• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    O Netflix e a revelação mais importante sobre tua alma.




    Ansiedade e compromisso andam juntos para quase todos os homens. Mas enquanto a maioria das pessoas pensa sobre ansiedade em compromisso em termos de relacionamentos, talvez pudéssemos pensar melhor, se pensássemos nisso em termos de Netflix.


    Imagine você entrando no Netflix e percorrendo milhares e milhares de opções de acordo com centenas de gêneros... Você finalmente escolhe ver “Jane, a Virgem.”


    Depois de cinco minutos você começa descobrir rapidamente a razão pela qual a grande maioria das pessoas amam o Netflix. É que, por exemplo do nosso caso da escolha de “Jane, a Virgem”, se eles percebem que não querem saber o que acontece com uma jovem que fica artificialmente inseminada acidentalmente, eles podem dar Stop, e voltar para Lost, Supernatural, The Walking Dead... como eles estavam fazendo nos últimos 6 meses.


    Ou seja, assim, se tem a "sensação" que começar algo novo, mergulhar no desconhecido, nunca tem que ser assustador.


    Compromisso é uma palavra assustadora para a maioria das pessoas da nossa geração e desperta nelas rapidamente ansiedade.

    O que é compromisso, de qualquer maneira?


    Em seu livro de 2014, Commit to Win, a psicóloga social Dr. Heidi Reeder diz que o compromisso é o fenômeno de estar psicologicamente ligado a algo que você decidiu continuar persistentemente. Ela vai mais longe para dizer que o compromisso é assustador porque "... todos os tipos de compromissos moldam nossas vidas - os construtivos e os destrutivos. Aqueles em que pensamos, e os que não pensamos ".

    O que Reeder está dizendo é que, seja conscientemente ou subconscientemente, todo mundo está comprometido com alguma coisa. Como seres humanos nos comprometemos com as coisas o tempo todo. Que alguém possa atravessar a vida sem estar comprometido é altamente improvável, para não dizer totalmente impossível. O que é assustador é a questão do que – ou com que será esse compromisso? Com que será que eu estou finalmente comprometido? Não está comprometido não é opção. Apenas o com o que está em jogo.

    E se você se comprometer com algo que afetará sua vida de forma negativa? E se você escolher essa opção desconstrutiva que o Dr. Reeder está falando? E se Jane, a Virgem, é um desperdício de quarenta e cinco minutos que você não tinha em primeiro lugar? E se forem os últimos? Como você pode se comprometer com algo que tem um final incerto?



    Será que você tem percorrido opções como os gêneros do Netflix. Decidindo uma coisa agora, pensando poder se for conveniente dar um Stop cinco minutos depois?  Que teu sonho e comprometimento era uma coisa ano passado e é outra coisa esse ano? No Domingo a noite uma coisa... que não resiste nem até chegar na Terça-Feira?


    Em um artigo no Scientific American, Elizabeth Landau descreve isso como o fenômeno de "sobrecarga de escolha" que torna o compromisso tão difícil.  Você escapou disso, e pode dizer AGORA com o que você realmente está comprometido?


    O fenômeno da "sobrecarga de escolha" foi imortalizado na literatura por um artigo de 2000 da professora da Columbia Business School, Sheena Evengar, e do psicólogo de Stanford, Mark Lepper.


    Eles mostraram que quando aos compradores de uma mercearia de luxo era dado 6 opções de geleia, eles eram muito mais propensos a realmente comprar o produto,  do que quando davam a eles 24 opções. 


    Esse tem sido o grande segredo da nossa cultura para te paralisar e talvez você não possa, infelizmente, dizer com certeza e honestidade com que a tua vida está comprometida. Ou se você vive no fenômeno da “sobrecarga de escolha”.


    Continuando, estudos de acompanhamento confirmaram esta paralisia de decisão: mais opções levam a menos seleções - e, afinal, menos satisfação com as escolhas feitas." É a cara de nossa cultura, e infelizmente, eu diria, da maioria dos que se dizem cristãos.


    Se vinte e quatro opções deixavam os compradores paralisados ​​quando o pior cenário era escolher um pedaço de torrada que não fosse bom,  ou um tipo de geleia, imagine diante daquilo que tem que dominar toda a sua vida?


    Meg Selig, em um artigo na Psychology Today que fala sobre o livro do Dr. Reeder, também argumentou mais ou menos da seguinte forma:


    Ter escolhas diminui o compromisso. Se você acredita que existe muitas possibilidades potenciais em sua vida, seu compromisso com qualquer uma delas fica enfraquecido ou desvalorizado.  Mesmo apenas a percepção de escolha diminui o comprometimento.


    Você não acha que... por se achar assim, com muitas opções, que a vida da maioria dos cristãos é totalmente insignificante do ponto de vista de Deus?


    A cruz nos deu a liberdade de não ter que planejar o futuro e fugir de qualquer escolha que possa produzir dor ou nos fazer parecer um fracasso para o resto do mundo. Não ficamos paralisados, pois só vemos uma opção para nós.



