• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    O Bem, mesmo entre os piores males – John Flavel (1628 - 1691) -



    Como pode um cristão saber quando a providência está operando para o seu maior bem, e quando ela provém do amor de Deus?
    Deus pode operar o bem para o Seu povo, mesmo entre os piores males (Romanos 8:28). O pecado jamais pode fazer bem algum, mas a providência de Deus pode fazer com que um evento no qual o pecado esteja presente traga o bem para Seu povo. Não podemos saber se os acontecimentos atuais operam ou não para o nosso bem. Muitos ímpios e incrédulos têm mais do que seus co­rações poderiam desejar (Salmo 73:7); então não podemos julgar o amor de Deus por nós pelo número de bênçãos que recebemos.
    Ê o modo pelo qual as coisas nos acontecem, e o efeito produzido em nos, que irão nos mostrar se provêm do amor de Deus e se são para o nosso bem espiritual.
    (A) Vamos primeiramente analisar os eventos que nos trazem problemas e tristezas. Podemos saber com certeza que são bênçãos reais do amor de Deus quando ocorrem nas seguintes circunstâncias:
    (i) Eles chegam na hora certa, para nos guardar de cair em algum pecado, ou para nos trazer de volta de um espírito indife­rente no qual tenhamos caído. "... se necessários, sejais contristados com várias provações" (I Pedro 1:6).
    (ii) Deus escolhe certas provações para nós que são mais apro­priadas para cada caráter individual. Muitas vezes Ele retira aque­les confortos particulares com os quais nos ocupamos demais — confortos esses, que desviam nossas almas de amarem a Deus e deleitarem-se nEle. Ele é como um médico que mede com exatidão a força da terapêutica específica para a pessoa que está doente. "Com medida contendeste com ela, quando a rejeitaste, ele a tirou com o seu vento forte, no tempo do vento leste. Por isso se expiará a iniqüidade de Jacó.,." (Isaías 27:8-9).
    (iii) É um bom sinal quando os problemas volvem nossos co­rações contra o pecado e não contra Deus. Quando os ímpios estão em grandes dificuldades eles se revoltam contra Deus. "E os ho­mens foram abrasados com grandes calores, e blasfemaram o nome de Deus que tem poder sobre estas pragas" (Apocalipse 16:9). Mas homens piedosos se condenam e dão glória a Deus. "A ti, ó Senhor, pertence a justiça, mas a nós a confusão de rosto, como se vê neste dia" (Daniel 9:7).
    (iv) Um sinal certo de que nossos problemas são enviados pelo amor de Deus, é quando eles resultam em corações purifica­dos do pecado e numa vida mais pura, mais honesta e santificada do que antes. Quantos e quantos cristãos têm experimentado essa verdade! Depois de passarem por grandes problemas, eles não vêem mais beleza no mundo nem sentem mais sabor nele do que na clara de um ovo. Infelizmente, esses bons efeitos não duram, e é por isso que Deus tem que disciplinar Seu povo constantemente.
    (v) Qualquer coisa que ajude a aumentar nosso amor por Deus tem que vir do amor de Deus por nós. Se a Sua graça está em nossos corações, nós nos apegaremos a Ele quando estivermos em grandes problemas. Nosso comportamento será como o do salmista "Tudo isto nos sobreveio; todavia não nos esquecemos de ti... o nosso coração não voltou atrás, nem os nossos passos se desvia­ram das tuas veredas.. . ainda que nos cobriste com a sombra da morte" (Salmo 44:17-19).
    (vi) Saberemos que Deus nos abençoa através dos problemas quando descobrirmos que Ele está nos ensinando mais sobre o mal do pecado, a futilidade desta vida e a certeza das coisas que não nos podem ser abaladas. "Bem aventurado é o homem a quem tu repreendes, ó Senhor" (Salmo 94:12). O cristão nunca vê as coisas de maneira tão verdadeira como quando está debaixo da disciplina de Deus.
    (B) Em segundo lugar vamos analisar os eventos que nos trazem alegria e felicidade. Circunstâncias de alegria e conforto nem sempre são evidências da bênção de Deus. O sucesso e a prosperidade que fazem os homens se esquecerem de Deus, ou despertam os desejos da carne, ou acendem õ orgulho do coração, não podem ser veículos de bênçãos.
