• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Nossa Visão da Glória de Cristo no Céu – John Owen (1616-1683)




    A diferença entre a presente visão de fé da glória de Cristo e nossa contemplação dela no céu "Porque andamos por fé, e não por vista" (II Coríntios 5:7). Nesta vida, fé, na vida por vir, visão. Estas são as habilidade da alma que a fazem ciente da glória de Cristo.

    A visão de fé da glória de Cristo, neste mundo, é confusa e obscura. Como o apóstolo diz: "Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face: agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido" (I Coríntios 13:12). O nosso conhecimento não é direto, mas é como um reflexo imperfeito da realidade. O evangelho, sem o qual jamais poderíamos descobrir a Cristo, ainda está longe de mostrar totalmente a grandeza de Sua glória. Isso é porque a entendemos imperfeitamente.

    A nossa fé é fraca e imperfeita. Não há nenhuma parte de Sua glória que possamos entender completamente. Em nosso presente estado terreno, há algo como uma parede entre nós e Cristo. Contudo, às vezes, nós O vemos através das janelas "O meu amado é semelhante ao gamo, ou ao filho do veado: eis que está detrás da nossa parede, olhando pelas janelas, reluzindo pelas grades" (Cantares de Salomão 2:9).

    Estas janelas são as oportunidades que temos de ouvir e receber as promessas do evangelho através da graça e do ministério da palavra. Tais oportunidades estão cheias de refrigério para as almas daqueles que crêem. Entretanto, a visão da beleza e glória não dura para sempre. Então clamamos: "Como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus! A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo: quando entrarei e me apresentarei ante a face de Deus? (Salmo 42:1-2). Quando, então, eu O verei, mesmo que seja apenas através de uma janela?

    Às vezes, à semelhança de Jó, nós não O podemos ver porque Ele esconde a Sua face em uma nuvem (Jó 38:8-9). Em outras oportunidades Ele Se mostra como o sol em toda a sua força e não suportamos o Seu brilho.

    Agora, através de comparações, vamos considerar como veremos essa mesma glória de Cristo quando estivermos no céu. A nossa visão será imediata, direta e firme.

    Cristo pessoalmente e toda a Sua glória estarão de verdade e para sempre conosco. Não precisaremos mais estar satisfeitos apenas com descrições dEle que temos no evangelho. Nos O veremos face a face (I Corfntios 13:12) e O veremos como Ele é (I João 3:2). Nós O veremos com os nosso olhos, como diz Jó: "Porque eu sei que o meu Redentor vive, e...em minha carne verei a Deus. Vê-lo-ei por mim mesmo, os meus olhos, e não outros, o verão..." (Jó 19:25-27).

    Os sentidos dos nossos corpos serão restaurados e glorificados de uma forma que não podemos entender, para que sejamos capazes de olhar para Cristo e Sua glória para todo o sempre. Veremos, não apenas a Sua natureza humana, mas a Sua divindade também em Sua infinita sabedo¬ria, amor e poder. Essa glória será milhares de vezes superior a qualquer coisa que possamos imaginar.

    "Esta visão da glória de Cristo é tudo o que os santos de Deus desejam ver. É o desejo deles "partir e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor...mas temos confiança e desejamos antes deixar este corpo, para habitar com o Senhor" (Filipenses 1:23; II Coríntios 5:8). Aqueles que não têm este desejo sempre são pessoas carnais e não espirituais.

    Ninguém nesta vida tem o poder, quer espiritual ou físico, para ver a glória de Cristo como ela realmente é. Quando alguns reflexos dessa glória foram vistos no Monte da Transfiguração os discípulos ficaram confusos e com muito medo. Se o Senhor Jesus viesse até nós em Sua majestade e glória, seríamos incapazes de receber os benefícios ou conforto de Sua aparição. O apóstolo João, o qual Ele amava, caiu a Seus pés como morto, quando Jesus apareceu para ele em Sua glória (Apocalipse 1:17). Paulo e todos aqueles que estavam com ele caíram por terra quando o brilho da Sua glória resplandeceu sobre eles no caminho de Damasco (Atos 26:13-14). Que insulto a Deus quando pessoas néscias tentam fazer quadros e imagens do Senhor Jesus Cristo em Sua glória presente! Nós apenas podemos conhecê-lO agora através da fé, obscuramente. Não o podemos conhecer verdadeiramente como Ele é, cheio de glória indescritível.

    Por causa de nossas naturezas pecaminosas, as nossas almas eram completamente tenebrosas e más, e eram incapazes de ver as coisas espirituais de uma maneira correta. Fomos parcialmente restaurados pela graça e nos tornamos luz no Senhor (Efésios 5:8). Mas as nossas almas ainda estão aprisionadas em nossos corpos naturais e muitas fraquezas e imperfeições ainda permanecem. Mas isso para sempre desaparecerá no céu (Efésios 5:27). Após a ressurreição, as nossas mentes e corpos estarão livres de tudo o que nos impedia o desfrute de uma visão completa da glória de Cristo. Então, apenas um ato de pura visão espiritual ao olhar para a glória de Cristo, um puro ato de amor ao unir-se a Deus, nos fará muito mais felizes e mais satisfeitos do que poderíamos estar como todas as nossas atividades religiosas.

    Temos um poder natural para entender e julgar as coisas nesta presente vida terrena. Mas esta habilidade natural não pode nos ajudar a ver e entender as coisas espirituais, como o apóstolo nos mostra em I Coríntios 2:11,14: "Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus. Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente".

    Assim Deus nos dá a habilidade sobrenatural da fé e da graça. Ainda temos o nossos entendimento natural, mas é apenas por meio de uma faculdade espiritual que podemos ver as coisas espirituais. No céu será acrescentada a capacidade de vermos a glória.