• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    A ética sexual cristã é um impedimento para alcançarmos esta geração e cultura?






    Nada é mais comum durante a história da igreja do que a cultura vigente dizer: “Ou o cristianismo se adapta, ou vai morrer!” – E isso, em grande parte das vezes, parte também de vozes importantes dentro da igreja visível.


    Como é comum hoje ouvirmos que o cristianismo evangélico protestante, deve reestruturar sua ética sexual se realmente deseja chegar e ser relevante para a próxima geração. Dizem que muitos deixam a igreja, ou não são alcançados por ela, por causa da nossa “obsessão” com a moralidade sexual. Dizem que esta e a próxima geração precisam de uma ética sexual mais flexível... dizem que ou vamos nos adaptar, ou vamos morrer.

    Mas esse argumento é muito, muito velho... sempre foi usado contra o evangelho. No final do século XIX e início do século XX, por exemplo, foi exatamente esta a retórica de todos os liberais, usada, por exemplo, pelo liberal protestante Harry Emerson Fosdick (1878-1969).


    Fosdick dizia que estava preocupado e temeroso pelo futuro do Cristianismo, e se a igreja desejava existir no futuro, teríamos que acabar com a nossa obsessão (a mesma expressão sempre aparece) - teríamos que acabar com a nossa obsessão com a virgindade. Mas ele aqui, não estava falando da nossa virgindade, mas da virgindade da mãe de Cristo, Maria.


    A geração mais jovem e instruída, acadêmica... ele dizia, queria ser cristã, mas não podia aceitar as ideias ultrapassadas desses atos milagrosos como o nascimento virginal de Cristo.


    O que os liberais da época  ( e de todas as épocas ) perderam, é que tais declarações bíblicas não se tornaram difíceis de acreditar na era moderna... elas sempre foram difíceis do homem natural acreditar desde o início.


    A reação de José, por exemplo, ao anúncio da gravidez de Maria, não foi: “Que bom, daqui a algum tempo todos chamarão esse nascimento de natal!!” – Não! José assumiu que ela tinha sido infiel sexualmente. Por que? Porque desde todos os tempos os homens sabem como as mulheres engravidam.


    Toda a mensagem cristã está sobrecarregada de atos milagrosos de Deus. Uma virgem concebe. Aleijados andam. Cegos veem. Mortos ressuscitam. Um carpinteiro é morto numa cruz e ressuscita, sobe para o céu e envia o Espírito Santo... está a direita do Deus Pai e governa o universo, e breve julgará os vivos e os mortos.

    Se alguém não for levado a crer nisso, não há evangelho para ele e ponto. É e sempre será difícil para o homem natural.

    O mesmo é a completa verdade sobre a ética sexual cristã. A moral sexual não se tornou difícil com o início da revolução sexual no século passado. Sempre foi. Escapar de nosso próprio domínio e reinado, ou da tirania dos nossos desejos auto centrados, sempre foi e sempre será um caminho estreito. O jovem rico queria uma “religião” que lhe prometesse sua "melhor" vida agora  - como ele a concebia– viver sob os valores que ele definia – e que se estendesse para a eternidade. Mas Jesus sabia que ele, como todos os homens nascidos em Adão, são apenas zumbis, cadáveres mortos para Deus... Ele veio para algo mais do que se encaixar em nossa morte... veio para dar vida aos mortos:

    “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” -  2 Coríntios 5:17

    “E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados, Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência; Entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também.” - Efésios 2:1-3

    Se negar o que a fé bíblica ensina sobre o corpo, o casamento, o que significa ser criado homem e mulher... Nada mais temos para o mundo que expresse o evangelho... e não ganharemos ou criaremos nada, senão o cinismo daqueles que irão concluir que não cremos na Verdade bíblica, mas vemos as pessoas da cultura que nos rodeia apenas como um nicho de mercado que deve ser explorado dizendo-lhes exatamente o que eles querem ouvir para comprarem nosso “produto”.

