• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Vocação Eficaz – Thomas Watson (1620-1686)



    A vocação interna: Deus, com a oferta de graça, opera a graça. Por essa vocação, o coração é renovado e a vontade é eficazmente dirigida para se abraçar a Cristo. A vocação externa leva as pessoas para uma profissão de fé em Cristo, a interna para a posse de Cristo.

    a.       Quais são os meios dessa vocação eficaz?

    Toda a criação tem uma voz que nos chama. Os céus nos chamam a contemplar a glória de Deus (SI 19.1). A nossa consciência também nos chama. O julgamento de Deus nos chama ao arrependimento. "Ouvi, ó tribos" (Mq 6.9). Porém, nem toda voz que nos chama nos leva à conversão. Há dois meios de nosso chamado ser eficaz:

    i.       O chamado é eficaz pela "pregação da Palavra". Esse é o soar da trombeta prateada de Deus aos ouvidos das pessoas. Deus não fala por um oráculo, ele chama por seus ministros. Samuel pensou ter ouvido a voz de Eli, mas era a voz de Deus (ISm 3.6). Talvez você pense que seja somente o ministro falando pela Palavra, no entanto é o próprio Deus que fala por meio dele. Por isso se diz que Cristo fala a nós do céu (Hb 12.25). Como ele fala se não pelos seus ministros? Um rei fala pelos seus embaixadores. Saiba que, em cada sermão pregado, Deus chama você. Recusar a mensagem que levamos é recusar o próprio Deus.

    ii.      O chamado é eficaz pela ação do Espírito Santo. O outro meio da nossa vocação ser eficaz é pelo Espírito Santo. O ministério da Palavra é o canal ou o instrumento, e quando o Espírito Santo sopra, mudanças ocorrem nos corações das pessoas. O Espírito vem com a chave e abre a porta: "Certa mulher, chamada Lídia... o Senhor lhe abriu o coração" (At 16.14).

    b.      De onde Deus chama os homens?

    i.       Ele os chama para fora do pecado. Ele chama os homens para fora de sua ignorância e de sua descrença (IPe 1.14). Naturalmente, o entendimento humano está envolto em trevas. Deus chama os homens das trevas para a luz, como que se estivéssemos num calabouço e fôssemos chamados para ver a luz do Sol (Ef 5.8).

    ii.      Ele os chama para longe do perigo. Assim como os anjos chamaram Ló para sair de Sodoma, quando estava prestes a chover fogo, Deus chama seu povo do fogo e da condenação do inferno e de todas aquelas maldições a que estavam expostos.

    iii.     Ele os chama para fora do mundo. Assim como Cristo chamou Mateus da coletoria de impostos: "Eles não são do mundo" (Jo 17.16). Aqueles que são divinamente chamados não são nativos do mundo, mas peregrinos. Eles não se conformam ao mundo nem seguem suas maneiras pecaminosas. Eles não são do mundo. Embora vivam aqui, seus negócios são celestiais. O mundo é um lugar onde o trono de Satanás está (Ap 2.13). É um palco onde o pecado encena todos os dias. Os que são chamados estão no mundo, mas não são dele.

    c.       Para o quê Deus chama os homens?

    i.       Deus chama os homens para a santidade. "Porquanto Deus não nos chamou para a impureza, e sim para a santificação" (lTs 4.7). A santidade é o uniforme, ou a estrela prateada, que o crente usa. Eles são "santo povo" de Deus (Is 63.18). O chamado de Deus é ungido com o óleo consagrado do Espírito: "E vós possuís unção que vem do Santo" (1Jo 2.20).

    ii.      Deus chama os homens para a glória. Como se uma pessoa fosse chamada para fora de uma prisão para se sentar em um trono. "Deus, que vos chama para o seu reino e glória" (lTs 2.12). Aqueles que Deus chama, coroa com um peso de glória (2Co 4.17). A palavra hebraica para glória, kabod, significa pondus em latim, um peso. O peso de glória aumenta o valor, quanto mais pesado for o ouro, de maior valor. Essa glória não é passageira, mas permanente, um peso eterno. E mais fácil experimentá-la do que expressá-la.

    d.      Qual a causa da vocação eficaz?

