• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    A dura repreensão vinda de um adolescente!




    É muito fácil para nós fazer de Jesus o que queremos que ele seja. É muito comum adorar um “Jesus” de plástico que pode ser moldado em qualquer imagem que desejamos. E não é estranho como o “Jesus” assim criado tem uma semelhança notável conosco mesmo? 


    Nosso Jesus pensa como nós, atua como agimos, fala como nós falamos. Ele defende nossas causas. Ele vibra com nossas corridas e metas. Ele promove os nossos sonhos. Ao invés de nos desafiar, o nosso Jesus afirma nossa “autoestima”. Ao invés de nos chamar ao arrependimento, o nosso Jesus nos chama para nos deleitarmos com o que quer que nós já apreciamos. Se nós somos anti-isso ou pró-aquilo, em seguida, o nosso Jesus também é.


    O que está realmente acontecendo? Nada mais do que isso: nós estamos fazendo um Jesus que nós pensamos  que Ele deveria ser, em vez do que Ele realmente é. Do que estamos precisando? Da mesma coisa que Maria e José necessitaram e ouviram dos lábios de Jesus quando Ele era apenas um adolescente: “Não sabeis que me convém tratar dos negócios de meu Pai?” – Lucas 2.49


    Você deve perder o seu falso Jesus, a fim de que você possa conhecer o verdadeiro Jesus. E o verdadeiro Jesus não estará pensando e agindo e falando como você faz. Ele não vai estar onde você naturalmente pensa que ele deveria estar, ou fazendo aquelas coisas que você assume que ele deveria estar fazendo. O verdadeiro Jesus vai tratar dos negócios de Seu Pai.


    Como Jesus não pediu desculpas a Maria e José por eles estarem ansiosos com aquilo que não deviam estar, Ele não fará isso conosco também, nem mudará o seu foco:

    “Filho, por que fizeste assim para conosco? Eis que teu pai e eu estávamos ansiosos... E ele lhes disse...: Não sabeis que me convém tratar dos negócios de meu Pai?” – Lucas 2.48,49.


    Para glória do Pai e nossa alegria, graças a Deus Ele está focado nos “negócios  de Seu Pai!”


    “E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro... Eu rogo por eles; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus... E eu lhes fiz conhecer o teu nome, e lho farei conhecer mais, para que o amor com que me tens amado esteja neles, e eu neles esteja.” – João 17.3,9,26.