• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Desde que a eleição é um mistério escondido no conselho secreto de Deus, como você pode saber se você é eleito?”



    “Sempre damos graças a Deus por vós todos, fazendo menção de vós em nossas orações, Lembrando-nos sem cessar da obra da vossa fé, do trabalho do amor, e da paciência da esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, diante de nosso Deus e Pai, Sabendo, amados irmãos, que a vossa eleição é de Deus” - 1 Tessalonicenses 1:2-4


    Eleição! “Por que falar sobre um assunto tão difícil?” Me perguntou alguém outro dia. Difícil? Será?


    Há tantas razões...mas a primeira e mais importante é o texto bíblico. Pregamos, escrevemos... qualquer coisa que o texto diga sem esquivas por causa de uma sociedade dominada pelo humanismo secular, incluindo muito do que se chama “igreja” ou “cristãos” em nossos dias.


    Paulo não disse: “Agradeço a Deus, sabendo como vocês decidiram escolher Jesus...” mas sim: “Agradeço por saber que Ele escolheu vocês.” Se vamos lidar com a Palavra da Verdade de Deus ( 2 Tm 2.15 ), precisamos ser fiéis somente ao que a Bíblia diz, não ao que desejamos, ou o mundo secular deseja que seja dito.


    A segundo razão para falar sobre isso... é que esse não é só um tema central na Bíblia, é um tema frequente das Escrituras de Gênesis a Apocalipse. Em Gênesis 12 Deus escolhe entre os pagãos do mundo todo... ninguém no mundo todo estava buscando Deus... entre todas as nações e cidades do mundo, Deus escolheu chamar alguém em Ur... entre todos os adoradores da Lua e de uma outra infinidade de deuses... Deus resolveu chamar um pagão que estava satisfeito em seu paganismo junto com várias gerações de sua família... Deus escolheu Abraão nesta cidade de idólatras, numa família de idólatras... e prometeu, sem ter sido solicitado por Abraão, trabalhar através dele para trazer salvação às nações... incluindo eu e você... se é que um dia fomos chamados por Ele.


    Deus não escolheu se revelar àquela cidade toda... nem mesmo a toda a família de Abraão. Deus não escolheu NINGUÉM na Ásia, África, Europa ou nas Américas. Havia uma grande quantidade de pagãos como Abraão em todos esses lugares. Então, Deus se recusou a escolher o filho de Abraão, Ismael – mesmo que seu pai tenha pedido em oração para que Deus o fizesse – e escolheu Isaque. Deus rejeitou o filho de Isaque, Esaú, e escolheu Jacó, a quem renomeou como Israel.


    Muitos séculos depois, Moisés disse aos descendentes de Jacó: “E, porquanto amou teus pais, e escolheu a sua descendência depois deles, te tirou do Egito diante de si, com a sua grande força” - Deuteronômio 4:37  - Ele repete mais enfaticamente: “O Senhor não tomou prazer em vós, nem vos escolheu, porque a vossa multidão era mais do que a de todos os outros povos, pois vós éreis menos em número do que todos os povos; Mas, porque o Senhor vos amava, e para guardar o juramento que fizera a vossos pais, o Senhor vos tirou com mão forte e vos resgatou da casa da servidão, da mão de Faraó, rei do Egito.” - Deuteronômio 7:7,8 – Moisés nunca se cansava dessa ênfase na única explicação para o fato deles, entre todos os povos, serem quem eles eram: “Tão-somente o Senhor se agradou de teus pais para os amar; e a vós, descendência deles, escolheu, depois deles, de todos os povos como neste dia se vê.” - Deuteronômio 10:15. Nós sabemos como tudo isso começou com Abraão... com este era um mero feliz adorador da Lua como todos os outros.


