• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Duvidar é algo nobre, humilde e intelectualmente honesto?



    Como é comum ver “pregadores” exaltando a dúvida como uma espécie de humildade e meio de se conectar com o mundo e a cultura que nos cerca. Quão grande é o desastre desencadeado pela dúvida e descrença desenfreada em homens que se dizem cristãos, mas estão ansiosos por respeitabilidade acadêmica e “relevância” cultural. Hoje podemos ver o resultado crescente disso. A tragédia de um “evangelho” que exalta a dúvida.


    Apesar de estarem a “sombra” da Reforma, muitos teólogos protestantes alemães ( Já no final do século XVIII ) abandonaram as reivindicações da verdade histórica do cristianismo bíblico devido à popularidade crescente do racionalismo iluminista. Ao fazer isso, eles naufragaram suas próprias almas. Mas não fizeram isso sozinhos,  ao mesmo tempo eles devastaram a fé de milhões de outros.


    A alta crítica de Johann Eichhorn e David Strauss, por exemplo,  negou verdades essenciais da Palavra de Deus. Na "busca para encontrar o Jesus histórico," eles criaram um "Jesus" de sua própria imaginação - essencialmente reduzindo-o a um cara legal, voltado para o social, reconstrução da vida em sociedade... e que foi tremendamente mal compreendido pelo judaísmo do primeiro século.


    Teólogos liberais, de Friedrich Schleiermacher a Albrecht Ritschl, igualmente desmentiram afirmações da verdade bíblica absoluta. Eles olharam para um novo fundamento sobre o qual pudessem basear a sua versão artificial do cristianismo. Alguns acharam que seria na experiência pessoal do romantismo, outros na ética moral do evangelho social... Mas, negando doutrinas centrais, o liberalismo negou a essência da mensagem do Evangelho. Como Richard Niebuhr explicou – somando-se a falência da teologia liberal nós ficamos com um...

    "Deus sem ira
    que trouxe homens sem pecado,
    para um reino sem julgamento,
    por meio das ministrações de um Cristo sem a cruz"


    Que lições podemos aprender da catástrofe do liberalismo teológico que continua como um câncer a corroer tantos e tantos? Que lições podemos aprender com os teólogos liberais alemães e a alta crítica?


    Em primeiro lugar, que jamais o caminho para alcançar os céticos com o evangelho será diluir o evangelho bíblico. Muitos teólogos liberais ( como continua acontecendo hoje ), achavam que poderiam tornar o cristianismo mais atraente e relevante para os racionalistas do Iluminismo se abandonassem a autenticidade história do texto bíblico, e se pudessem redefinir o evangelho como algo diferente de salvação do pecado, de um Deus irado, de julgamento, da ofensa da cruz, da culpa... ( tornando o evangelho menos ofensivo para as mentes modernas...). Ao fazerem isso, eles estavam destruindo o evangelho que eles diziam estar tentando preservar.


    Em segundo lugar, vemos que toda a Verdade bíblica pode ser perdida em apenas uma geração – como isso devastou a Europa! – Podemos perder toda a verdade bíblica muito rapidamente. A maioria dos famosos teólogos liberais alemães eram filhos de pastores ortodoxos. O fato de abandonarem a fé de seus pais é trágico... todos nós devemos nos certificar de que estamos realmente pastoreando nossos filhos e famílias de maneira sistemática na Palavra de Deus... ou, facilmente nossos filhos podem ser aqueles que em vez de serem uma benção, serão o instrumento de destruição do evangelho na geração deles.


    Em terceiro lugar, devemos ver que o liberalismo teológico não é apenas uma forma divergente de cristianismo – na realidade, é uma religião completamente nova. Se verdades essenciais do evangelho são negadas, não temos mais evangelho, ainda que insistam em chamá-lo assim.


    Em quarto lugar, os liberais do passado, como os de hoje, homenagearam e elevaram o duvidar como sendo algo nobre e intelectualmente honesto. Na realidade, duvidar da Palavra de Deus é um pecado hediondo. É o pecado que Satanás promove desde o Jardim de Éden – “Foi assim que Deus disse?” – Duvidar da Palavra de Deus não é humildade intelectual, é fazer Deus mentiroso. É rejeitar o verdadeiro evangelho e trocá-lo por um de sua própria imaginação. Como Agostinho disse ao herege Fausto: “Você poderia dizer claramente que não crê no Evangelho de Cristo. Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você crê, mas, sim, em si mesmo. (Contra Fausto , 17,3)


    Em quinto lugar o Liberalismo teológico nos ensina que as ideias têm consequências, e que as más ideias têm consequências trágicas. Milhões de pessoas nos últimos séculos (a partir do final do século XVIII), foram tragicamente desviadas através da influência dos teólogos liberais e da alta crítica. A advertência de Tiago 3:1 certamente aparece como um grande alerta ao cometermos a loucura de espalharmos teorias e não a pura teologia bíblica: “Meus irmãos, muitos de vós não sejam mestres, sabendo que receberemos mais duro juízo.” - Tiago 3:1- O que ensinamos tem consequências, e todas as consequências são nossa responsabilidade... esses teólogos liberais já morreram há muito tempo... mas a culpa deles continua “aumentando”, pois suas ideias destruidoras continuam operando.


    Em sexto lugar, podemos ver que o evangelho meramente social dos liberais ainda está vivo ( e com cada vez mais força ) entre muitos que se dizem protestantes hoje. O ceticismo da alta crítica cresce tanto dentro do mundo acadêmico, como nas igrejas. Verdadeiros pastores precisam estar prontos para enfrentar esses erros com a verdade bíblica. Ensinar a Verdade bíblica e refutar o erro é nossa obrigação: “...e apegue-se firmemente à mensagem fiel, da maneira como foi ensinada, para que seja capaz de encorajar outros pela sã doutrina e de refutar os que se opõem a ela.” - Tito 1:9


    Em sétimo lugar, devemos enxergar que todo culto a dúvida, toda tentativa de disfarçá-la como algo humilde... na verdade é construída sobre a noção de que a sabedoria do homem supera a sabedoria revelada de Deus. Isso é a arrogância levada ao extremo máximo – mas diabolicamente hoje é disfarçada como humildade. O que não é surpreendente, já que o próprio apóstolo Paulo observou que a sabedoria de Deus parece loucura para a mente natural, escravizada e amante do pecado: “Pois a mensagem da cruz é loucura para os que estão perecendo, mas para nós, que estamos sendo salvos, é o poder de Deus. Pois está escrito: "Destruirei a sabedoria dos sábios e rejeitarei a inteligência dos inteligentes". Onde está o sábio? Onde está o erudito? Onde está o questionador desta era? Acaso não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo?” - 1 Coríntios 1:18-20


    Devemos nos precaver totalmente contra a tentação do louvor e do desejo da honra que vem da cultura e a cobiça do louvor acadêmico... Para sermos fiéis ao Evangelho, nós necessariamente seremos colocados como fora da moda em qualquer época e geração. Fora de sintonia com os líderes pensadores filosóficos em todos os tempos... Se devemos evitar o anti-intelectualismo por um lado, por outro, devemos estar livres do fascínio de tudo que é popular na cultura e na comunidade acadêmica secular.