• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Expiação limitada e a bondade universal de Deus.




    Me perguntaram como é possível conciliar a expiação limitada com o favor universal de Deus a todas as suas criaturas. Ou seja, se Deus é favoravelmente inclinado a todos com bondade, como dizer que Cristo não morreu por eles. E, se Cristo não morreu por todos, como Deus pode realmente ser favorável em direção a todos de alguma forma?


    Esse tipo de dúvida só aparece, porque perdemos o ponto de distinção entre criação e redenção.


    Na Criação, tudo flui de Deus... “Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele.” Colossenses 1:16 – Então, em Sua providência, Ele sustenta e ordena tudo o que Ele criou.


    Na Redenção, no entanto, Deus salva seus eleitos do pecado e do Juízo merecido. Redenção pressupõe a Criação – ou seja, é necessário haver uma criação ( homens ) por quem cristo morreu e redimiu: “Eu rogo por eles; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus.”  João 17:9


    Quando Cristo disse: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna" (João 3:16), Ele não estava falando de seus dons providenciais para a Sua criaturas, mas de sua obra de salvação para o seu povo.


    O mundo termo aqui é sinônimo da palavra pecadores. Tendo em vista não é a extensão da expiação, mas o grau do amor de Deus e da qualidade daqueles por quem Cristo morreu. Quanto é que Deus nos ama? Ele nos amou tanto que deu o Seu Filho unigênito. Que tipo de pessoas Ele ama? Ele amava o "mundo", ou aqueles que, por causa do seu pecado e pecados, se opõem a Deus e eram filhos da ira: “...andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira” - Efésios 2:3


    A diferença entre criação e redenção é evidente na forma como a Escritura descreve o favor geral de Deus e a maneira como ele fala da expiação. A expiação é para pessoas particulares. Cristo morreu "por nós" (Rm 5:8; 1 Cor 15: 3).


    O pastor dá a vida pelas suas ovelhas (João 10: 14-16).


    Ele não ora pelo mundo em sua oração sacerdotal: “Eu rogo por eles; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus.” - João 17:9


    Em contrapartida, em relação a providência geral de Deus, Jesus ensinou que o Pai "faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.” - Mateus 5:45


    A graça comum é geral e beneficia todas as pessoas, mas o mesmo não é verdade para a reconciliação.


    Assim como existem duas partes para a graça comum (criação e providência)  - da mesma forma há duas partes para a expiação – expiação e propiciação.


    Em sua expiação ( falando da maneira mais básica possível) cobre os nosso pecados, o que Jesus realizou em sua obediência e morte (Hb. 9:22). É algo feito em nós. Mas por sua obediência e morte, Jesus também afastou a ira de Deus de todo o seu povo. Isto é a propiciação. Algo feito em Deus – aplaca a sua ira.


    A intercessão de Moisés por Israel (Ex. 32) é uma boa ilustração de propiciação. Tendo descido do monte, Moisés disse ao ver o grande pecado no meio do arraial de Israel, " Moisés disse ao povo: Vós cometestes grande pecado. Agora, porém, subirei ao Senhor; porventura farei propiciação por vosso pecado.” - Êxodo 32:30.


    Quando Moisés orou a Deus, sua ira foi aplacada e Ele tornou-se favorável ao seu povo. Tudo o que Moisés fez, apenas ilustra Cristo em Sua obediência e morte fazendo por nós a propiciação.


    Em Lucas 18: 9-14, o fariseu felicitou a si mesmo por sua justiça. O coletor de impostos, no entanto, clamou a Deus dizendo: “Deus sê propício a mim pecador. Ou seja, provê um sacrifício que aplaque a tua ira justa sobre o meu pecado.


    Paulo fala claramente sobre o trabalho propiciador de Cristo em Romanos 3: “Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.” - Romanos 3:25,26


    Nesta passagem, Paulo está explicando como somos declarados justos por Deus. (v. 21-22). No passado, Deus "esqueceu" os pecados dos israelitas. Não era que Ele não pudesse "vê-los" em sua onisciência, ou que Ele é moralmente desleixado, mas Ele suspendeu a execução de Sua justiça, a ira devida,  em vista da vinda de Cristo. Em outras palavras, Sua providência geral serviu Seu plano de expiação definida.