    Eu escreveria um livro e não um artigo se seguisse este tema através de toda a Escritura. O Novo Testamento se refere ao verdadeiro cristão com eleitos de Deus ou aqueles que são escolhidos por Deus Soberanamente tão somente segundo o beneplácito da sua vontade, como diz Efésios 1.11.  (Mateus 22:14, 24:22, 24, 31, Lucas 18: 7, Atos 9:15, 11:18, Romanos 8:29, 30, 33, Ef 1: 4, 5, 11, Col. 3:12, 2 Tim. 2:10, Tito 1: 1, 2 Pe 1:10. Veja, também, Lucas 10: 21-22; João 6:37, 44, 65, 10:26, 15:16, 17: 2, 6, 9, Atos 5:31, 13:48, Romanos 9:11, 15, 16, 18 11: 5, 7 , 28, 1 Coríntios 1:27, 28, 30, Gálatas 1:15, 2 Tessalonicenses 2:13, 1 Pe 1: 1-2, 2: 8, 9, Rev. 5: 9, 7: 10-12). Não podemos ignorar um tema bíblico tão importante. Precisamos compreendê-lo corretamente. E ver de uma vez por todos, que deturpa a Verdade bíblica quem diz esse não ser um tema central... que é possível crer no evangelho verdadeiro enquanto despreza essa verdade que permeia toda a Palavra de Deus.


    Uma terceira razão, é por exemplo, o que Paulo afirma neste texto, é que ela é totalmente prática e proveitosa, incluindo os bebês na fé... não é um assunto só para os mais experimentados, é o Evangelho. Como o Apóstolo Paulo declara: “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra.” - 2 Timóteo 3:16,17


    Embora Paulo tivesse estado com esses novos convertidos da Tessalônica, todos vindo do extremo paganismo, por apenas alguns meses, ele já tinha ensinado para eles essa verdade que agora ele menciona de passagem para eles, assumindo que eles já compreendiam essa Verdade. Ou seja, novos convertidos naqueles dias conheciam doutrinas que velhos, velhos cristãos hoje, dizem ter dificuldade e acharem avançadas demais. Quando na verdade é só uma resistência ímpia e humanista secular a Verdade clara de Deus.


    Em 2 Tessalonicenses 2.13, ele repete: “Mas devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em santificação do Espírito, e fé da verdade;” - 2 Tessalonicenses 2:13. Essas doutrinas não são difíceis, a verdade é outra, é que um coração duro não é ensinável.


    Pessoas já me perguntaram, “Desde que a eleição é um mistério escondido no conselho secreto de Deus, como você pode saber se você é eleito?”


    Se estamos falando sobre a questão de nosso destino eterno, então isso é fundamental saber, não é apenas uma questão acadêmica. A absoluta certeza de que Paulo tinha escolhido aquelas pessoas, descansou no que ele observou sobre sua fé e vidas transformadas. Assim, podemos dizer também:

    Você pode saber que é um eleito, se Deus mudou poderosamente sua vida através somente do Evangelho... somente pelo que Cristo fez.


    Como resultado da pregação de Paulo – que pregava somente “Cristo e este crucificado”, Paulo viu que aquelas pessoas haviam recebido a Palavra, embora a Palavra fosse oposta ao que eles aprenderam culturalmente e ao próprio coração natural não regenerado do homem, haviam recebido a Palavra apesar de muita tribulação e sofrimento por causa dela ( 1. Ts 1.6 ). Se tornaram imitadores do Apóstolo, dos evangelistas e do Senhor. Sua fé era evidente em mudanças profundas, visíveis e permanentes ( 1 Ts 1.3,8). Então Paulo estava confiante de que Deus os havia escolhido para a salvação.


    Há uma grande série de objeções que muitas vezes são levantadas contra a doutrina da Eleição ( Infelizmente na maioria das vezes por pessoas que se dizem cristãs ). Uma delas, é: “Se Deus predestinou tudo, incluindo quem será salvo, por que orar? O que será, será, certo?” Errado!!!


    1. A Eleição não anula a oração, antes a encoraja, pois a salvação é obra de Deus. Se não fosse, aí orar seria inútil.


    Paulo no mesmo texto e na mesma hora, diz estar orando por esses que ele disse ter certeza da sua eleição: “Sempre damos graças a Deus por vós todos, fazendo menção de vós em nossas orações,” - 1 Tessalonicenses 1:2. Além disso, "tendo constantemente em mente" (v.3) refere-se às orações freqüentes e repetidas de Paulo.


