• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    O som de seu canto era justo e terrível!





    Se não entendermos que a vida é uma guerra, então a oração intensa só será constante quando aflições específicas nos atingirem. Esse tem sido o padrão baixo e triste da grande maioria dos que se dizem cristãos.

    Mas toda nossa vida deve ser vivida no complexo campo de batalha onde o sofrimento é inevitável – “Sofre, pois, comigo, as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo.” - 2 Timóteo 2:3 – A igreja não existe de forma nenhuma para tornar a vida mais confortável. A igreja existe para te preparar para ser essa espécie de soldado descrito por Paulo, que tudo sofre por amor a Cristo. Porque estamos no mundo para lutar por Cristo... proclamar a Verdade, expressar Sua glória.

    A uma passagem em O Senhor dos Anéis, quando o exército de Rohan vai para a batalha contra os Orcs de Mordor:

    “Pela manhã soprou um vento vindo do mar e a escuridão foi removida, e as hostes de Mordor lamentaram e o terror tomou conta deles, e eles fugiram, e foram mortos, e os cascos da ira passaram sobre eles. E então todo o exército de Rohan começou a cantar, e cantavam como mataram... pois a alegria da batalha estava neles, e o som de seu canto era justo e terrível”

    “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé.” - 2 Timóteo 4:7

    “Sofre, pois, comigo, as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo.” - 2 Timóteo 2:3

    Essa deve ser nossa vida, mas temos que admitir que naturalmente não somos como os valorosos cavaleiros de Rohan. Somos naturalmente fracos. Nem sempre tão nobres, nem sempre tão leais... Mas Paulo nos desperta em 2 Timóteo 2 para o que está de fato em jogo em nossas vidas e nos oferece uma fonte inesgotável de força e torna para cada um de nós a oração uma prioridade urgente.


    Paulo mostra em 2 Timóteo 2 a dura realidade. Ele diz que a vida não é fácil, o ministério não é fácil, a igreja não é fácil, o mundo é terrível... Viver neste mundo proclamando a Verdade do Evangelho da graça, proclamando um Deus Santo, justo, que do “céu manifesta sua ira sobre toda a impiedade dos homens...” – é difícil. Mas temos que ter um espírito guiado por Deus ao ponto de podermos “cantar” como os cavaleiros de Rohan – “...pois a alegria da batalha estava neles, e o som de seu canto era justo e terrível”- Conhecemos um canto assim enquanto sofremos como bons soldados de Cristo?


    2 Timóteo é o canto do cisne do apóstolo Paulo. Ele está morrendo... chegando ao fim do combate... ele o chama de bom – Ele fala aqui sobre “sofrimento” no verso 3, “trabalhador” – no verso 6 – “sofrimento” no verso 9, “suportar” no verso 10, “obreiro” no verso 15, “trabalho” no verso 21, “adversários” no verso 25.... É exatamente por isso que Paulo começa o verso 1 dizendo: “...fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus.” - 2 Timóteo 2:1 – Precisamos de uma força que vai muito além de nós mesmos, e a encontramos na graça que está em Cristo. Que está disponível a nós não para uma luta pessoal, por interesses pessoais... mas para ouvirmos o chamado com coragem: “Sofre, pois, comigo, as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo.” - 2 Timóteo 2:3


    Naqueles dias, diz Paulo ( 2 Timóteo 1 ) –  a MAIORIA dos cristãos o abandonaram quando ele foi posto na prisão (v.15). Eles viram a dor chegando, eles viram as implicações que tudo aquilo teria para eles, para suas famílias... e aquele não era o cristianismo que eles esperavam, mas devemos lembrar que aquele é o único cristianismo que existe – quem dera eles cantassem como os cavaleiros de Rohan – “...pois a alegria da batalha estava neles, e o som de seu canto era justo e terrível”


    Mas podemos ver uma bela exceção em um homem cheio da graça e da coragem que dela flui, chamado Onesíforo e toda a sua família. Agora Paulo diz a Timóteo, que era apenas um jovem: “Você precisa de coragem também. Isso não vai ser fácil. E é aqui que você encontrará força infinita para que a “alegria da batalha” esteja em você: “Na graça que há em Cristo Jesus” – Eis a fonte de onde toda força necessária flui.