    Olhe, Paulo certamente não sofria com o fenômeno da "sobrecarga de escolha"   Paulo diz: “Mas de nada faço questão, nem tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira, e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus.” -  Atos 20:24 – Ele diz mais: “E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como esterco, para que possa ganhar a Cristo” -  Filipenses 3:8


    Toda vida cristã depende essencialmente de um coração que se alegre totalmente em Cristo. Mas muitas vezes eu ouvi alguém perguntando – “E se eu nunca tive a verdadeira alegria em Cristo?”


    “Na minha vida cristã não tenho conhecido essa alegria. Na verdade, meu desejo de alegria em Cristo só resultou em decepção. O que você pode dizer para mim sobre isso?”

    Não são poucos que nos interpelam assim.

    Deus faz uma promessa de alegria e um coração satisfeito para todos os que Ele pôs em Cristo. Olhemos as próprias palavras de Jesus: “E no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-se em pé, e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, venha a mim, e beba. Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre.” - João 7:37-38

    Jesus está dizendo que o coração humano tem uma sede de alegria, prazer e satisfação. E Ele está prometendo que TODO aquele que é levado a Ele terá seu coração satisfeito com alegria que não tem fim. É uma promessa clara. Mas então como alguém pode dizer – sou cristão mas não experimento ou experimentei isso?

    Ah! Temos que responder algumas perguntas sinceramente a nós mesmos. Já buscamos essa alegria? Por exemplo:

    Estou buscando ou já busquei alegria em quem Jesus é, ou no que Ele pode dar sendo quem é?

    Estou buscando alegria em Jesus como um dom imerecido de Deus Pai, ou como algo que Deus me deve?

    Estou buscando alegria em Cristo com um coração contrito e arrependido, ou quero isso enquanto abraço o pecado como uma outra fonte de alegria?

    Estou buscando alegria em Cristo com humilde confiança tão somente na vontade de Deus?

    Busca essa alegria nos meios de graça? Orando...?

    Estou buscando alegria em Cristo através das Escrituras ou espero outra fonte de revelação?

    Estou buscando como algo muitíssimo valioso, ou seja, busca alegria em Cristo persistentemente?

    Muitas pessoas pensam que a alegria que Deus promete está relacionada com as bênçãos como saúde, riqueza ou amigos...

    Mas Deus não promete qualquer um desses. O que Deus promete é uma alegria infinitamente maior, a alegria de contemplar o próprio Jesus Cristo.

    Isso é o que Paulo diz em Filipenses 3:8

    “Na verdade, eu conto tudo como perda por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor.” – ou como vimos: “nem tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria...” – “Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como esterco, para que possa ganhar a Cristo”

    A alegria de Paulo foi conhecer a Cristo. Não as bênçãos de Cristo, mas o próprio Cristo. E essa alegria em conhecê-lo era tão grande que ele contou tudo como perda.

    Podemos experimentar isso agora a medido que  o Espírito nos ajuda a ver e sentir a glória de Cristo, conforme revelado na Palavra de Deus:

    “Não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas.”  - 2 Coríntios 4:18

    “Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo.” - 2 Coríntios 4:6

    “Tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos; E qual a sobreexcelente grandeza do seu poder sobre nós, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder” - Efésios 1:18-19

    E esta mesma alegria será perfeita quando vermos Sua face:

    “Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.” - 1 Coríntios 13:12

    “Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios, e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo” - 1 Pedro 1:13

    Mas na verdade nem tem sido isso a base das pregações de nossos dias, nem também tem sido a alegria buscada por muitos que dizem não experimentar a alegria em Cristo.

    Se buscamos nossa alegria em bênçãos terrenas, e não no próprio Jesus, estamos numa armadilha – sempre vamos nos decepcionar independentemente se as conseguimos ou não. Ou porque teremos as benções desejadas e elas não nos satisfarão, ou por não consegui-las, e então pensarmos que Deus não tem sido fiel.

    Não tem jeito, a única maneira de ganhar a alegria satisfatória em Cristo, é para de buscar ela em outra coisa e buscar somente o próprio Cristo... mas quantos estão fazendo isso?

    O que nos ajuda a fazer a verdadeira busca é orar sobre a Palavra mencionada por exemplo (Filipenses 3.8) – Você diz: O que é orar sobre a Escritura?

    É ao estar diante de um texto como esse, pedir a Deus para abrir nossos olhos para a verdade da Palavra... isso é buscar a Deus... não é sair em busca de uma experiência “mística” em alguma reunião poderosa... é pensar profundamente sobre o que o versículo está dizendo. Orar sobre a verdade dita por Deus até que o Espírito me ajude a ver e sentir profundamente a sua realidade.

    Ou seja,

    “Pai, me ajude a entender o que Paulo está dizendo aqui. Ele contou tudo como perda comparado a alegria de conhecer Cristo. Essa não é minha realidade. Me perdoe, pois sei que isto é pecado terrível aos teus olhos. Me ajude. Abra os meus olhos para ver a majestade de Jesus Cristo. Ajude-me a sentir a verdade estonteante da misericórdia de Jesus se tornar um homem... do zelo de Jesus expulsando os vendilhões do templo... da compaixão de Cristo chorando pela cidade rebelde de Jerusalém... do amor de Jesus de suportar meus pecados que merecem punição eterna... de suportar tudo em seu corpo quebrado e partido... do poder de Cristo ao ressuscitar dos mortos e vencer a morte... Me ajude a ver e sentir que o Seu Filho Amado é INFINITAMENTE mais gratificante do que esposa, esposo, filhos, sucesso, ministério, dinheiro, saúde, vida...TUDO!”