    Mais tarde, ele exorta este novos crentes que ele disse ter certeza da sua Eleição: “Orai sem cessar” ( 1 Ts 5.17 ). Ele não está dizendo sem interrupção, o que não é possível, mas sim que devemos orar repetidamente e muitas vezes... e viver de acordo com essa vida de oração.


    Alguns que tentam negar a clara doutrina da Eleição, argumentam, com o pensamento do humanismo secular e não com a Palavra, que Deus fez tudo o que Ele podia fazer para salvar as pessoas... Ele chegou ao limite de seus recursos e poder, mas agora a coisa decisiva, a coisa principal que decidirá tudo, cabe ao homem. Dizem que Deus não “força” ninguém ( Como se o Chamado Eficaz não fosse uma mudança de natureza e não uma compulsão externa ). Portanto a salvação depende... tava demorando... do suposto Livre-arbítrio das pessoas. Mas Jesus diz que se pecamos, somos escravos do pecado ( João 8.34). Não somos livre. Se a salvação dependesse de nossa “liberdade”... seríamos por fim o nosso libertador... e se o homem é livre para se fazer livre, isso não faz qualquer sentido. E se a salvação, em última estância, dependesse da “liberdade” humana – e que esse Deus limitado já fez tudo o que podia – então nenhum de nós deveria perder nosso tempo orando para que alguém fosse salvo, porque Deus do céu estaria dizendo para nós: “Como você, eu também gostaria de vê-los salvos. Mas depende deles e não de mim... já fiz tudo que podia... eles são “livres”. Vamos esperar torcendo que eles decidam escolher... estou fazendo pensamento positivo com vocês para ver se dá tudo certo. Vamos torcer!”


    Mas as Escrituras mostra que Deus sempre cumpre todos os seus propósitos ( Is 46.10; Jó 42.2). Ele enviou Seu Filho à Terra para salva um povo escolhido por Ele e para Sua glória ( Ef 1.4-12). Ele não deixa seu propósito eterno sob o auspício da vontade humana pecaminosa e que tem sua mente como “inimizade contra Deus”, que “amou as trevas e odiou a luz”, e que Jamais “busca Deus” – como Ele diz em Romanos e João – “Ninguém pode vir a mim se o Pai que me enviou não o trouxer...” ( João 6.44). Ele disse isso, embora, como hoje, muitos que se dizem discípulos dele, não gostaram dessas palavras e foram embora – evidenciando o oposto do que Paulo disse ter certeza sobre os Tessalonicenses no início da sua primeira carta a eles. Eles foram embora? Então Jesus repetiu: “Por esta razão Eu vos disse que ninguém pode vir a Mim a menos que lhe seja concedido do meu Pai” – Se só o Pai pode levar alguém a Cristo, e toda oração deve ser feita a Ele, faz todo sentido orar – “leve-os, ou leve esta pessoa, ao teu Filho!”


    Deus ordena os meios, assim como o fim. A oração e a proclamação do Evangelho são seus meios ordenados para salvar Seus Eleitos. Portanto, se sou obediente e creio na Palavra de Deus, devo orar por portas abertas para o evangelho,  tanto para nós como para outros cristãos: “Orando também juntamente por nós, para que Deus nos abra a porta da palavra, a fim de falarmos do mistério de Cristo, pelo qual estou também preso;” - Colossenses 4:3


    Deus trabalha em resposta às nossas orações. Não conhecemos a quem Deus concedeu que viesse a Cristo até que eles sejam salvos. Nenhum de nós teria imaginada que Saulo, o perseguidor e exterminador da igreja, era um dos eleitos de Deus. Mesmo depois de ter chegar à fé, muitos dos discípulos estavam céticos de que sua conversão era genuína, de tão absurdo que parecia para suas mentes que Deus pudesse ter escolhido alguém como ele: “E respondeu Ananias: Senhor, a muitos ouvi acerca deste homem, quantos males tem feito aos teus santos em Jerusalém; E aqui tem poder dos principais dos sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome... E, quando Saulo chegou a Jerusalém, procurava ajuntar-se aos discípulos, mas todos o temiam, não crendo que fosse discípulo.” -  (Atos 9: 13-14, 26).
    Mas a Mão de Deus não é curta e impotente para que Ele não possa salvar ( Is 50.2 ). Se Deus quer salvar o povo ímpio e que não está buscando a Ele de forma alguma, na cidade de Nínive, Ele o faz apesar da pregação sem brilho e de má vontade de seu profeta relutante, Jonas. Que queria ver todas aquelas pessoas perdidas.


