• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    O Homem natural é Incapaz de ir a Cristo – J. C. Ryle (1816-1900)





    Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia.
    Está escrito nos profetas: E serão todos ensinados por Deus. Portanto, todo aquele que do Pai ouviu e aprendeu vem a mim.

    João 6:44-45


    Aprendemos nesses versículos, a falta de capacidade e poder do homem natural para arrepender-se ou crer. Encontramos aqui o Senhor Jesus dizendo: "Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer". Enquanto o coração não for atraído pela graça de Deus, o homem não poderá crer.

    A solene verdade contida nessas palavras deve ser considerada com especial atenção. É inútil contestar que sem a graça de Deus alguém pode se tomar um cristão verdadeiro. Estamos espiritualmente mortos e não temos qualquer capacidade para dar vida a nós mesmos. Precisamos que uma nova vida seja implantada em nós, vinda do alto. Os fatos comprovam, e os pregadores o reconhecem. O décimo artigo da Igreja Anglicana declara expressamente: "Após a queda de Adão, a condição do homem é tal que, por sua força natural e boas obras, não pode mudar sua condição e preparar-se para crer ou clamar por Deus". Esse testemunho é verdadeiro.

    Mas, afinal de contas, em que consiste essa incapacidade do homem? Em que parte de nossa natureza interior está a deficiência? Esse é um ponto sobre o qual surgem muitos erros. De uma vez por todas, lembremos que a vontade do homem é a parte onde se encontra a incapacidade. Sua falta de capacidade não é física, e sim moral. Não seria verdadeiro afirmar que o homem tem um desejo sincero e uma vontade autêntica de vir a Cristo, mas não possui forças para isso. Seria mais verdadeiro dizer que o homem não tem poder para vir a Cristo porque não tem desejo ou vontade de fazer isso. Não é verdade que ele desejaria vir a Deus, se pudesse. O correto é declarar que ele viria a Deus, se o desejasse. A vontade cor-rompida, as inclinações secretas e a necessidade do coração são as ver¬dadeiras causas da incredulidade. É nesse aspecto que reside o engano. A capacidade que necessitamos é, na verdade, uma nova vontade. É exatamente nesse ponto que precisamos ser "trazidos".

    Sem dúvida, estes assuntos são profundos e misteriosos. Através de verdades como essas, Deus prova a fé e a paciência de seu povo. Podem os seus filhos realmente crer nEle e esperar por uma explanação mais completa no último dia? O que não compreendem agora compreenderão mais tarde. De qualquer maneira, permanece bastante clara a responsabilidade do homem por sua alma. São realidades tanto a sua incapacidade quanto a sua responsabilidade. A incapacidade de vir a Cristo não o isenta de prestar contas. Se ele se perder, ficará provado que foi por sua própria culpa. O seu sangue recairá sobre a sua cabeça. Cristo o teria salvado, mas ele não quis ser salvo; não quis vir a Cristo para obter vida.

    Por último, aprendemos que a salvação daquele que crê é algo presente. O Senhor Jesus Cristo assegurou: "Em verdade, em verdade vos digo: quem crê em mim tem a vida eterna". Devemos notar que a vida eterna é uma possessão presente. Jesus não disse que aquele que crê a receberá no último dia, por ocasião do julgamento final. Agora, no tempo presente e nesse mundo, essa vida se torna uma propriedade do crente, que possui a vida eterna desde o momento em que crê.


    Este é um assunto que nos inquieta sobremaneira e a respeito do qual são cometidos inúmeros erros. Muitos pensam não ser possível recebermos, nesta vida, o perdão e a aceitação da parte de Deus. Essas coisas,  dizem eles, são conseguidas ao longo de uma vida de arrependimento, fé e santidade; poderão ser recebidas apenas diante do tribunal de Deus, no último dia. Afirmam também que nem mesmo devemos ter a pretensão de obtê-las, enquanto vivemos neste mundo! Pensar assim é estar completamente enganado. O pecador é justificado e aceito por Deus no exato momento em que crê em Cristo. Para ele não há mais condenação. Ele desfruta de paz com Deus, imediatamente, sem qualquer demora. Seu nome está escrito no livro da vida, ainda que tenha pouca consciência disso. Passa a ter direito ao céu, direito este que nem a morte, nem o inferno, nem Satanás podem anular. Felizes os que conhecem essa verdade! Esta é uma parte essencial das boas-novas do evangelho.

    Finalmente, o assunto fundamental que devemos considerar é se cremos realmente. Que ganharemos com o fato de ter Cristo morrido em favor dos pecadores, se não cremos nEle? "Quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus" (Jo 3.36).