• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    John Wesley e o erro-chave do perfeccionismo – B. B. Warfield




    B. B. Warfield (1851 – 1921) explica as raízes teológicas comuns de todo o perfeccionimo moderno:

    “Foi John Wesley  (1703 - 1791) que infectou o moderno mundo protestante com esse conceito de "santificação instantânea total". Ao dizer isso, não estamos fazendo uma acusação ferrenha contra ele. Não há elementos em seus ensinos que lhe traga maior satisfação que este. Não há elementos dentre os quais seja mais louvado por seus seguidores, ou mais se felicitem por o possuírem...

    Quando ondas após ondas do "movimento Holiness" despencaram sobre nós no século passado, sem dúvida cada uma trouxe algo particular de si mesmas. Mas uma qualidade comum e fundamental instruiu a todas; e essa qualidade lhes foi comunicada pela doutrina wesleiana. Os elementos essenciais dessa doutrina se repetem em todos esses movimentos e formam seus aspectos característicos. Em todos eles, a justificação e a santificação são divididas uma da outra, como se fossem dois presentes separados de Deus.

    Em todos eles, da mesma maneira, a santificação é representada como sendo obtida, exatamente como a justificação, por um simples ato de fé, mas não pelo mesmo ato de fé pelo qual a justificação é obtida, mas por um novo e separado ato de fé, exercitado para este específico propósito. Em todos eles, a santificação que vem neste [segundo] ato de fé, vem imediatamente pela fé, e de uma vez, e em todos eles como esta santificação, assim recebida, é santificação completa.

    Em todos eles portanto, é acrescentado, que esta santificação completa não traz libertação de todo pecado, mas somente, digamos, libertação de pecar; ou apenas libertação de pecar conscientemente; ou da comissão de "pecados conhecidos". E em todos eles, essa santificação não é uma condição estável, na qual, pela fé, entramos de uma vez por todas, mas uma obtenção momentânea, que deve ser mantida momento a momento, e que prontamente pode ser perdida e frequentemente o é, mas pode também ser repetidamente e recuperada instantaneamente”.

    O erro que Warfield  descreve — essa tendência a fazer uma separação radical entre santificação e justificação — é o erro-chave do perfeccionismo. Virtualmente todos os perfeccionistas tratam a santificação como se ela fosse um segunda experiência de conversão. Sob esse esquema, a santidade deve ser obtida por um ato separado de fé que acontece algum tempo depois da salvação inicial — uma "segunda benção", como é frequentemente chamada.

    Biblicamente, como veremos, a santificação começa imediatamente na justificação e continua sua obra — apesar das nossas falhas freqüentes —       até o fim da nossa vida. Em meu livro Faith Works [A Fé Funciona], examino essa questão de uma perspectiva completamente diferente. Nesse livro estava respondendo ao erro daqueles que dizem que a santificação é opcional. Aqui, portanto, meu propósito é examinar como o processo de santificação se desenvolve na vida dos crentes enquanto eles travam a batalha —          que dura a vida toda — contra o pecado em sua própria carne. É interessante notar como as questões são virtualmente idênticas. Isso é porque a chave para examinar uma doutrina na questão da santificação é um correto entendimento da íntima relação entre santificação e justificação.

    Contrário aos perfeccionistas, contrário aos professores da assim chamada "vida mais profunda", e contrário aos conceitos predominantes de que significa ser cheio do Espírito, santificação não é algo que começa com uma experiência de crise algum tempo depois da conversão. A santificação começa no exato momento da justificação e continua por toda a vida do cristão na terra. Como o Dr. Warfield sugeriu na citação acima, a santificação é obtida no pelo mesmíssimo ato de fé pelo qual recebemos a justificação. Jesus Cristo se torna para todo aquele que crê "sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção" (ICo 1.30, ênfase acrescentada). Se a santificação não acontece no momento da salvação, não poderia ser dito a todos os que crêem " vós vos lavastes,... fostes santificados,... fostes justificados" (ICo 6.11).

    Essa doutrina não é somente para cristãos maduros. Nada é mais prático na vida cristã do que uma correta compreensão de como o Espírito Santo trabalha para nos moldar à imagem de Cristo. De modo inverso, é difícil imaginar alguma coisa que debilite mais desastrosamente a vida saudável do cristão do que uma interpretação errada da santificação.

    John MacArthur Jr.