• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    O Caminho Estreito - Thomas Watson (1620-1686)









    Este texto mostra que a salvação não é algo tão fácil como tantos imaginam:...desenvolvei a vossa vocação com temor e tremor... " (Filipenses2:12) Muitos fantasiam um modo elegante e fino de se chegar ao céu; um suspiro, ou lágrima, ou "Senhor, tenha misericór dia" supondo que isso irá salvá-los. Aqueles que assim crêem estão num sonho dourado. O texto nos fala de desenvolver nossa salvação. Basílio compara o caminho para o céu com um homem passando por um caminho estreita. Se ele caminhar muito na beira ele cai e se afoga. Aquele que pensa que o caminho é fácil, nunca esteve realmente no caminho. Há tantos preceitos a serem obedecidos, tantas promessas nas quais crer, tantas tentações para se resistir que não acharemos fácil o caminho.

    Não basta apenas a diligencia, tem que haver também a violência. Amados, a porta do céu não é igual àquela porta de ferro que se abriu para Pedro espontaneamente. (Atos 12:10). Não, é necessário bater e forçar. Jacó obteve a bênção por causa dos trajes de Esaú, os quais vestiu. O nome Esaú em Hebraico significa trabalho. Se alguém usa o traje bordado da salvação, deve consegui-lo trabalhando: "desenvolvei a vossa salvação ". O general Anibal abriu caminho para seu exército através dos Alpes. Devemos abrir nosso caminho para a glória em meio as dificuldades. Gosto da resposta dada, de pronto, por um homem com uma picareta escavando um caminho através da rocha: "Encontrarei o caminho ou abrirei um!"

    Devemos ir para o céu através do suor e do sangue. Não se consegue nada sem trabalhar duro. Você não pode ter o mundo sem trabalhar, e como teria Cristo e a salvação sem fazê-lo? Um homem escava para achar uma saída e não escavaria muito mais para achar ouro? Observa-se que Adão no paraíso não ficou ocioso, mas ele cuidou da vinha. Mesmo os anjos, embora sejam espíritos gloriosos, são também espíritos ministradores. (Heb. 1:14). Deus colocou diligência mesmo nas criaturas destituídas de razão. A abelha é a criatura mais laboriosa, todas têm sua própria tarefa para desenvolver na colmeia. Algumas abelhas produzem o mel, outras fazem a cera, algumas moldam o favo, e outras ficam de sentinela à porta da colmeia para afastar o zangão. A abelha seria tão diligente em função do instinto da natureza na fabricação do mel? Oh, quão laboriosos devemos ser no desenvolvi mento de nossa salvação!


    Censura

    Posso retirar deste texto, que considero uma aljava espiritual, muitas flechas de reprovação.

    A. Ele reprova aqueles que, em lugar da salvação, preferem outras coisas, que trabalham mais pelo pão que perece do que pela salvação. Sua preocupação principal consiste em viver neste mundo e conseguir sua subsistência. "Todo trabalho do homem épara a sua boca. " (Ecl. 6:7). O corpo é inclinado a isto e se empenha, essa é sua parte animal, por outro lado a pobre alma fica completamente à míngua. Dessa forma os cristãos agem como pagãos: "assim fazem os gentios ". (Mateus, capítulo 6). Deus não nos mandou aqui somente para usarmos roupas finas ou nos alimentarmos fartamente todos os dias, porém para que pudéssemos nos empenhar em nossa salvação. Se isso não for feito, estaremos atirando aquém da marca o tempo todo. Temos empunhado a bainha da espada e deixado a alma, essa lâmina de admirável têmpera, enferrujar e gangrenar.

    B. Ele reprova aqueles que, ao invés de trabalharem, ficam ociosos na vinha durante todo o dia. Eles desejam a salvação, entretanto não fazem o trabalho. O cristão ocioso é como um soldado que está interessado no espólio e no tesouro de um castelo, todavia reluta em arriscar-se ou teme meter-se em apuros. Os homens estariam contentes se fosse possível obter a salvação da mesma maneira que aconteceu com os figos temporões de Naum 3:12: "caíram na boca de quem os haveria de comer ". O preguiçoso "esconde a sua mão no seio " (Prov. 19:24), e hesita em retirá-la, ainda que fosse para pegar uma coroa. "Que dormis em camas de marfim ". (Amós 6:4). Os homens preferem antes, dormir numa cama macia do que ir para o céu num flamejante carro de zelo.

    Crisóstomo chama a preguiça de raiz do desespero. Um cristão inativo gasta seu tempo inutilmente. Ele vive no mundo em busca de cifras, mas esteja certo de que Deus não registra cifras no Livro da Vida. Uma pessoa inativa é um solo fértil para o diabo trabalhar nele. Não costumamos lançar a semente numa terra despreparada, contudo o diabo lança a maioria das suas sementes de tentação nos corações despreparados. Jerônimo faz a seguinte observação sobre o carangue jo. Enquanto a ostra se abre, o caranguejo joga uma pedrinha em sua boca de modo que ela não possa mais se fechar e então o caranguejo a devora. O diabo é como este caranguejo quando ele pega os homens bocejando (o que é comum para aqueles que são preguiçosos), então ele atira suas pedras de tentações em suas bocas e os devora.