    Paulo diz que agora, na morte de Cristo, a justiça de Deus é demonstrado e satisfeita por Cristo tornando-se o nosso lugar de propiciação (veja Hb 9: 5.). Em Sua morte como o nosso portador de pecados (2 Cor. 5:21), Jesus se tornou nossa propiciação e o lugar e meio de propiciação, para que possamos nos tornar "justiça de Deus."


    Quando ele morreu, Jesus realmente realizado expiação e propiciação pelos pecados, mas para quem? Se Jesus propiciou a Deus os pecados de todos, então todos estão salvos. Claramente, no entanto, nem todos são salvos. Isso é porque nunca foi a intenção do nosso Salvador para propiciar a ira de Deus para todos que já viveram. Pelo contrário, foi sua intenção resgatar todo o Seu povo completamente.


    O que então fazemos com passagens como 1 João 2: 2?: " E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo.”


    É bom lembrar o contexto deste versículo. João está incentivando os cristãos a obediência baseada na obra expiatória de Cristo pelos redimidos. No contexto imediato e no geral (de toda a Bíblia), não faria  sentido ler esta passagem significando que "Cristo afastou a ira de Deus de todos os homens que já viveram ou viverão" Isso seria afirmar o universalismo – o que contraria todo o ensino bíblico.  Neste contexto, "mundo" está no sentido qualitativo (pecadores) – não só para judeus, mas homens de toda raça, tribo e não... homens de todo o mundo, do mundo inteiro.


    Temos um caso similar em 2 Coríntios 5:15, onde a Escritura diz que Cristo morreu "por todos". Se parássemos lá, na parte a do ver, poderíamos concluir como os arminianos, mas se continuarmos e lermos a parte b do mesmo verso, veremos que a Escritura diz que Cristo morreu para que os cristãos “ não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou”.


    O "todos" da primeira parte do versículo 15 é qualificado pela segunda cláusula, "por deles,"  para se referir aos cristãos que estão unidos a Cristo. O que parecia à primeira vista como uma passagem universalista realmente ensina expiação definida.


    A utilidade da doutrina da graça comum para a nossa compreensão da expiação torna-se mais clara em 1 Timóteo 4:10, onde Paulo escreveu: "Pois para isto é que trabalhamos e lutamos, porque temos posto a nossa esperança no Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens, especialmente dos que creem".



    Críticos perguntam como podemos continuar a manter  uma expiação definida em face de tal linguagem. A resposta é que Paul não estava falando da expiação aqui. O substantivo grego para "Salvador" aqui é soter. Por exemplo, em Éfeso havia uma estátua dedicada a César que o proclamou um "deus" e "o soter universal da vida dos homens", referindo-se aos presentes de César para a cidade. Neste contexto, Paulo está dizendo: "Não é um rei presunçoso, que é o provedor para a humanidade, mas o Deus vivo que é o fornecedor e, especialmente, para aqueles que creem." Aqui, a providência geral ilumina graça particular. Se alguém afirmar o oposto, terá que pregar o universalismo, o que nega toda a verdade bíblica.


    Em Sua providência, Deus dá muitos presentes maravilhosos para a humanidade. Alegramo-nos com as cores do outono e a alegria da música, dos sabores, da família, amizades... Estes presentes são bons em si mesmos, mas eles são universais e distintos de seu dom particular de redenção em Cristo Jesus: “Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.” - Romanos 3:24


    Todos os seres humanos conhecem a Deus como Criador e Juiz (Rom. 1: 18-21), mas os crentes o conhecer como Redentor. Sabemos que, em seu amor em Seu amor em Cristo, Ele enviou Seu Filho não apenas para tornar a salvação possível, uma vez que nesse caso ninguém seria salvo – Em vez disso, Jesus veio conquistar a salvação para os que o Pai deu a Ele na eternidade: “Eu rogo por eles; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus.” - João 17:9 – Recebendo sobre Ele a ira destinada a eles, para que, “tendo sido justificados pela fé, tenhamos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo” – Romanos 5.1