    Portanto, devemos é claro, orar como Deus ordenou, para que Ele realiza Seu propósito soberano salvando um povo para Sua glória.


    2. Porque a Eleição é o propósito soberano de Deus que não pode falhar, ela resulta em vidas mudadas: “Lembrando-nos sem cessar da obra da vossa fé, do trabalho do amor, e da paciência da esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, diante de nosso Deus e Pai,” - 1 Tessalonicenses 1:3

    Paulo sabia com certeza que Deus havia escolhido essas pessoas para a salvação porque ele podia ver Os Resultados em suas vidas: Trabalho como resultado da fé; trabalho motiva pelo Amor; e grande Firmeza fluindo da esperança inabalável no Senhor Jesus apesar da grande e severa perseguição.


    Paulo continua a mencionar como eles se tornaram imitadores dele e do Senhor, e que o evangelho estava fluindo a partir deles por tas a região: “E vós fostes feitos nossos imitadores, e do Senhor, recebendo a palavra em muita tribulação, com gozo do Espírito Santo. De maneira que fostes exemplo para todos os fiéis na macedônia e Acaia. Porque por vós soou a palavra do Senhor, não somente na macedônia e Acaia, mas também em todos os lugares a vossa fé para com Deus se espalhou, de tal maneira que já dela não temos necessidade de falar coisa alguma;” - 1 Tessalonicenses 1:6-8.

    Dessa forma, suas vidas de maneira dramaticamente mudadas eram evidências claras de que Deus os havia escolhido para a vida eterna.


    Então Paulo menciona três virtudes cardeais – fé, esperança e amor... que mostravam que a fé dos tessalonicenses era genuína e dom de Deus. Calvino  (Calvin's Commentaries [Baker], p. 239), chamou essas 3 qualidade de “uma breve definição do verdadeiro cristianismo”.  Gene Getz constrói seu livro, A Medida de uma Igreja saudável (The Measure of a Healthy Church) , em torno desses três pontos, mostrando como eles são o padrão bíblico para a verdadeira maturidade.  (Paulo menciona-os em Romanos 5: 2-5, 1 Coríntios 13:13, Gálatas 5: 5-6, Ef 1: 15- 18, Col 1: 3-6, também, Hebreus 6: 10-12; 10: 22-24; 1 Pedro 1: 21-22).


    O apóstolo Paulo os menciona novamente em 1 Ts 5.8: “Mas nós, que somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo-nos da couraça da fé e do amor, e tendo por capacete a esperança da salvação;” - 1 Tessalonicenses 5:8.


    Mais tarde, O Senhor repreende a igreja em Éfeso, porque embora tivessem obras e labutas e perseverança... não fizeram essas coisas por amor ao Senhor ( Ap 2.1-7). Portanto, a motivação é fator essencial.


    A. Uma vida mudada é evidenciada pelo trabalho que decorre da fé no Senhor Jesus Cristo por sua beleza infinita e glória.

    O genitivo ( “de” ) do no texto de Paulo, aponta para a fonte: O trabalho que vem da fé. Apontando para a verdadeira fé salvadora. Enquanto Paulo ensinava que somos salvos somente pela graça, através do dom da fé, sem obras, ele também ensinou que a verdadeira fé salvadora resulta em obras... ou seja, num servir a Cristo com alegria em meio a grandes sofrimentos, como estava acontecendo com os Tessalonicenses naquele instante.

    Se você conhece Efésios 2.8,9 – “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie;” – então deve estar familiarizado também com o verso 10: " Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.”


