe.

    Então como eles ( e nós ) podemos quebrar o poder daqueles que têm em suas mãos os “livros de feitiços culturais” inebriantes? Como derrubar todas as fortalezas culturalmente enraizadas no mundo que nos cerca oprimindo os homens de todas as classes e origens sociais? Dizendo para todos: "Sem essa magia sua vida será insignificante, não prazerosa... você será um perdedor, não estará gozando a vida..."


    Como eles ficariam imunes ao “feitiço encantador” da cultura da grande Éfeso, de tal maneira que fiquem livres de tentar manipular o mundo, a espiritualidade, seu casamento, família e todas as coisas para o ganho pessoal e material  centrado em si mesmo, como é comum em todo homem nascido em Adão?


    Como estar completamente livre e com certeza absoluta de que nunca, nada desse “feitiço” cultural possa nos tirar da nossa bem-aventurança eterna já desfrutada em parte ao contemplarmos a beleza de Deus na face de Cristo?


    A única resposta possível. A resposta que Paulo dá a eles, e sermos encontrados em Cristo, em quem fomos Eleitos antes da fundação do mundo, para um dia, glorificados, sermos sua perfeita imagem: “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo. Porque Deus nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis em sua presença. Em amor nos predestinou para sermos adotados como filhos por meio de Jesus Cristo, conforme o bom propósito da sua vontade, para o louvor da sua gloriosa graça, a qual nos deu gratuitamente no Amado.” - Efésios 1:3-6


    A Doutrina da Eleição não é tão destacada nas cartas de Paulo por ser sua doutrina favorita ou de estimação. Também não é um tema para debates desconectados com a realidade em debates teológicos sem fim.


    Cada cultura, e a nossa não é diferente da de Éfeso, tem uma segurança baseada em seus ídolos, seus bilhetes da sorte, suas magias, seu Karma... que todos são obrigados a valorizar, e que a todos escravizam na verdade numa insegurança constante contrariamente ao que prometem.

    E a eleição em Cristo é a esperança vivificante que nos liberta de nossa cultura de inseguranças governada por ídolos. E nos faz ousados, num mundo tenebroso. “...pois a nossa luta... é contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais.” - Efésios 6:12


    Por que estamos seguros numa cultura dominada por esses poderes, ídolos e encantamentos que enebriam os desejos humanos?

    "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo; Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade,” - Efésios 1:3-5