• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Deus me livre!






    "Deus me livre", diz o grande apóstolo, "que eu jamais me glorie, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, por meio da qual o mundo foi crucificado para mim, e eu para o mundo”. Gálatas 6:14"

    Cada cristão verdadeiro tem experimentado o poder da cruz em crucificar o mundo. A grande característica do homem regenerado é que ele não é mais o que já foi um dia. “... se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que tudo se fez novo!” 2 Coríntios 5:17

    A mudança dos pensamentos, desejos que mudam do tempo para a eternidade é a evidência substancial de que houve uma nova criação de Deus pela qual o cristianismo vive nos corações dos homens, e sem a qual ninguém de fato está no Reino de Deus.

    O mundo que encanto o homem natural é visto como não digno de um olhar porque a cruz apresenta a luz verdadeira as coisas do tempo e do sentido.

    Mesmo os encantamentos que são lícitos em si mesmos, tem um defeito inerente, são temporais. O remédio que a cruz traz ao pecado, é um remédio para uma raça que está em extinção, mostrando  claramente que cada objeto dos sentidos são limitados pelo tempo, e que nenhuma qualidade nem excelência pode torná-los permanentes.

    É a flor que vai desvanecendo, a beleza infantil murchando a cada dia... Se a grandeza pudessem torná-los permanentes, os impérios não teriam desmoronado. Se o aprendizado, intelecto, sagacidade, fantasia... pudessem ter perpetuidade, porque logo os nomes são esquecidos, as volumosas obras perdidas em alguma prateleira... tudo aquilo que tinha enchido o mundo com sua fama.

    Os prazeres do pecado são para uma temporada apenas, a "moda deste mundo passa". Eles são sombras escuras que caem sobre o mundo quando visto a partir da cruz.

    Sob a perspectiva da cruz se pode ver tudo em um conflito perpétuo pelo o domínio da mente. O que “diverte” tende a dominar o coração. Luz e trevas, bem e mal, amargo e doce, são tão irreconciliáveis quanto Cristo e o mundo.

    Não estarão satisfeitos sem controlar todo o homem e, portanto, estão perpetuamente em guerra. Paulo diz “eu estou crucificado para o mundo, e o mundo para mim” – porque o homem ou é um cristão de todo o coração, ou um homem do mundo de todo coração.

    As realidades eternas tomadas ao pé da cruz, são vistas com entusiasmo e alegria. Nunca houve um erro mais do que notório que as opiniões fortes e firmes sobre as realidades do mundo eterno e da vida espiritual com sendo  sem alegria. Seria prova de que o homem assim não são o que aparentam ser, ou então uma indicação segura de que há algo de errado na mente que as contempla, onde elas secam as fontes de alegria. Cristãos infelizes existem, mas cristianismo infeliz jamais existiu. Não há espaço para a melancolia e depressão onde as realidades eternas formam as fontes de prazer.
    Essa nova realidade possui uma riqueza, uma variedade, uma beleza extrema capazes de produzir no homem regenerado, como diz Pedro, “alegria indizível e cheia de glória!”

    Não é fácil para o homem regenerado deixá-las de lado. Essa alegria indizível têm um lugar em todos os seus hábitos de pensamento, pois eles são o ar, a sua luz, o elemento em que ele respira, o próprio sangue da vida que aquece seu peito. Oh, essa alegria indizível são visões encantadas!

    Por isso é impossível que essa alegria indizível não exerça uma forte influência prática. Não há nenhuma parte do caráter do cristão que não seja afetado por ela. A cruz agora é o espelho que reflete a eternidade


    A cruz agora é que o ponto de visão. É aqui que o crente sente que em alguns anos, no máximo, talvez um dia breve, nada mais o separará desse mundo vasto que é invisível e eterno. Essa teia frágil e perecível da vida humana é partida facilmente e ele mergulhará na eterna segurança dos braços do Amado. Mas um passo, um fôlego, uma pulsação do coração e o finito será trocado pelo infinito.

    Nós precisamos, e só a cruz pode dar,  do poder do pensamento bem definido e indestrutível, que o que estamos vivendo agora é apenas o germe de uma existência imortal além-túmulo, que nosso ser presente é apenas o rudimento do que seremos daqui por diante. A partir da cruz, a vida e este mundo, que antes parecia um deserto, agora torna-se o pórtico e vestíbulo do "edifício de Deus", que " é casa feita por mãos eterna nos céus."


    A força apropriada e energia dessas várias considerações combinadas age sobre as mentes dos homens regenerados fixando-as além da região do tempo e do sentido – a qual a cruz da grande e definitivo testemunho.


    A nutrição do impulso e habitual primeira parte do caráter cristão, portanto, será encontrado na contemplação das realidades invisíveis que estão além do horizonte das coisas terrenas. Isto é tanto o ponto de partida quanto a meta, a princípio, o meio e o fim.

    É o "prêmio da soberana vocação," a marca para a qual o mais amadurecido na experiência de vida em Cristo pode olhar para trás, e que tanto os idosos quanto os jovens, como se ainda não tivessem atingido, podem igualmente olhar para frente. O olho da mente deve ver o que o olho do sentido não pode ver, o ouvido da alma deve ouvir vozes que nunca caem no exterior audição. E toda essa esperança produz dentro do homem regenerado uma conformidade a Deus e ao céu.

    Os prazeres fúteis terra não podem suportar a luz forte e constante de pensamentos e afetos, assim, concentrados na cruz. A mente que tem uma tendência para o céu, em vez de se deixar levar pelas ilusões que o olho do sentido joga sobre a pompa do mundo, torna-se disciplinado para o esforço de trazer este mundo em subserviência a um outro e melhor

    É impossível para o caráter cristão a tomar um tom elevado de firmeza e consistência, a menos que seja "ajustado pelas reivindicações da eternidade."

    Sem esse ajuste, não há cristão que não será trazido e conduzido sob a tirania de seus inimigos espirituais. Motivações inferiores podem impedi-lo de pecado ocasional,  dos pecados abertos e escandaloso, mas elas não vão impedi-lo de pecados que são menos odioso aos olhos do mundo, e os pecados que são secretos, muito menos eles vão induzi-lo a "abster-se de toda a aparência do mal ".


    Suas esperanças são mais triunfante, e sua piedade mais exemplar, porque ele "anda com Deus." Ele tem uma profunda simpatia e afetos com tudo o que é manso, humilde e amável, tudo o que é puro e verdadeiro, tudo o que é honesto, e de boa fama. Há um tom de sentimento moral, um elenco de personagem, um cuidado e uma franqueza, uma beleza e uma imponência, que encontram seu alimento apenas na contemplação do que é sobrenatural.


    Foi isso que fizeram os primeiros cristãos, homens de verdade, homens de oração, homens de Deus, os homens “de quem o mundo não era digno!”


    Diga então com Paulo: "Deus me livre, que eu jamais me glorie, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, por meio da qual o mundo foi crucificado para mim, e eu para o mundo”. Gálatas 6:14"