    B. Uma vida modificada é evidenciada pelo trabalho motivado pelo amor ao Senhor Jesus Cristo e pelos outros.

    “Lembrando-nos sem cessar da obra da vossa fé, do trabalho do amor...” - 1 Tessalonicenses 1:3 – “obra” e “trabalho” são um tanto intercambiáveis, embora “trabalho” enfatiza a dificuldade e labuta.  Já “amor” aqui, se refere tanto ao amor ao Senhor, que é a nossa motivação final, e amor para com os outros, crentes e descrentes, como resultado do amor final a Cristo ( 1 Ts 3.6,12; 4.9; 5.13).


    Como vemos no texto, o amor é um compromisso de auto-sacrifício que se mostra em busca do maior bem do amado. O bem supremo para cada pessoa é conhecer Cristo e ser conformado a Ele para a Glória de Deus Pai. E, o amor a Cristo é a motivação final para servi-lo. Quando Cristo restabeleceu Pedro depois de tê-lo negado, Ele perguntou três vezes ( Jo 21.16,17): “Tu me amas?” Como mencionamos, a igreja em Éfeso estava fazendo boas obras e trabalhando para o Senhor, mas foram duramente repreendidos porque tinham perdido seu primeiro amor por Ele ( Ap 2.1-7).


    Esse trabalho motivado pelo amor deve ser evidente em nossas casas, trabalho... apesar de Paulo em 1 Co 13.4-7 está falando especificamente sobre ele na igreja: “O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. 5 Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; 6 Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; 7 Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.”

    O trabalho motivado pelo amor vai custar tempo, dinheiro... usando a palavra trabalho, Paulo implica que nem sempre será fácil. Envolve sempre auto-sacrifício.


    C. Uma vida modificada é evidenciada pela firmeza produzida pela esperança no Senhor Jesus Cristo. Esta esperança de Sua vinda que enche nossos corações, que nos permite suportar as  provações e até a perseguição com alegria. A palavra grega para firmeza aqui, é o espírito que pode suportar as coisas, não simplesmente com resignação, mas com esperança ardente – Não é o espírito que permanece estático no lugar, mas o espírito que impulsiona as coisas porque sabe que estas coisas estão conduzindo a um objetivo de glória que não pode falhar. Não é a paciência que espera saturnamente o fim chegar, mas a paciência que radiantemente espera pelo amanhecer.


    Como no hino de George Matheson, que mesmo tendo ficado cego aos 18 anos, escreveu uma “oração” que pedia a Deus que aceitasse a vontade de Deus, “não com resignação muda, mas com santa alegria; não só com ausência de murmúrios, mas com um cântico de louvor”. Esse tipo de alegria inabalável – que Paulo descreve na vida dos Tessalonicenses – nas provas vem da esperança vinda diretamente de Cristo, que corrigirá todo o mal e coroará a vida vivida para sua glória.


    Paulo acrescenta ( 1 Ts 1.3 ) – “...da paciência da esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, diante de nosso Deus e Pai” – Alguns comentaristas conectam essa frase com “tendo constantemente em mente” de Paulo. Ou seja, a oração estava “na presença de nosso Deus e Pai.” – Mas outros  (por exemplo, FF Bruce, Comentário Bíblico, 1 & 2 Thessalonians [Thomas Nelson], pp. 12-13; Gary Shogren, Zondervan Comentário Exegético sobre O Novo Testamento, 1 & 2 Tessalonicenses [Zondervan], p. 60)... argumentam que a frase está gramaticalmente muito distante do início do verso para estar conectado com a lembrança de Paulo deles. Assim, o que ele está dizendo, é que a obra de fé dos tessalonicenses, o trabalho de amor e a firmeza da esperança são exercidos na presença de Deus o Pai. Devemos estar sempre cientes de que tudo o que fazemos pelo Senhor por um coração ardente em amor, é feito na presença amorosa de Deus.


    Dessa forma, o ponto de verso 3 no seu contexto, é que se Deus nos escolheu para a salvação, ela será vista em vidas mudadas. A fé em Cristo resulta em trabalho de amor por Ele.  O amor por Cristo resulta em trabalho para Ele e amor pelos outros. A esperança em Cristo resulta e firmeza através de todas as provações e até mesmo perseguição que leva a morte. E finalmente,


    3. A principal razão pela qual recebemos o evangelho e nossas vidas são mudadas, é que Deus nos amou e nos escolheu para a salvação.


