• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Sem Inverno não há Fruto – John Bunyan (1628-1688) – Por John Piper




    No primeiro caso, "Deus tem designado quem irá sofrer. O sofrimento não sobrevêm por acaso, nem pela vontade do homem, mas pela vontade e pelo desígnio de Deus". Assim, Bunyan cita ITessalonicenses 3.3, "... para que ninguém seja abalado por essas tribulações. Vocês sabem muito bem que somos designados para isso". Bunyan nos relembra que não devemos pensar que o sofrimento é algo estranho para quem teme a Deus (IPe 4.12), e apela para Apocalipse 6.11, onde é dito aos mártires sob o altar, no céu, que "esperassem um pouco mais, até que se completasse o número dos seus conservos e irmãos, que deveriam ser mortos ["marque bem isto", comenta Bunyan] como eles". Um número designado de mártires! Bunyan conclui daí, "Sofrimento por justiça e por causa da justiça, é pela vontade de Deus. Deus tem designado quem deve sofrer"

    "Meu Futuro Está em Tuas Mãos"

    Em segundo lugar, "Deus tem designado ... quando eles sofrerão pela sua verdade aqui neste mundo. As épocas de sofrimento para esta ou aquela pessoa são determinadas, quanto ao tempo em que serão provadas por sua fé". Daí, quando Paulo estava temeroso em Corinto, o Senhor o fortaleceu em um sonho, dizendo, "Não tenha medo, continue falando e não fique calado, pois estou com você, e ninguém vai fazer-lhe mal ou feri-lo, porque tenho muita gente nesta cidade" (At 18.9-10, NVI). "O tempo do seu sofrimento", escreve Bunyan, "ainda não havia chegado". O mesmo foi dito de Jesus, " Então tentaram prendê-lo, mas ninguém lhe pôs as mãos, porque a sua hora ainda não havia chegado" (Jo 7.30). Bunyan conclui, "As épocas, portanto, e as ocasiões, mesmo para os sofrimentos do povo de Deus, não estão nas mãos do inimigo, mas nas mãos de Deus; como Davi disse, 'O meu futuro está em tuas mãos'" (SI 31.15).

    Santos Sofredores São Borrifados Sobre a Terra Para Evitar que Ela Cheire Mal
    Em terceiro lugar, "Deus tem designado onde este, aquele ou outro bom homem qualquer deve sofrer. Moisés e Elias, quando apareceram no monte santo, contaram a Jesus os sofrimentos que ele deveria cumprir em Jerusalém" (Lc 9.30-31). "Os santos são borrifados pela mão de Deus aqui e ali, como o sal é colocado na carne, para evitar que ela cheire mal. Eles são espalhados pelo mundo para temperar a terra; assim, da mesma forma, onde eles devem sofrer é também designado para uma melhor confirmação da verdade. Cristo disse que 'nenhum profeta deve morrer fora de Jerusalém' (Lc 13.33). Mas, por que...? Deus designou que devem sofrer ali. Assim, então, quem, quando e onde estão na vontade de Deus e, conseqüentemente, são designados por aquela vontade".

    "O Tipo de Morte Com a Qual Pedro Iria Glorificar a Deus"

    Em quarto lugar, "Deus tem designado ... que tipo de sofrimento pelo qual este ou aquele santo deverá passar — Deus disse que mostraria a Paulo, antecipadamente, quantas coisas ele deveria sofrer por sua causa (At 9.16). E está dito que Jesus indicou a Pedro, antecipadamente, "o tipo de morte com a qual [ele] iria glorificar a Deus" ( Jo 21.19). Assim como Deus designa a época, o lugar e as pessoas, assim também com o tipo de sofrimentos que suportamos: eles "estão todos escritos no livro de Deus; e, apesar de que a escrita nos pareça ilegível, Deus a compreende muito bem...     Está designado qual dos santos deva morrer de fome; quais, à espada; os que deverão ir a cativeiro e quem deverá ser comido pelas feras. Conclua-se, então, que é aparente, pelo que vimos, que os sofrimentos dos santos são ordenados e dispostos pela vontade de Deus".

    Podemos, até mesmo, ir mais além com Bunyan, quando ele mostra "por qual verdade" seus santos deverão sofrer, e ainda "através de qual mão" e "por quanto tempo". Mas perguntemos: Qual é o propósito de Deus nesta exposição da soberania de Deus no sofrimento? Ele nos diz claramente: "Eu tenho, em poucas palavras, lidado com isto ... para mostrar que nossos sofrimentos são ordenados e preparados por ele, para que vocês possam sempre, quando tiverem problemas por causa do seu nome, não cambalear ou ficar incertos, mas ficar controlados, calmos, quietos em sua mente, e digam, 'Seja feita a vontade do Senhor'. Atos 21.14".

