• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    A Morte da Morte na Morte de Cristo | John Owen ( 1616 - 1683 )






    J. I. Packer diz: "Enquanto o principal objetivo do verdadeiro Evangelho, o “velho evangelho” pregado pelo Puritanos,  era ensinar os homens a adorar a Deus, a preocupação da pregação hoje, parece limitada a tentar fazê-los se sentirem melhor. O assunto do velho evangelho era Deus e Suas atitudes para com os homens; o assunto do novo é o homem e a ajuda que Deus dá a ele. Há um mundo de diferença. A completa perspectiva e ênfase da pregação do evangelho têm-se mudado.

    Esta mudança de interesse deu origem a uma mudança de conteúdo, pois o novo evangelho tem, com efeito, reformulado a mensagem bíblica nos supostos interesses de ser "prestativa". Portanto, os temas da incapacidade do homem natural para crer, da eleição gratuita de Deus como a principal causa da salvação, e de Cristo morrer especificamente por Suas ovelhas, não são pregadas. Estas doutrinas, seria dito, não são "prestativas"; elas levariam os pecadores ao desespero, sugerindo-lhes que não está em seu próprio poder o serem salvos através de Cristo. (A possibilidade de que tal desespero poderia ser salutar não é considerada; é tomada como ponto pacífico que não pode ser, porque é muito destrutiva para nossa auto-estima). Seja como for, o resultado dessas omissões é que parte do evangelho bíblico está agora sendo pregada como se fosse o todo desse evangelho; e uma meia-verdade disfarçando-se de verdade completa torna-se uma inverdade completa.


    Dessa forma, apelamos aos homens como se todos eles tivessem a habilidade de receber Cristo a qualquer momento; falamos de Sua obra redentora como se Ele não tivesse feito nada mais, ao morrer, do que tornar possível que nos salvemos a nós mesmos simplesmente por crermos; falamos do amor de Deus como se não fosse mais do que uma prontidão geral para receber qualquer um que se volte e creia; e nós descrevemos o Pai e o Filho, não como soberanamente ativos em atrair pecadores a Si mesmos, mas como que esperando, impotentes, “à porta de nossos corações" para que Os deixemos entrar. É inegável que pregamos assim; talvez seja isso que nós realmente cremos. Mas é necessário dizer, com ênfase, que este conjunto de meias-verdades torcidas é algo diferente do evangelho bíblico. A Bíblia está contra nós quando pregamos dessa maneira; e o fato de que tal pregação tem-se tornado quase uma prática padrão entre nós, mostra apenas quão urgente é que revisemos este assunto. Recuperar o velho, autêntico e bíblico evangelho, e fazer com que nossa pregação e prática estejam somente de acordo com esse evangelho, é, talvez, nossa. necessidade mais premente. E é neste ponto que o tratado de Owen sobre a redenção pode nos ajudar" – J. I. Packer.