• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Amor ou Lei? Papo vazio!



    Amor ou Lei? Essa dicotomia é feita o tempo todo em nossa geração. Colocar o amor contra a lei como se fossem coisas mutuamente excludentes é um erro extremamente comum. Nós vivemos numa época de frases feitas, repetidas exaustivamente nas conversas pessoais, redes sociais... então você ouve: “Você quer ter uma religião de amor ou uma religião da lei?


    Todo essa conversa, apesar de ser tão comum, é completamente anti-bíblica. O amor, por exemplo, é uma ordem da lei: “Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças.” - Deuteronômio 6:5 – “Não te vingarás nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor.” - Levítico 19:18 – “Mestre, qual é o grande mandamento na lei? E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas.” - Mateus 22:36-40


    Quando falamos sobre o dever de amar (como a Bíblia define o amor e não a cultura), estamos expressando a lei. Então, como é óbvio, se você incute em sua mente que a lei não importa, o amor deve ser jogado fora, pois ele (sua verdadeira expressão) é o resumo da lei.


    Jesus, ao contrário do que é feito tão comumente em seu nome,  jamais diz algo parecido com – “você quer ter uma religião de amor ou uma religião da lei?” – Para Cristo não existe de forma nenhuma nenhum amor por ele além de mantê-la: “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele.” João 14:21 – “Se me amais, guardai os meus mandamentos.” - João 14:15


    Tudo isso é ligado, por Cristo, inexoravelmente a comunhão verdadeira que o homem tem com Ele e com o Pai – observar os seus mandamentos – quando O obedecemos, guardamos seus mandamentos, evidenciamos que o amamos. Quando o amamos fica evidente o amor do Pai por nós, e todos a quem o Pai ama, Cristo ama e se revela a eles: “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele.” - João 14:21  - É impossível definir “permanecer no amor de Jesus” – como algo separado ou além de guardar os mandamentos claros que dele fluem – “Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor.” - João 15:10 – Não há possibilidades, segundo Cristo, de alegria verdadeira, plenitude de alegria fora da busca por santidade: “Tenho-vos dito isto, para que o meu gozo permaneça em vós, e o vosso gozo seja completo.” - João 15:11


    A lei é uma expressão do que Ele é, uma expressão do seu caráter – é o plano de Deus para o seu povo santificado desfrutar de comunhão com Ele.


    Os Salmos estão cheios de declarações de amor e deleite profundo aos mandamentos de Deus – são expressões naturais do coração regenerado – “Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite.” – “Mais desejáveis são do que o ouro, sim, do que muito ouro fino; e mais doces do que o mel e o licor dos favos.” - Salmos 19:10



    Jamais tememos amar, meditar e repousar sobre a lei, jamais como um meio de merecer a justificação ou ser justificado, mas como expressão inexorável de ter sido justificado pela graça que há em Cristo e ter recebido por graça uma nova natureza. Por isso o apóstolo da Graça diz: “...vamos continuar no pecado para que a graça abunde" Romanos 6:1 – “Deus me livre!” – Diz Paulo: “De maneira nenhuma! Nós, os que morremos para o pecado, como podemos continuar vivendo nele?” Romanos 6:2  - Poderia ser mais claro?