    Só podemos alcançar esta geração, ou qualquer outra, por alcançá-los com a Verdade do Evangelho... porque se não forem ganhos pela Verdade, nunca foram ganhos de fato. Só podemos alcançá-los com o evangelho que é a boa notícia para pecadores arrependidos, chamados eficazmente, que são salvos pelo sangue derramado e o túmulo vazio de Jesus Cristo.

    Se tivermos que escolher entre esta geração e cultura e Jesus, escolhemos Jesus. Não devia ser difícil para nós a escolha.

    Alguns agem como se a ética sexual cristão fosse semelhante a um estatuto de qualquer instituição humana, um estatuto social... que pode ser alterado por votação da maioria. Mas isso é ridículo. A sexualidade não é acessória ao evangelho, mais um ícone central, apontando para Cristo e sua Igreja:

    “Porque nunca ninguém odiou a sua própria carne; antes a alimenta e sustenta, como também o Senhor à igreja; Porque somos membros do seu corpo, da sua carne, e dos seus ossos.Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne. Grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja.” - Efésios 5:29-32

    É exatamente por isso que a Bíblia sempre fala da imoralidade sexual como tendo profundas consequências espirituais:

    “Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito. Fugi da fornicação. Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo;  mas o que fornica peca contra o seu próprio corpo. Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus.” - 1 Coríntios 6:17-20

    Algo que simplesmente não pode ser minimizado sem que leve o homem ao total exílio do reino de Deus: “Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus.” - 1 Coríntios 6:10


    Imoralidade sexual não é, como muitos, mesmo na “igreja”, gostariam que fosse e como o mundo diz que é -  uma questão de neurônios e química agindo descontroladamente. A visão bíblica, cristã, da realidade, significa que o corpo é um templo separado para ser morada do Espírito Santo. Não é que a imoralidade sexual seja apenas ruim para nós ( embora com certeza seja ), é também o ato de profanar um local sagrado e que deve expressar tudo o que isso representa.

    É por isso, que o primeiro concílio da igreja, o Concílio de Jerusalém, descrito em Atos, apesar de não colocarem o peso da lei cerimonial mosaica sobre os novos convertidos gentios, estabeleceu ( apesar da cultura totalmente pervertida sexualmente dos gentios ), que os irmãos e irmãs em Cristo devem fugir da imoralidade sexual: “Pelo contrário, devemos escrever a eles, dizendo-lhes que se abstenham de comida contaminada pelos ídolos, da imoralidade sexual...” - Atos 15:20

    O mundo dos gentios era um mundo de concubinas e prostitutas sagradas dos templos, pornografia pública, homossexualismo... naquela cultura, a ética sexual cristã era tão bizarra e contra-cultural, ou seja, no mundo Greco-romano do século I, como é hoje, na verdade, naquela época ainda era mais.


    Mas os apóstolos e a igreja não acomodaram as coisas, ou disseram que eles não deviam ter uma “obsessão” com a ética sexual e serem maleáveis. Eles mantiveram o padrão da Sã Palavra que nos foi revelada, porque qualquer outra coisa seria substituir o Rei Jesus pelos senhores da cultura, e pregar “paz, paz”, onde há uma guerra contra o Deus de toda a Verdade. Eles não podiam e não fariam isso, nem nós podemos.

    Um carpinteiro que é Deus, túmulos vazios, nascimento virginal... são coisas muito difíceis de acreditar. Fidelidade, castidade, casamento como Deus o define... são difíceis de viver. É por isso que o evangelho é sobrenatural e não natural. É exatamente por isso que Cristo não é um meio para onde queremos ir, ou um meio para onde nossa cultura quer ir. Ele é a voz de fora... é  a voz nos chamando para fora... é a voz nos chamando para o caminho da cruz.



    Essa é a próxima geração só serão alcançadas se forem alcançadas pela Verdade. Eles devem ouvir o chamado da Carpinteiro da Galiléia, Nazaré... através do chamado eficaz do Espírito: “Vem e segue-me!” Qualquer coisa menos do que isso saindo de nossas bocas, é apenas marketing para vendermos um produto que se mostrará um veneno mortal, eternamente mortal.