• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Um cristão salvo pela graça e orgulhoso é uma contradição de termos.






    Certa vez Lutero disse:


    “Quem dentre nós gostaria de ver a sua verdadeira história escrita em sua testa? Mas todos nós gostamos de ouvir a voz dos homens quando somos honrados e exaltados. Esse não é o caminho que nos leva a dizer: "Que Deus tenha misericórdia de mim!"


    Se os pecados do meu coração fossem publicados para o mundo, eu mereceria a forca. Com toda certeza o mundo agora me respeita. Mas se ele realmente me conhecesse, iria cuspir em mim, porque eu mereceria aos olhos deles a decapitação”


    Os homens mais santos e em comunhão mais profunda com Deus tem uma consciência mais aguda de seus pecados e não menos. O pecado não só polui a alma, ele tem a capacidade de prover as justificativas que mantém o homem escravizado por ele em convencimento de sua própria bondade.


    Por isso Deus diz – “Eu odeio o orgulho e a arrogância”Provérbios 8.13. Podemos definir a humildade como sendo uma profunda auto-humilhação diante de Deus como resultado de um profundo sentimento de nossa própria pecaminosidade. Paulo disse em ordem decrescente – Eu sou o menor dos apóstolos. Eu sou o menor de todos os santos. Eu sou o principal dos pecadores.


    Um cristão salvo pela graça e orgulhoso é uma contradição de termos. Só podemos falar de um cristão orgulhoso com propriedade se pudéssemos falar de um tolo sábio, ou de um santo ímpio, ou de um embriagado sóbrio, ou de uma prostituta casta...


    Imaginar um cristão orgulhoso é o mesmo que pensar num jardim florido no polo sul – como a verdadeira piedade e comunhão de um pecador com um Deus santo pode crescer num coração orgulhoso e arrogante? Seria mais fácil cultivar tulipas no polo norte.


    Um cristão orgulhoso é tão impossível quando uma videira prosperando enquanto uma praga está devorando suas raízes. Nada na alma pode prosperar enquanto o Espírito não subjugar sua arrogância e orgulho. Agostinho quando perguntado qual era o primeiro princípio de um viver santo, respondeu: Humildade. Quando perguntado qual era o segundo, ele disse: Humildade. E quando perguntado qual era o terceiro, disse: Humildade. Ele estava dizendo que isso é tão fundamental que estava no princípio, meio e fim da verdadeira vida com Deus, do verdadeiro cristianismo. Isso é estar em Cristo: “Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração!” – Eis a verdadeira definição de piedade.


    Podemos dizer sem medo de errar que onde a humildade está ausente, todo cristianismo é vão. Todos os grandes talentos e capacidades não passam de um sino que retine sem ela – oco, vazio, sem propósito – Deus está contra e não a favor de um coração assim: “...e revesti-vos de humildade, porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.” - 1 Pedro 5:5


    Você gostaria de sair pelo mundo com sua história escrita na testa? Então todo dia é um dia de humilhação diante de Deus, e isto não combina com orgulho diante dos homens.