• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Só o aspecto negativo da depravação humana é insuficiente.



    O apóstolo Paulo ensina que todos os homens nascem “mortos em seus delitos e pecados”. Mas essa não é a única designação usada para o homem natural, pois ela apesar de poderosa – já que poucas coisas são mais definitivas e poderosas que a morte – ainda assim não expressa tudo o que o homem natural é em sua ruína, pois isso passa apenas uma ideia passiva, morte... o que um morto faz? Portanto só o aspecto negativo da depravação humana é insuficiente, o homem não é apenas, como muitos gostariam de enfatizar, uma vítima da morte. Então Paulo fala sobre algo positivo, esses mortos são muito ativos, por isso ele os chama de “filhos da desobediência!”


    segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência.” -  Efésios 2:2 – “Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência.” -  Efésios 5.6 – “Pelas quais coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência;” -  Colossenses 3:6. O homem natural é ativo contra Deus.


    “Filhos da desobediência” – Esse é o caráter dos que estão “mortos em seus delitos e pecados” – morto fala de algo negativo, da impossibilidade de fazer qualquer coisa na esfera espiritual que agrade a Deus, ou  ter qualquer desejo em relação ao Deus verdadeiro. Mas “filhos da desobediência” é algo positivo, ativo. Ou seja, sua morte consiste e implica na ausência total de tudo em que consiste a vida de Deus, mas a desobediência implica num princípio ativo no homem natural em oposição total a vontade e a Palavra de Deus.


    “Filhos da desobediência” – o homem está sob a autoridade e o poder da desobediência de tal forma como dela tivesse nascido e obtido seu próprio ser. Submetendo-se a todas as reivindicações e demandas como se esta fosse sua mãe ou pai.


    Paulo está usando uma linguagem comum do Velho Testamento, na qual essa figura é comum, investir objetos com qualidades pessoais. A expressão “filhos da ira” aparece igualmente, pelo  que podemos entender, como aqueles que são filhos da morte são aqueles sobre os quais a morte reina sem obstrução, então a ira também reinará sobre eles. “Filhos da desobediência” então, são aqueles que tão completamente e totalmente sob o seu poder e domínio que não pode fazer nada, mas desobedecer: “Quem é dominado pela carne não pode agradar a Deus.” - Romanos 8:8.


    Há algo que opera incessantemente nos “filhos da desobediência”. Satanás tem neles um terreno em que ele pode trabalhar. Se encontram prontos e totalmente preparados para cair em todas as suas sugestões, agir sub sua influência predominante: “...do espírito que agora opera nos filhos da desobediência.” -  Efésios 2:2. Ele respira sobre eles sua inimizade própria, rebelião, orgulho e malícia desesperada contra Deus e tudo  o que Deus é... Quanto mais algo exalta Deus, mas virulenta é a mente do homem contra isso – Fale sobre a soberania de Deus, Seu direito de determinar todas as coisas... e mesmo dentro da igreja visível você sentirá todo o ressentimento que essas verdades produzem... paixão raivosa...


    Satanás trabalha de forma direta e indireta nos “filhos da desobediência” – respira sobre eles seus próprios pecados especiais como orgulho, inimizade contra Deus, malícia... mas ele trabalha indiretamente apresentando a mente corrompida da homem as tentações carnais, de coisas que ele mesmo não é capaz de fazer nem o atrai pessoalmente. Coisa que são compreendidas nas palavras de João: “a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida”.


    Ele não tem carne para satisfazer, nenhum olho carnal para agradar, nem o orgulho do status humano. Mas tudo isso é presente no ser humano “morto em delitos e pecados”, e positivamente “filho da desobediência”. Então há mentes completamente na escuridão e corações endurecidos que lhe dão prevalência e poder.


    Judicialmente Deus então “entregou” os “filhos da desobediência” – “Por isso Deus os entregou à impureza sexual, segundo os desejos pecaminosos dos seus corações, para a degradação dos seus corpos entre si” - Romanos 1:24 – Entregues a escuridão amada: “O deus desta era cegou o entendimento dos descrentes, para que não vejam a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.” - 2 Coríntios 4:4


    Salvação é ser tirado disso por um poder soberano e por graça imerecida – como o homem poderia sequer desejar algo diferente? E todos os  salvos estavam nesta condição de morte (negativa) e desobediência desafiadora (ativa). Na escuridão, amando a escuridão...

    Guiados pela carne, por seus desejos... “Entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também.” - Efésios 2:3

    Paulo está ampliando, ao descrever nossa condição anterior, as riquezas da graça – como alguém diante dos fatos pode falar ou pensar sobre qualquer homem que possa ser digno da graça ou que mereça de Deus qualquer coisa? Não estávamos mortos em delitos e éramos filhos da desobediência, como ativamente andávamos nas concupiscências que diariamente desafiavam Deus ao realizar todo o tempo os imperativos dos desejos sensuais que estavam conectados a nossa morte espiritual.


    Paulo quer que os redimidos vejam a graça como graça – diferente do que tem sido visto hoje mesmo em muito dos que se dizem cristãos, que ao diminuir a condição na qual o homem natural se encontra, vê o homem como merecedor de algo de Deus e o faz recuar diante da graça livre de Deus que nada deve aos homens.


    Com isso Paulo quer mostrar também o grande abismo, a grande diferença entre o homem redimido e o homem em seu estado natural de depravação. Ele deseja enfatizar a diferença entre os eleitos e os não-eleitos. Antes ambos estavam mortos, igualmente eram filhos da desobediência, igualmente andando segundo o curso deste mundo... ambos sob a influência daquele que opera nos filhos da desobediência...  A regeneração não é uma pequena reforma e melhora daquilo que o homem natural era, mas sim a mais completa transformação nas fontes do ser do homem, que são recriados em Cristo.


    Como a obediência e santidade deixaria de ser o caminho de todos os que de fato estão em Cristo? Agora não são mais filhos da desobediência – como andariam nela? Agora estão vivos, como viveriam como mortos para Deus e em sincronia com a cultura de homens mortos? Agora opera neles o Espírito Santo! Como poderiam viver como aqueles nos quais opera o “príncipe deste mundo”?


    Nos que estão de fato em Cristo, isso ficou no passado: “Entre os quais TODOS nós também ANTES andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos;” - Efésios 2:3 – Isso é conversão! Graça que não operou isto é graça barata e espúria.