• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    O Poder Dinamizante sobre os Eleitos - A. W Pink (1886-1952)




    Deus exerce sobre seus eleitos uma influência ou poder vivificante.

    Por natureza, os homens estão espiritualmente mortos, mortos em seus delitos e pecados, e sua primeira necessidade é vida espiritual, porque "se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus" (Jo 3.3). Por intermédio do novo nascimento, Deus faz que passemos da morte para a vida (Jo 5.24). Ele concede-nos sua própria natureza (2 Pe 1.4). Liberta-nos do império das trevas e nos transporta para o reino do seu Filho amado (Gl 1.13). Ora, éramos manifesta-mente incapazes de fazer isso por nós mesmos, porque "éramos fracos" (Rm 5.6). Por isso está escrito: "Somos feitura dele, criados em Cristo Jesus" (Ef 2.10).

    Pelo novo nascimento tornamo-nos co-participantes da natureza divina: um princípio, uma "semente", uma vida que nasce "do Espírito" e que, por isso mesmo, "é espírito"; e, sendo nascida do Espírito Santo, é santa. Sem essa nova natureza, divina e santa, que recebemos quando nascemos de novo, é inteiramente impossível a qualquer homem gerar um impulso espiritual, formar um conceito espiritual, ter pensamentos espirituais, entender realidades espirituais e, muito menos ainda, dedicar-se a obras espirituais. Sem a santificação, ninguém verá o Senhor (Hb 12.14).

    No entanto, o homem natural não deseja a santidade, não querendo, portanto, a provisão feita por Deus. Suplicaria, pois, o homem, e se esforçaria por aquilo que não lhe agrada? Certamente que não. Se, no entanto, o homem verdadeiramente segue aquilo que, por natureza, odeia profundamente, e se agora ama Aquele que antes odiava, é porque em seu interior operou-se uma milagrosa modificação; é porque um poder externo operou sobre ele; uma natureza inteiramente diversa daquela que possuía lhe foi implantada. Por isso está escrito: "Assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as cousas antigas já passaram; eis que se fizeram novas" (2 Co 5.17). O indivíduo que acabamos de descrever passou da morte para a vida, voltou-se das trevas para a luz e da potestade de Satanás para Deus (At 26.18). Não há outro modo de explicar tão grande mudança.

    O novo nascimento consiste em muito mais do que somente derramar algumas lágrimas de remorso temporário por causa do pecado. É muito mais do que mudar o curso da vida; é mais do que substituir maus hábitos por bons costumes. É algo diferente do mero prezar e praticar ideais nobres. Vai infinitamente além do ato de vir à frente e apertar a mão de algum evangelista popular, assinar um cartão de compromisso e filiar-se a uma igreja. O novo nascimento não é apenas uma renovação de boas intenções e virar uma nova folha; é antes o início e a recepção de uma nova vida. Não é uma simples reforma; é uma completa transformação. Em poucas palavras, o novo nascimento é um milagre, o resultado da operação sobrenatural de Deus. É algo radical, revolucionário, duradouro.

    Quanto à ordem cronológica, esta é a primeira coisa que Deus opera em seus eleitos. Toma aqueles que estão espiritualmente mortos e os vivifica para andarem em novidade de vida. Deus toma alguém que foi concebido em pecado e moldado em iniquidade e o conforma à imagem do seu Filho. Apanha um prisioneiro do diabo e o transforma em um membro da família da fé. Recolhe um mendigo e faz dele um herdeiro juntamente com Cristo. Chega a alguém que está pleno de inimizade contra o Senhor e lhe dá um coração novo, que transborda de amor a Deus. Inclina-se para alguém que é rebelde por natureza e opera nele tanto o querer como o efetuar segundo a sua boa vontade. Pelo seu irresistível poder, Ele transforma o pecador em um santo, o inimigo em um amigo, o escravo do diabo em um filho de Deus. Deveras nos sentimos movidos a dizer:

    Meu Deus, quando elevo minha alma E toda a tua graça contemplo, Deslumbra-me a visão e sucumbo De amor, reverência e louvor

    Deus exerce sobre seus eleitos uma influência ou poder dinamizante.

    O apóstolo orou a Deus, em favor dos santos em Éfeso, para que fossem iluminados os olhos do entendimento deles, a fim de que, entre outras coisas, soubessem "qual a suprema grandeza do seu poder para com os que cremos..." (Ef 1.18,19) e para que fossem "fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito, no homem interior" (Ef 3.16). É dessa maneira que os filhos de Deus recebem a capacidade de combater o bom combate da fé e de batalhar contra as forças do adversário que constante e incansavelmente guerreia contra eles. Em si mesmos, não têm força alguma; são apenas "ovelhas". A ovelha é um dos mais indefesos animais que existe; mas a promessa é firme: "Faz forte ao cansado e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor" (Is 40.29).

    É esse poder dinamizante que Deus exerce sobre os justos; e, em seu íntimo, são capacitados a servi-Lo de maneira aceitável. Disse o profeta: "Eu, porém, estou cheio do poder do Espírito do SENHOR" (Mq 3.8). E o Senhor disse aos seus apóstolos: "Recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo" (At 1.8); e assim sucedeu, porque lemos subsequentemente acerca daqueles mesmos homens: "Com grande poder os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça" (At 4.33). O mesmo aconteceu ao apóstolo Paulo: "A minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria, mas em demonstração do Espírito e de poder" (1 Co 2.4). Mas o escopo desse poder não se limita ao serviço, pois lemos em 2 Pedro 1.3: "Visto como pelo seu divino poder nos têm sido doadas todas as cousas que conduzem à vida e à piedade, pelo conhecimento completo daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude". Por isso, as várias graças do caráter cristão, "amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio" são atribuídas diretamente a Deus, sendo chamadas de "o fruto do Espírito" (Gl 5.22; comparar com 2 Co 8.16).