• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    A Verdadeira Obediência - Thomas Watson (1620-1686)


    i. A obediência verdadeira deve seguir a regra correta. Obediência deve ter como regra a Palavra, pois este é o fundamento: "À lei e ao testemunho!" (Is 8.20). Se nossa obediência não estiver de acordo com a Palavra, será uma oferta de fogo estranho, nós adoraremos e Deus nos dirá: "Quem requereu isto das tuas mãos?" O apóstolo condena a adoração prestada humildemente a anjos (Cl 2.18) e os judeus se diziam relutantes em ir a Deus diretamente, pois seria mais humilde se prostrar diante dos anjos, desejando que fossem mediadores para com Deus. Nesses dois exemplos, temos uma demonstração de humildade na adoração a anjos, entretanto era algo abominável porque não havia a Palavra de Deus validando tal ato. Não era uma obediência, mas uma idolatria. A obediência de filhos é aquela que condiz com a vontade revelada do Pai.

    ii.      A obediência verdadeira deve ser iniciada pelo princípio correto, que é o princípio nobre da fé: "Para a obediência por fé" (Rm 16.26). "Todas as obras aceitáveis procedem da fé", disse Agostinho. Uma macieira brava pode dar frutas agradáveis aos olhos, mas são amargas porque provêm de uma raiz que não é boa. Uma pessoa de boa conduta pode obedecer externamente a Deus, o que aos olhos dos outros pode parecer glorioso, mas sua obediência é amarga, porque não provém da raiz doce e agradável da fé. O filho de Deus lhe obedece pela fé e, com isso aprimorando seu serviço, torna-se agradável, além de muito mais aprazível. "Pela fé, Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício do que Caim" (Hb 11.4).

    iii.     A obediência verdadeira deve ser para finalidade correta. A finalidade determina o valor da obra. A finalidade da obediência é a glorificação de Deus. O que tem estragado muitos dos serviços gloriosos é o fato de que a finalidade estava equivocada. "Quando, pois, deres esmola, não toques trombetas diante de ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens" (Mt 6.2). As boas obras deveriam brilhar, não queimar. "E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará" (ICo 13.3). Devo dizer o mesmo quanto a um objetivo sincero. Se nem sempre eu obedeço e não tenho um objetivo sincero, de nada me aproveitará. A obediência verdadeira contempla Deus em todas as coisas: "Será Cristo engrandecido" (Fp 1.20). Embora um filho de Deus erre o alvo, mesmo assim está olhando para o alvo certo.

    iv.     A obediência verdadeira deve ser uniforme. Um filho de Deus tem consciência de um mandamento, assim como de outro. Todas as coisas feitas para Deus devem ser feitas com o mesmo zelo. Todos os mandamentos de Deus têm o mesmo selo da autoridade divina sobre eles. Se eu obedeço a um preceito porque meu Pai celestial me mandou, pela mesma razão devo obedecer todos os outros. Assim como o sangue corre por todas as veias do corpo e o sol no firmamento percorre todos os signos do zodíaco, a obediência verdadeira de um filho de Deus segue tanto a primeira tábua quanto a segunda da Lei. "Então, não terei do que me envergonhar, quando considerarem todos os Seus mandamentos" (SI 119.6). Obedecer a Deus em algumas coisas na vida cristã e não em outras revela um coração doente, como o de Esaú que obedeceu a seu pai ao lhe buscar carne de caça, mas não agiu da mesma maneira em questões superiores, como na escolha de sua esposa. Obediência de filho aponta para cada um dos mandamentos de Deus, assim como a agulha aponta na direção da magnetita. Se Deus nos chama para fazer coisas que para nós são como a cruz, se somos filhos, mesmo assim obedeceremos nosso Pai.

    Essa exigência de plena obediência nos leva a uma pergunta: Quem pode obedecer a Deus em todas as coisas?

    Podemos responder que: conquanto um herdeiro adotivo do céu não possa obedecer todos os preceitos perfeitamente, ele o faz zelosamente. Ele atesta cada mandamento: "Ora, se faço o que não quero, consinto com a lei, que é boa" (Rm 7.16). Ele se alegra em cada um dos mandamentos: "Quanto amo a tua lei!" (SI 119.97). Seu desejo é obedecer cada mandamento. "Tomara sejam firmes os meus passos, para que eu observe os teus preceitos" (SI 119.5). Quando ele falha, olha para o sangue de Cristo para que corrija seus defeitos. Essa é uma obediência zelosa que, ainda que não seja para satisfação, é para aceitação.

    v. A obediência verdadeira deve ser constante: "Bem-aventurados os que guardam a retidão e o que pratica a justiça em todo tempo" (SI 106.3). A obediência de filho não é como uma figura para se colorir, que logo esta acabada, mas é como a corrente sangüínea que sempre continua, é come fogo no altar, sempre queimando (Lv 6.13).