• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Qual é a diferença entre Deus nos testar ou nos tentar? – R. C. Sproul





    A diferença está entre uma atitude que é santa, legítima e justa e outra que está abaixo do caráter de Deus. Como Tiago nos diz no Novo Testa-mento: "Ninguém, ao ser tentado diga: Sou tentado por Deus" (Tg 1.13). E segue-se uma explicação dizendo que a tentação é algo que nasce de dentro das inclinações más de nosso próprio coração. Não podemos desculpar nosso pecado dizendo que o diabo nos fez cometê-lo, ou pior ainda, que Deus nos provocou e nos inclinou para o pecado.

    Há alguma confusão sobre isso por causa das palavras da Oração Dominical, onde Jesus instrui seus discípulos a orar: "Não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal". (Em inglês a frase diz: Não nos conduzas à tentação. NT.) Isso quase sugere que, se temos de pedir a Deus que não nos conduza à tentação, talvez haja ocasiões em que ele o faça. Essa frase tem relação com o ser conduzido ao lugar de teste.

    A Bíblia nos diz que Deus fará o seu povo passar por situações de teste ou aflição ou por alguma provação, fundamentalmente para seu próprio benefício, mas, algumas vezes, por razões nem sempre compreensíveis para nós. Adão e Eva não passaram no teste no Jardim do Éden.

    Jesus, sem dúvida, foi conduzido pelo Espírito ao deserto para ser testado. Deus o conduziu para ser testado não por Deus, mas por Satanás. Naquele incidente particular temos um exemplo da diferença. Tentar alguém é induzi-lo a cometer um ato mau. Nesse sentido, seria completamente fora do caráter de Deus induzir alguém a pecar. Para seus propósitos redentores e para nosso próprio crescimento de caráter, ele pode nos colocar em situações em que somos postos à prova, e onde estamos vulneráveis aos ataques do inimigo — como Jó esteve, como Cristo esteve e como Adão esteve.


    Lutero, muitas vezes, falou do assalto desenfreado que Satanás dirigia contra ele. Ele estava lutando contra a depressão, mas nunca falou naquilo como um engodo nas mãos de Deus. Satanás nos tentará no sentido de tentar nos seduzir e nos persuadir a desobedecer a Deus, embora, mesmo nessa tentação, Satanás esteja debaixo da soberania de Deus.