• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    A Suprema ambição de Paulo – Martyn Lloyd-Jones (1899-1981)





    Teus dons por si sós não bastam, a menos que também os entreguemos a Ti

    «Se me perguntais», diz Paulo, «qual é o meu maior desejo, é este: Conhecê-lo» (Filipenses 3.10). Você pode notar que a suprema ambição dele. . . não é a de ser um grande conquistador de almas. Aquele será apenas ambição sua, embora correta. Não era nem mesmo a de ser um grande pregador... Porque, como o apóstolo nos relembra, por toda parte, se você puser as demais coisas em primeiro lugar, verá que, mesmo sendo um pregador, acabará sendo rejeitado. Mas quando colocamos o desejo de Paulo no centro da nossa vida, não há perigo. Paulo vira a face do Cristo vivo, o Senhor ressurreto. Entretanto, aquilo do que sente fome e pelo que suspira é este mais amplo, mais profundo e mais íntimo conhecimento dEle, conhecimento pessoal, revelação pessoal do Senhor vivo. . .



    Não há nada mais elevado do que isso. Observe o idoso João, escrevendo sua carta de despedida aos cristãos. Seu grande desejo, diz-lhes em 1 João 1,4, é «que a vossa alegria seja completa». De que modo ele quer que seja completa? . . . que comungueis conosco como partícipes da bem-aventura experiência que desfrutamos. . . Não é tanto que você se ocupe na obra de Deus.



    É claro que significa isso, mas esse é o nível inferior. O nível mais elevado consiste realmente em conhecer a Deus.   «E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste» (João 17.3). . . Quando um homem perguntou (a Jesus) qual era o maior de todos os mandamentos, Ele disse: «Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. . .» (Mateus 22.37). A primeira coisa, a coisa mais importante da vida, é que conheçamos de tal modo a Deus que O amemos com todo o nosso ser. Satisfazer-se com qualquer coisa menos que isso é compreender mal todo o fim, objetivo e propósito da salvação cristã. Não se limite ao perdão. Não se detenha nas experiências. O fim é conhecer a Deus, e nada menos. Este salmista (Salmo 73) pode dizer que agora anela por Deus, por amor a Ele, e não por aquilo que Deus dá ou faz.

    Faith on Trial, p. 110,11.