• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Depressão espiritual – John Stott (1921-2011)





    Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Ponha a sua esperança em Deus!
    SALMO 42.5


    A depressão parece ser uma condição bastante comum entre os cristãos. Não me refiro à depressão clínica, que pode necessitar de psicoterapia especializada, mas à depressão espiritual, com a qual deveríamos ser capazes de lidar por nós mesmos.


    O autor dos salmos 42 e 43 (que evidentemente formam um único salmo) é claro acerca de sua depressão. Para começar, ele está com sede de Deus (tão sedento quanto a corça pelas águas), porque está separado dele, passando por algum tipo de exílio forçado. Ele lembra das grandes celebrações do passado, quando "entrava para apresentar-se a Deus" (42.2), e anseia por retornar "ao altar de Deus", fonte de sua plena alegria (43.4).


    Sua depressão se deve, no entanto, não somente à ausência de Deus, mas também à presença dos inimigos. Eles o provocam perguntando: "Onde está o seu Deus?" (42.3, 10). Eles fizeram essa pergunta em parte porque eram idolatras — seus deuses podiam ser vistos e tocados, enquanto o "Deus vivo" (42.2) é invisível e intangível — e em parte porque Deus aparentemente não era capaz de defender seu povo.


    Cada estrofe termina com o mesmo refrão (42.5,11; 43.5), no qual o salmista fala com sua própria alma. As pessoas costumam dizer que falar sozinho é o primeiro sinal de loucura. Ao contrário, trata-se de um sinal de maturi¬dade — embora dependa daquilo que estamos conversando conosco mesmos! No texto o salmista se recusa a resignar-se à sua condição ou ao seu estado de espírito. Ele toma as rédeas de sua vida.


    Primeiramente, ele se questiona: "Por que você está assim tão triste, ó minha alma?" Sua pergunta inclui uma repreensão implícita. Em seguida, ele exorta a si mesmo: "Ponha a sua esperança em Deus!". Somente Deus é digno de nossa confiança. Por fim, ele diz a si mesmo: "Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus". O uso duplo do pronome possessivo, "meu Salvador e meu Deus", é muito significativo. O salmista está reafirmando sua relação de aliança com Deus, e nenhuma variação de humor pode destruir isso.


    Para saber mais: Salmo 42.1-11