    1 Tessalonicenses 1: 4: "sabendo, irmãos amados por Deus, que Ele vos escolheu". Aqui, como em outros lugares (Deuteronômio 4:37; 7: 7-8; 10:15; 2 Tessalonicenses 2:13) , A eleição está ligada ao amor de Deus. Como Paulo diz (Efésios 1: 4-5), "Ele nos escolheu Nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dEle. Em amor, Ele nos predestinou para adoção como filhos através de Jesus Cristo, de acordo com a intenção amável de Sua vontade ".

    A doutrina da eleição significa que Deus tomou a iniciativa em nossa salvação por causa de Sua grande misericórdia e amor soberano.


    Mas isso levanta uma objeção: Deus não ama a todos de alguma forma? Há complexidade no que chamamos amor no ser humano. Ele ama de formas diferentes, seu filho, sua esposa, os irmãos em Cristo, bichos de estimação, o mar, o sol da manhã, uma borboleta, o inimigo... muito mais complexo é o amor de Deus. Há por exemplo o amor providencial de Deus, no qual Ele faz nascer o sol sobre todos, todos nele existem, se movem e respiram... e podíamos nos demorar mencionando mais.


    Mas estamos falando aqui no Amor Eletivo de Deus... Esse é o grande tema, como temos visto, em toda a Bíblia. Precisamos reconhecer o fato óbvio de que Deus não mostrou Seu amor e misericórdia a todos dessa maneira. Ele amou Abraão no meio de um mundo inteiro pagão como Abraão... que estava fazendo as mesmas coisas que os outros e vivia exatamente igual a eles... ou seja, como todos: “Como está escrito:Não há um justo, nem um sequer. Não há ninguém que entenda;Não há ninguém que busque a Deus. Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis.Não há quem faça o bem, não há nem um só.” - Romanos 3:10-12


    Mas Deus escolheu amar Abraão e revelar-se a ele e abençoá-lo... mas Ele não escolheu nenhum outro no mundo inteiro naquele instante. Todo o mundo, como vimos descrito em Romanos 3.10-12, merece a ira e a justiça de Deus, e não o seu amor Eletivo. Ele sempre é mostrado segundo o beneplácito da vontade de Deus. Por motivos totalmente internos e soberanos.

    Concluindo.


    Então, como você pode saber se você é eleito? Você realmente se arrependeu de seus pecados, recebeu a Toda a Palavra de Deus como verdadeira, (sem deixar de fora qualquer doutrina como inaceitável)  e colocou sua confiança em Cristo para salvá-lo da ira vindoura (1 Tessalonicenses 1: 6, 8, 9, 10)? Se sim, você é eleito. Seu arrependimento e fé não vieram de você, mas de Deus, que o escolheu em amor e graça.


    Mas por que Paulo menciona isso no versículo 4? Por que mencionar esta doutrina aqui? Não podemos dizer com certeza, mas John Stott (A Mensagem de 1 & 2 Tessalonicenses, p.28) oferece um pensamento plausível: "Porque ele conhecia a insegurança sentida por uma igreja jovem e perseguida, ele Queria lembrá-los de que, no meio de suas provações, sua segurança estava em Deus ". Ele acrescenta:" O tema da eleição quase sempre é introduzido para um propósito prático, a fim de promover a segurança (não a presunção) A santidade (não a apatia moral), a humildade (não o orgulho) e o testemunho (não o egoísmo preguiçoso). "Ou, como diz Leon Morris (A Primeira e Segunda Epístolas aos Tessalonicenses, p.55) A idéia de salvação sempre está ligada ao conceito de Eleição Soberana. A salvação, do primeiro ao último minuto, é uma obra de Deus".


    Meu desejo e oração é que se você luta com a certeza de sua salvação, esta verdade bíblica fará você se sentir seguro em Seu amor. E se você está passando por provações, eu oro para que esta verdade a conforte e encoraje que você seja Seu filho e que nada pode separá-lo de Seu amor.



    “Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito:Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia;Somos reputados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor.” - Romanos 8:33-39