    Mas todos os confortos e benefícios que humilham a alma perante Deus, dando um sentido de indignidade são, sem dúvida, transformados em bênçãos. Jacó disse: "Menor sou eu que todas as beneficências, e que toda a fidelidade que tiveste com teu servo" (Gênesis 32:10). Tais bênçãos nos darão o desejo de nos afastar­mos do pecado e termos maior amor por Deus. Por si mesmos, os confortos não nos satisfarão. Se formos capazes de servir a Deus mais dispostos por causa do conforto e mais cientes das necessi­dades dos outros, então será sinal certo de que Deus está nos abençoando por meio deles. Outrossim, é certo que, se já obtivemos alguma coisa boa em resposta à oração* ela nos veio do amor de Deus.
    4. Como poderíamos nos manter firmes e calmos quando a providência traz tantas mudanças em nossas vidas?
    A providência causa mudanças na vida das pessoas em todas as partes do mundo. "Multiplica as gentes e as faz perecer; dis­persa as gentes, e de novo as reconduz" (Jó 12:23). Muitos têm sido como Noemi, cuja condição se transformou de tal forma que o povo de Belém disse: "Não é esta Noemi?" (Rute 1:19).
    Como intenso calor e frio testam a saúde e a força de nossos corpos, assim as mudanças em nossas vidas feitas pela providência testam a força da graça de Deus em nossos corações. Ezequias era um homem bom, mas sua fraqueza se revelou quando a pro­vidência lhe trouxe dor e doença (Isaías 38). O espírito de Davi não estava sempre calmo e despreocupado quando ele era cercado pelo perigo. Ele nos diz: "Eu dizia na minha prosperidade: não vacilarei jamais. . . tu encobriste o teu rosto, e fiquei perturbado" (Salmo 30:6-7). Paulo realmente estava rico da graça quando disse: "Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessi­dade" (Filipenses 4:12).
    Consideremos mais detalhadamente como podemos ter um alto grau de paz no coração e na mente em todas as circunstâncias.
    (i) Quando estamos em situações agradáveis, devemos sempre nos lembrar de que todas as coisas são mutáveis. As coisas nas quais nos regozijamos hoje, poderão não ser nossas amanhã. "Por­ventura fitarás os teus olhos naquilo que não é nada? Porque certamente isso se fará asas e voará ao céu como a águia (Provér­bios 23:5). Ezequias se gloriou em seus tesouros, mas o profeta lhe revelou que em pouco tempo não lhe restaria nenhum daqueles tesouros (Isaías 39:2-7). Vocês não conhecem o coração mau que têm até que alguma providência como essa os faça perceber como amam pouco a Deus, e o quanto ainda amam as coisas do mundo.
    Quando eram mais pobres do que agora, porventura não conheciam Deus melhor e não O amavam mais?
    (ii) Quando tudo parece estar contra nós tendemos ir ao outro extremo; por isso precisamos ajuda para manter nossos corações firmes. As providências que trazem problemas e tristezas são de grande importância para o povo de Deus. De fato, ele não pode viver espiritualmente sem tais providências. O melhor cristão logo nota uma queda espiritual se não tiver problemas. Mas nada pode separar de Cristo o povo de Deus. "Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação?" (Romanos 8:35). ]ó experimentou essa verdade (]ó 19:25). O mais longo dia de tribulação terá um fim, e se mil problemas forem designados para vocês, eles terão que chegar a um fim. Como Paulo diz: "Porque a nossa leve e mo­mentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente (II Coríntios 4:17).
    (iii) Quando tudo parece incerto e não sabemos qual o plano da providência de Deus, pensemos como é inútil estarmos cheios de cuidado e ansiedade. "E qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura?" (Mateus 6:27). Por nossa infundada ansiedade, iremos somente perder nossa paz e diminuir nosso ânimo. Não podemos mudar nada em nossa si­tuação. Ao invés disso, evitaremos muitos problemas e dores se esperarmos calmamente até que vejamos como a providência está cumprindo os propósitos de Deus em nossas vidas. Podemos tam­bém descansar nossas mentes na fidelidade de Deus. Pela autori­dade divina da Sua Palavra podemos crer que Ele fará com que tudo que nos concerne termine em felicidade. Não apenas nossa salvação eterna, mas também tudo que é de nosso interesse nesta vida está seguro em Suas mãos. Acalme-se, portanto, na certeza da felicidade que brotará das nossas dificuldades presentes. "Con­fia no Senhor as tuas obras e teus pensamentos serão estabeleci­das' ' (Provérbios 16:3).