• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Fidelidade não basta!






    Fidelidade a Cristo, como a fidelidade a seu esposo ( ou esposa ), não é suficiente de forma alguma para se estar numa relação que Deus determinou na eternidade da igreja com o Seu Filho amado.


    É óbvio que seu esposo quer sua fidelidade, isso é básico, sem isso nada mais pode estar certo. Mas o cônjuge que o seu amor pleno, quer ter todo o seu coração.


    Essa é realmente a questão para nós. Você pode defender a verdade como um apologeta... você pode estar comprometido com a fidelidade em obediência... mas a questão é uma questão de coração. Você ama o Senhor Jesus Cristo com todo o seu coração alma, mente, força?... Foi o que Ele disse: “Se você me ama, você guardará os meus mandamentos...” – A obediência, a fidelidade deve ser fruto do amor. “Se você me ama irá guardar a minha Palavra... se você me ama apascenta as minhas ovelhas...”


    Essa é a questão. É o problema do coração na vida cristã. É sobre amar a Cristo. Jesus quer todo o seu afeto verdadeiro e não apenas obediência. Isso torna toda a obediência, mesmo a mais sacrificial uma alegria: “Servi ao SENHOR com alegria...” - Salmos 100:2, servir não basta.


    O Cristo ressuscitado tinha “isso contra a igreja doutrinariamente fiel em Éfeso” – Eles tinham “abandonado” o seu amor por Ele. ( Apocalipse 2.4). Os crentes em Éfeso foram pegos nessa posição embaraçosa de defenderem a verdade, de ser fiel Jesus, mas não amá-lo como Ele deve ser amado. Saber que nossa esposa é fiel mas não nos ama, que é fiel mas seu coração é de outro, em nada faz do relacionamento algo verdadeiro. Cristo quer o amor completo de sua noiva.


    E assim, a pergunta certa para todos nós hoje é, qual é a condição de nosso amor a Cristo agora mesmo, neste instante? Em João 16:27 , Jesus disse: "O próprio Pai vos ama, porque vós me amastes."  


    Isso mesmo. Você ama Cristo (nos termos que a Bíblia definiu esse amor), Deus ama você.

    Francis Schaeffer, um dos melhores filósofos cristãos do século XX, chamou os cristãos para muito mais do que apenas ter um grande intelecto na visão da verdade cristã, mas amar a Cristo como a Bíblia o define.

    Ele diz: 

    “Devemos perguntar – será que eu devo apenas lutar por fidelidade doutrinária...? Isso é como uma esposa que nunca dorme com qualquer outra pessoa, mas nunca demonstra verdadeiro amor por seu próprio marido. Essa é uma verdadeira relação num casamento? Não, mil vezes não! No entanto, se eu sou cristão que falo e ajo com fidelidade doutrinária, mas não mostro amor intenso e profundo ao meu esposo divino, eu estou no mesmo lugar desta esposa. O que Deus quer de nós não é apenas fidelidade doutrinária ( fidelidade é essencial ), mas o nosso verdadeiro amor dia após dia.


    Nós devemos ser a noiva totalmente cheia de amor profundo na realidade e na prática no dia a dia, no meio do adultério espiritual tão comum em nossos dias. O nosso chamado não é apenas para sermos fiéis em tudo, mas para também sermos uma noiva cheia de amor”.


    Como eu disse antes, Você ama Cristo (nos termos que a Bíblia definiu esse amor), Deus ama você. Na verdade isso é básico para experimentar o amor de Deus. Ouça João 14.21:


    Na verdade, isso é básico para experimentar o amor de Deus. Ouça João 14:21 : "Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama, e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei." Fidelidade e amor, amor e fidelidade estão entranhados na verdadeira relação com Cristo. É uma fidelidade que flui de um amor arrebatador, e um amor arrebatador que sempre manifesta fidelidade.


    Você ama a Cristo? Você guarda os seus mandamentos? Você mantém a sua palavra? E porque você ama a Cristo, o Pai o ama. Isto é o que a vida cristã.

    É viver a vida de fidelidade a verdade e obediência, literalmente porque você está atraído implacavelmente pela beleza, glória e majestade de Cristo.


    É sempre ir a Bíblia procurando não por si mesmo, solução para seus problemas, direção simplesmente para isso e para aquilo... é sempre ir a Bíblia procurando Cristo. Procure-o nas Escrituras, não vá as Escrituras procurando material para os seus debates... Cristo disse: “Elas testificam de mim...”


    Por que pregamos? Por causa dEle! Por causa da glória de Sua pessoa. Qual é o tema de nossa pregação? É Cristo e mais nada. Não é o homem, sua grandeza, necessidade... Pregamos não por causa de uma coisa, ou pessoas... mas de uma Pessoa. Cristo, a pessoa, o homem  (Deus) mais atraente que já viveu neste mundo caído. O mais magnífico. O mais glorioso. O mais maravilhoso.

    Em meio a terríveis sofrimentos de um povo, Pedro pode dizer de uma igreja verdadeira: "A quem, não havendo visto, amais; no qual, não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria indizível e cheia de glória." (1Ped. 1:8).

    Jonathan Edwards diz:

    (i) - Amor por Cristo. "A quem, não havendo visto, amais." Os que não eram cristãos maravilhavam-se da prontidão dos cristãos em se expor a tais sofrimentos, renunciando às alegrias e confortos deste mundo. Para seus vizinhos incrédulos, estes cristãos pareciam loucos; pareciam agir como se detestassem a si mesmos. Os incrédulos não viam nenhuma fonte de inspiração para tal sofrimento. De fato, os cristãos não viam coisa alguma com seus olhos físicos. Amavam alguém a quem não podiam ver! Amavam a Jesus Cristo, pois viam-nO espiritualmente, mesmo sem poder vê-lO fisicamente.


    (ii) - Alegria em Cristo. Embora seu sofrimento exterior fosse terrível, suas alegrias espirituais internas eram maiores que seus sofrimentos. Essas alegrias os fortaleciam, possibilitando que sofressem alegremente.


    A vida cristã é sobre um amor arrebatador a Cristo. E a pergunta certa a se fazer hoje é  - qual o estado do meu amor por Cristo? Agora eu não estou perguntando apenas a respeito de sua doutrina, falando sobre sua ortodoxia. Ou que olhe seu ministério, serviço, missão ou mundo perdido...  A pergunta não é simplesmente sobre isso... qual é a condição do seu amor por Cristo?
    É ir muito além da defesa e debates sobre a Verdade – mas poder dizer diante do Pai com verdade: “E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo, E seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo...” - Filipenses 3:8-9

    Nós somos a noive (esposa) – e o esposo que mais, muito mais que fidelidade (que é essencial), Ele quer TODO o nosso amor arrebatado por Sua beleza infinita e transcendente.