    A Misericórdia de Sofrermos e Não Sermos Torturados

    Mais uma vez ele alerta contra sentimentos de vingança.
    Aprenda a compadecer-se e a lastimar a condição do inimigo... Nunca nutra rancor contra eles, por causa da sua presente vantagem. "Não se aborreça por causa dos maus, nem tenha inveja dos ímpios". Provérbios 24.19. Não se aborreça, apesar de eles estragarem seu descanso. Foi Deus quem lhes ordenou que fizessem isto, para testar a sua fé e sua paciência. Não lhes deseje mal algum pelo que estão tirando de você; é a paga do trabalho deles, e logo vai parecer a eles que muito bem mereceram esta paga.... Bendiga a Deus que você não será contado com eles...          Quão mavelmente, portanto, Deus lida conosco, quando escolhe afligir-nos por um pouco de tempo, para que, com bondade eterna, tenha misericórdia de nós. Is 57.7-8.71

    "Não Produzem Fruto, Pois Não Há Inverno Ali"

    A chave para o sofrer corretamente é ver todas as coisas nas mãos de um Deus misericordioso, bom e soberano, e "viver em Deus, que é invisível". Há mais de Deus a ser experimentado em tempos de sofrimento do que em qualquer outro tempo.

    Existem coisas de Deus que podem ser observadas em um dia, e noutro, não. Seu poder em sustentar alguns, sua ira em abandonar outros; o fazer com que arbustos fiquem firmes, enquanto permite que cedros caiam; o tornar em tolice o conselho dos homens e fazer com que o diabo passe a perna em si próprio; o conceder a sua presença ao seu povo e o abandonar seus inimigos nas trevas; o revelar a retidão dos corações dos seus santificados, e a exposição da hipocrisia de outros; tudo isto são maravilhas espirituais operadas no dia de sua ira, do redemoinho e da tempestade... Temos a tendência de irmos longe demais nos dias calmos, e pensarmos que estamos bem avançados, e bem mais fortes do que realmente descobrimos estar, quando o dia da provação vem sobre nós ... Não poderíamos viver sem tais mudanças da mão de Deus sobre nós. Nossa natureza carnal cresceria excessivamente, se não tivéssemos nossos invernos no tempo apropriado. Diz-se que em alguns países as árvores crescem, mas não produzem fruto, pois não há inverno ali.


    Assim, Bunyan roga ao seu povo que se humilhe debaixo da poderosa mão de Deus e que confie que tudo será para o seu bem. "Permita-me rogar-te que não ficarás ofendido, quer com Deus, quer com os homens, se a cruz sobre ti for pesada. Com Deus, pois ele nada faz sem uma causa; com o homem, pois ... são servos de Deus para o teu bem. Toma, portanto, agradecidamente, o que te vem da parte de Deus, através deles".

    "Se Estiver em Seu Coração Fugir, Fuja"

    Se alguém perguntar se podemos aproveitar as oportunidades para nos livrar do sofrimento, Bunyan responde:

    Você pode fazer conforme estiver em seu coração. Se estiver em seu coração fugir, fuja. Se estiver em seu coração ficar firme, fique firme. Qualquer coisa, menos o negar a verdade. Aquele que foge, tem autorização para fazê-lo. Sim, a mesma pessoa tanto pode fugir como permanecer, dependendo da chamada e da obra de Deus em seu coração. Moisés fugiu, Êxodo 2.15; Moisés permaneceu, Hebreus 11.27. Davi fugiu, ISamuel 19.12; Davi permaneceu, ISamuel 24.8; Jeremias fugiu, Jeremias 37.11-12; Jeremias permaneceu, 38.17. Cristo retirou-se, Lucas 19.10; Cristo permaneceu, João 18.1-8. Paulo fugiu, 2Coríntios 11.33; Paulo permaneceu, Atos 20.22-23....

    Há poucas regras neste caso. A própria pessoa está mais capacitada para julgar sua força atual, e qual a força deste ou daquele argumento em seu coração, para fugir ou ficar...       Não fuja por temor servil, mas porque fugir é uma ordenança de Deus, abrindo uma porta de escape, a qual é aberta por sua providência, e o escape, aprovado pela Palavra de Deus. Mateus 10.23...

    Se, portanto, quando você tiver fugido, for apanhado, não fique desgostoso com Deus ou com o homem: não com Deus, pois você é servo dele, e sua vida e você mesmo lhe pertencem; e não com o homem, pois ele nada é senão a vara de Deus, a qual foi designada, neste aspecto, para lhe fazer o bem. Conseguiu escapar? Ria. Foi apanhado? Ria. Quero dizer, regozije-se, não importa os rumos que as coisas tomarem, pois a balança ainda está nas mãos de Deus.

    É isto que Bunyan quer dizer com "viver em Deus, que é invisível". Esta é a fé que torna a pessoa radicalmente livre, corajosa e intrépida na causa de Deus e da verdade. A vida de Bunyan não se ergueu da areia. Cresceu como uma grande árvore na rocha da verdade de granito, que é a soberania de Deus sobre todo o seu sofrimento.