    Sem isso a inconstância será o teu nome! Willian Gurnall ( 1616 - 1679  ) diz sobre alguém assim:

    “Nós conhecemos muitas pessoas que se juntaram ao exército de Cristo e gostaram de ser um soldado por uma batalha ou duas, mas logo tiveram o suficiente e acabaram desertando. 

    Há momentos em que um santo é chamado a confiar em um Deus que se retira (parecendo ficar apenas sofrimento).  “Quando andar em trevas, e não tiver luz nenhuma, confie no nome do SENHOR, e firme-se sobre o seu Deus.” - Isaías 50:10.

    Isso requer um passo corajoso de fé para se aventurar na presença de Deus com a mesma ousadia como Ester foi diante de Assuero. Mesmo quando não podemos ver que haja um sorriso iluminando seu rosto, sua face... quando não vemos o cetro de ouro estendido para nós chamando para nos aproximarmos, temos de avançar então com esta nobre resolução:  "Se eu perecer, pereci" - Ester 4:16.
    O que leva a nossa fé um passo além: Devemos confiar também quando parece que “Deus nos mata!” – devemos em meio a batalha declarar como Jó: "Ainda que ele me mate, ainda assim eu confio nele" - Jó 13:15
    É preciso uma fé submissa para uma alma marchar firmemente para a frente enquanto Deus parece disparar contra aquela alma e atirar suas carrancas como flechas envenenadas contra ele. Este é um trabalho duro e vai testar a coragem do cristão. No entanto, este é o espírito que encontramos na pobre mulher cananéia, que pegou as balas que Cristo “disparou” contra ela, e com uma ousadia humilde enviou-as de volta em sua oração: “...Então chegou ela, e adorou-o, dizendo: Senhor, socorre-me! Ele, porém, respondendo, disse: Não é bom pegar no pão dos filhos e deitá-lo aos cachorrinhos. E ela disse: Sim, Senhor, mas também os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus senhores. Então respondeu Jesus, e disse-lhe: O mulher, grande é a tua fé! Seja isso feito para contigo como tu desejas. E desde aquela hora a sua filha ficou sã.” -  Mateus 15:25-28
    Seu trabalho e sua vida tem que ficar, permanecer e ir para fora do palco juntos. Persistindo até o fim  sob tua sela mesmo com um espinho na sua carne, quando a estrada parece interminável e sua alma pede uma baixa precoce. Você já devia ter pesado  todas as  dificuldades envolvidas na tua vocação desde o início... sabendo que o chamado é para sofrer como um bom soldado.
    Nós conhecemos muitas pessoas que se juntaram ao exército de Cristo e gostaram de ser um soldado por uma batalha ou duas, mas logo acharam que já tinham tido o suficiente e acabaram desertando. Eles impulsivamente se alistaram para deveres cristãos, e facilmente foram persuadidos a assumir uma profissão de fé, e então, facilmente foram também persuadidos a jogar tudo fora. Como a lua nova, eles brilharam um pouco na primeira parte da noite, mas sumiram antes que a noite acabasse.

    Deixar de abraçar a cruz – “sofrendo como um bom soldado”, deixar de orar sempre. Deixar de estar com toda a armadura de Deus. Deixar de nos saciar todo o tempo em Cristo... tira a alegria da batalha, nos enchendo de vergonha ao fugir por sempre termos estado na verdade centrados em nós mesmos.”


    Paulo diz: “Tu, pois, meu filho, fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus.” - 2 Timóteo 2:1 – Eis porque a oração não é algo para dias de aflições especiais e inesperadas... a oração deve ser constante porque a vida é uma guerra. Toda força que vem de dentro de nós é frágil e sequer pode ser chamada força. Mas há outro tipo de força: “...fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus.” - 2 Timóteo 2:1

    Veremos então os inimigos agirem como os orcs de Mordor diante dos Cavaleiros de Rohan e como os cavaleiros cantaremos:

    Pela manhã soprou um vento vindo do mar e a escuridão foi removida, e as hostes de Mordor lamentaram e o terror tomou conta deles, e eles fugiram, e foram mortos, e os cascos da ira passaram sobre eles. E então todo o exército de Rohan começou a cantar, e cantavam como mataram... pois a alegria da batalha estava neles, e o som de seu canto era justo e terrível”

    Josemar Bessa