    O amor eletivo de Deus. "E aos que predestinou, a esses também chamou" (Rm 8.30). A eleição é a causa originária de nossa vocação. Ele não vocaciona alguns para esse chamado celestial porque são mais valorosos que outros, visto que estamos todos em nosso sangue (Ez 16.6). Que valor há em nós? Que valor havia em Maria Madalena, de quem foram expulsos sete demônios? Que valor havia nos coríntios quando Deus começou a chamá-los por seu evangelho? Eram fornicadores, efeminados, idólatras. "Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes" (ICo 6.11). Antes da vocação eficaz não éramos somente pessoas "fracas" (Rm 5.6), mas "inimigos" de Deus (Cl 1.21). A base da vocação é a eleição.

    e.       Quais são as qualificações dessa vocação?

    i. A vocação eficaz é um chamado poderoso. "As palavras de Deus são obras", disse Lutero. Deus, ao chamar um pecador a si mesmo, exercita um infinito poder. Ele não somente se utiliza de sua voz, mas também de seu braço. O apóstolo fala da suprema grandeza de seu poder, que ele exercita para com aqueles que crêem (Ef 1.19). Deus cavalga conquistando na carruagem de seu evangelho. Ele conquista o orgulhoso de coração. Ele muda a vontade, mesmo encastelada em uma muralha fortificada, de modo que ela ceda lugar e se submeta à sua graça. Ele faz o coração de pedra sangrar. Quão poderosa é essa vocação.

    Por que, então, os arminianos falam sobre uma persuasão moral, na qual Deus, ao converter um pecador, só persuade moralmente e nada mais? Seria o caso em que Deus apresentaria suas promessas aos homens para instigá-los ao bem, ao passo que suas ameaças servissem apenas para detê-los de fazer o mal, seria somente isso? As persuasões morais sozinhas não são suficientes para uma vocação eficaz. Como a proposição pura das promessas e das ameaças pode converter uma alma? Isto não acrescenta nada ao novo nascimento nem ao poder que ressuscitou Cristo da morte. Deus não somente persuade, mas também capacita (Ez 36.27). Se a conversão fosse somente persuadir moralmente, isto é, apresentar o bem e o mal diante dos homens, então Deus não usaria tanto poder para salvar os homens nem o diabo o usaria para destruí-los. Satanás não somente apresenta a tentação diante dos homens, mas coopera com suas tentações. Por isso, diz-se dele que "atua nos filhos da desobediência" (Ef 2.2). "A palavra grega para atuar significa imperar", disse Camerário.85 Esse é o poder que Satanás tem para levar homens ao pecado. Então, o poder de Deus na conversão não deveria ser mais que o de Satanás na sedução? A vocação eficaz é grande e poderosa. Deus atua com uma energia divina, ou melhor, com um tipo de onipotência. E uma vocação poderosa a tal ponto que a vontade do homem não tem poder suficiente para resistir.


    ii. A vocação eficaz é um chamado superior. "Prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus" (Fp 3.14). É um chamado superior, primeiramente porque somos chamados a exercícios superiores da vida cristã: ser crucificado para o mundo, viver pela fé, fazer trabalho de anjos, amar a Deus, ser membros vivos de seu louvor, manter comunhão com o Pai e com o Filho (1Jo 1.3).

    Além disso, é um chamado superior porque somos chamados a altos privilégios: adoção e justificação; para sermos reis e sacerdotes para com Deus. Somos chamados à comunhão dos anjos, para sermos co-herdeiros com Cristo (Hb 12.22; Rm 8.17). Os que são chamados são candidatos ao céu, são príncipes em todas as terras, embora príncipes disfarçados (SI 45.16).

    Por fim, é um chamado superior porque é um chamado imutável, "porque os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis" (Rm 11.29), isto é, aqueles dons que fluem da eleição (como a vocação e a justificação) são irrevogáveis. Deus se arrependeu de ter chamado Saul para ser um rei, mas nunca se arrepende de chamar um pecador para ser um santo.