• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Um Oceano de Depressão!






    Nunca a Igreja se mostrou tão “capaz” de analisar as suas dificuldades, falar sobre elas... Os livros que saem das gráficas quase que diariamente, dão análise de especialistas e diagnóstico. Mas nunca há qualquer solução. Passamos o tempo todo dando voltas e voltas... raciocinando, compartilhando e conversando sobre nossas dificuldades, e isso tem um efeito paralisante. Perdoe-me por usar a seguinte história. É por causa do meu desejo de trazer claramente este ponto. Nunca vou esquecer um incidente que aconteceu em meu próprio ministério.


    Lembro-me de pregar em minha terra natal, no País de Gales, em um domingo no início da década de 1930. Eu estava pregando em uma casa de campo em uma tarde, e, em seguida, em um culto à noite. E quando eu terminei o serviço na parte da tarde e havia descido do púlpito, dois ministros vieram para mim. Eles tinham um pedido a fazer. Eles disseram: "Nós queremos saber se você pode nos fazer uma gentileza?"


    "Se eu posso," eu disse, "Ficarei muito feliz em ajudar."


    "Bem", eles disseram, "nós pensamos que você possa. Há um caso trágico. É o caso do nosso professor local. Ele é um homem muito bom, e ele era um dos melhores obreiros da igreja no distrito. Mas ele entrou em uma condição muito triste. Ele desistiu de toda a sua obra na igreja. Ele mal consegue continuar dando aulas como professor na escola em que trabalha. Mas, para a vida da igreja e sua atividade, ele se tornou mais ou menos inútil. "


    "Qual é o problema com ele?", Perguntei.


    "Bem", eles disseram, "ele está numa condição de grande depressão. Queixa-se de dores de cabeça, e dores no estômago, e dores sem fim... tristeza..., e assim por diante. Poderias velo?”


    E eu prometi que o faria. Então, depois que eu tive o meu chá, este homem, o professor, veio para me ver. Eu disse a ele: "Bem, você está profundamente deprimido." Ele era como os homens na estrada de Emaús. Um olhar para este homem me contou tudo sobre ele. Via o rosto típico e atitude de um homem que está deprimido e desanimado. Eu disse: "Agora, diga-me, qual é o problema?"


    "Bem", ele disse, "Eu tenho essas dores de cabeça. Eu nunca estou livre delas. Eu acordei, por exemplo, assim esta da manhã, e eu não consigo dormir muito bem." Ele acrescentou que ele também sofria de dores gástricas, e assim por diante.


    "Diga-me", eu disse, "há quanto tempo você está assim?"


    "Oh," ele disse, "isso vem acontecendo há anos. Para ser exata, vem acontecendo desde 1915."


    "Estou interessado em ouvir sobre isso, teu problema", eu disse. "Como isso começou?"


    Ele disse: "Bem, quando a guerra começou em 1914, eu me ofereci e me alistei muito cedo e fui para a Marinha. Eventualmente, fui transferido para um submarino, que foi enviado para o Mediterrâneo. O submarino onde eu servia estava envolvido na campanha de Gallipoli. Eu estava lá neste submarino no Mediterrâneo durante esta campanha. E uma tarde estávamos envolvidos em uma ação. Fomos submerso no mar, e lá estávamos nós, todos empenhados em nossos deveres, quando de repente houve um  terrível baque e nosso submarino tremeu. Nós tínhamos sido atingido por uma mina e  fomos para o fundo do Mediterrâneo. Você sabe, desde então, eu nunca mais fui o mesmo homem. "


    "Bem, ok", eu disse, "Mas, por favor diga-me o resto de sua história. "


    "Mas", disse ele, "não há nada mais a dizer. Eu só estou dizendo que é assim que eu estou desde que isso me aconteceu no Mediterrâneo."


    "Mas, meu caro amigo," eu disse, "Eu realmente estaria interessado em saber o resto da história."


    "Mas eu já contei toda a história."


    Isso continuou por um tempo considerável. Era parte de meu tratamento. Eu disse novamente: "Agora eu realmente gostaria de saber a história toda. Comece pelo começo de novo. "E ele me contou como ele havia se voluntariado, ingressou na Marinha, foi enviada para um submarino, que foi para o Mediterrâneo, e tudo estava bem até a tarde em que eles estavam envolvidos na ação, o baque repentino e o tremor. "Afundamos, fomos para o fundo do Mediterrâneo. E eu tenho sido assim desde então."


    Mais uma vez eu disse: "Diga-me o resto da história."  Eu estou contente que você esteja rindo, porque você está realmente rindo de si mesmo, como vou lhe mostrar.  Mais tarde eu disse: "Vamos repassar tudo de novo". E eu o levei de novo passo a passo. Chegamos de novo ao dramático  baque, o tremor do submarino...


    "Afundamos e fomos para o fundo do Mediterrâneo."

    "Vá em frente!", eu disse.

    "Não há nada mais a ser dito."

    Eu disse: "Você ainda está no fundo do Mediterrâneo?"



    Martyn Lloyd-Jones “Setting Our Affections upon Glory: Nine Sermons on the Gospel and the Church”