    Quantos textos devem ser alvo de oração sincera assim diante do Pai que encontra todo o Seu prazer no Filho? – “E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem tenho todo meu prazer” -  Mateus 3:17
    Há tanto disso espalhado em toda parte... Deus espalhou isso em toda a Escritura. Você meditado e orado sobre elas?:


    “Quem tenho eu no céu senão a ti? e na terra não há quem eu deseje além de ti. A minha carne e o meu coração desfalecem; mas Deus é a fortaleza do meu coração, e a minha porção para sempre.” - Salmos 73:25-26


    Na perspectiva de perder tudo diz o profeta: “Todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação. O Senhor Deus é a minha força, e fará os meus pés como os das cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas. (Para o cantor-mor sobre os meus instrumentos de corda)”.- Habacuque 3:18-19


    “Também o reino dos céus é semelhante a um tesouro escondido num campo, que um homem achou e escondeu; e, pelo gozo dele, vai, vende tudo quanto tem, e compra aquele campo.” - Mateus 13:44


    “Tendo por maiores riquezas o vitupério de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa.” - Hebreus 11:26

    “Ao qual, não o havendo visto, amais; no qual, não o vendo agora, mas crendo, vos alegrais com gozo inefável e glorioso” - 1 Pedro 1:8

    “Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo.” - 2 Coríntios 4:6

    “E conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus.” - Efésios 3:19

    “Aos quais Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, esperança da glória” - Colossenses 1:27

    “O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas” - Hebreus 1:3

    “E a cidade não necessita de sol nem de lua, para que nela resplandeçam, porque a glória de Deus a tem iluminado, e o Cordeiro é a sua lâmpada.” - Apocalipse 21:23

    Estou buscando alegria em Cristo como um dom imerecido de Deus, ou como algo que Deus me deve?

    Tão somente por causa do pecado nós merecemos apenas punição eterna. Apenas pela morte de Cristo Deus prodigamente nos abençoa se revelando a nós, tudo que Ele é, em Cristo. Portanto, essa deve ser uma busca humilde. Temos que admitir que não temos qualquer justiça que nos faça aptos os dignos dEle. Não podemos confiar de forma alguma em alguma bondade que exista em nós mesmos... nem um átomo dessa suposta bondade. Mas apenas no sangue, apenas sobre a morte de Cristo para perdoar toda nossa culpa, na expiação que há em seu sangue que desvia de nós a JUSTA E BOA IRA de Deus. Vendo a total necessidade que a justiça de Cristo nos cubra: “O publicano, porém, estando em pé, de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador! Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado.” - Lucas 18:13-14

    Isso é fundamental e indispensável, porque se buscarmos a alegria em Cristo como algo que Deus nos deve, não receberemos NADA. Porque a alegria em Cristo é uma graça – a maior de todas as manifestações da graça – dada soberanamente a homens indignos. Não buscamos essa alegria para alegrar o Pai e assim conseguir outras coisas – isso é uma afronta de um coração orgulhoso que imagina que ele (a pessoa) é uma coisa que Deus precisa – e não Deus sendo tudo que precisamos. Nada espere nestas bases – não merecemos – desejamos mais que tudo a alegria em Cristo – então a graça reina – Deus da graça aos humildes – “Antes, ele dá maior graça. Portanto diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.” - Tiago 4:6


    Não é muito difícil para nós, chegarmos a Deus como se Ele nos devesse alguma coisa. Então, precisamos regularmente orar sobre as verdade da santidade infinita e valor eterno do ser de Deus, sobre o meu pecado, o sofrimento e morte de Cristo... até que vejamos e cheguemos a sentir que qualquer coisa que Deus possa nos dar, é um dom comprado pelo sangue, e que nem um uma fração ínfima de nada disso eu posso merecer.


    É nesse momento que começamos a ver e sentir a glória de Cristo e a saborear a alegria totalmente satisfatória de contemplá-lo. É sobre isso que Paulo fala todo o tempo.

    Há tanto na Palavra para me ajudar a chegar a isso:

    “Por isso te digo que os seus muitos pecados lhe são perdoados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco é perdoado pouco ama.” - Lucas 7:47

    “Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus.” - 2 Coríntios 5:21

    “Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos.” - Isaías 53:4-6


    “E da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dentre os mortos e o príncipe dos reis da terra. Àquele que nos amou, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados” - Apocalipse 1:5

    Alegria em Cristo? Vamos começar orar e buscar da maneira certa?

    A cruz nos lembra que nunca estaremos em descontentamento, desapontamento, pesar ou dor que está além da redenção de Cristo. Compromisso e ansiedade, não são mais um problema para mim.