    C. Ele reprova aqueles que, ao invés de fazerem da religião um trabalho, fazem dela uma brincadeira. Estes são aqueles que têm encontrado um novo caminho para o céu, que tornam o caminho mais fácil do que Cristo jamais o fez! Assim, como dizer que não há lei para o crente, e se não há lei, então não há transgressão, e se não há transgressão não há necessidade de arrependimento. Entre o arminiano e o antinomiano há um atalho para o céu. O arminiano diz que temos poder em nós mesmos para crer, e o antinomiano diz que o crente não está debaixo de nenhuma lei, ele não está obrigado a nada. Cristo fez tudo por ele, de modo que dando este passo ele está automaticamente no céu. Se esta doutrina é verdadeira, então todos os dias são dias de folga, e o apóstolo cometeu um erro quando disse: "desenvolvei a vossa salvação ".

    D. Ele reprova aqueles que, ao invés de desenvolverem a própria salvação, discutem-na, como se pudessem argumentar contra a auto ridade das Escrituras e fazer de nossa fé uma fábula; tal como argumentar contra a imortalidade da alma e assim de uma vez por todas derrubar o tribunal da consciência; como se pudessem argumentar contra a divindade de Cristo. Esta pode ser chamada, realmente, de doutrina de demônios. (I Tim. 4:1). É uma doutrina diametralmente oposta ao versículo em I João 5:20: "E no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu filho Jesus Cristo, este é o verdadeiro Deus e a vida eterna. (" Este texto é uma proteção contra o socinianismo - Do Socínio. Salvação pelas obras.)

    Oh, que paciência Deus tem para com aqueles que abrem suas bocas para blasfemar contra Cristo, para que a terra não se abra para engoli-los! É lamentável que os tais se atrevam a contestar a divindade do Filho de Deus, mas isso será para a própria condenação deles. Alguns dos melhores escritores pagãos (Livio, Aristóteles, Plutarco) afirmam que houveram sentenças e punições decretadas por príncipes e governadores pagãos a respeito da religião. Se o pagão não permitia que o seu deus fosse blasfemado, porventura os cristãos permitiriam que Cristo fosse blasfemado?

    E. Ele reprova aqueles que adiam o desenvolvimento da salvação até que não podem mais trabalhar. Eles adiam o arrependimento até chegarem à idade avançada e à enfermidade.

    (i). Até à idade avançada. Quando puderem realizar mais nenhum outro trabalho, então começarão este. A idade avançada não é uma boa idade para se arrepender. Quando os dedos já estiverem endurecidos, fica difícil aprender a tocar alaúde. Quando o coração já estiver inflexível e endurecido pela maldade, fica difícil subjugá-lo em penitência. Uma planta tenra é facilmente removida, porém é difícil arrancar uma velha árvore que já esteja enraizada. Um pecador idoso que tenha estado muito tempo enraizado no pecado dificilmente é arrancado de seu estado natural. Em matéria de salvação é perigoso adiar. Quanto mais tempo os homens estiverem no pecado, mais ampla será a possessão de satanás sobre eles. Quanto mais tempo o veneno permanecer no estômago, mais mortal será.

    É uma loucura adiar o desenvolvimento da salvação até o cair da tarde, até o pôr do sol. "A noite vem, quando ninguém pode traba lhar. " (João 9:4). Um marinheiro seria muito imprudente se permane cesse ancorado quando o navio está equipado, com as máquinas com capacidade, vento favorável, e o mar calmo, porém ao chegar a tempestade e o navio começar a se encher de água, então se decidisse a içar velas para a viagem. Esta é a condição daquele que negligencia a saúde e o vigor, e quando a idade avançada chega e sua máquina estiver já arruinada, então ele começa a pensar na sua viagem em direção ao céu.

    E muito questionável se Deus irá aceitar o arrependimento dele quando já é tão tarde. Ele chama para os primeiros frutos, e achamos que podemos oferecer-Lhe só o restolho? Este não foi o menor dos motivos pelos quais Deus rejeitou a oferta de Caim, pois aquela oferta foi feita com muito tempo de atraso. "E aconteceu que ao cabo de dias que Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao Senhor " (Gen. 4:3), ou, como no original que é mais enfático: "depois de muitos dias. " Parece que já estava estragada quando foi trazida. Não seria indigno os homens darem ao diabo seu vigor e suas forças e trazerem diante do altar de Deus seus ossos velhos e sem nenhum vigor? É verdade que Deus pode mostrar Sua misericórdia no final, contudo isso pode ser um risco perigoso. O pecador, na idade avançada, dorme entre a morte e o diabo como Pedro dormiu entre os dois soldados.

    (ii). Até chegará enfermidade. Seria muito imprudente que, aquele que se prepara para uma longa jornada colocasse a bagagem sobre o cavalo mais fraco. Não seria imprudência colocar a bagagem pesada do arrependimento sobre si quando você está tão fraco por causa da enfermidade? Quando as mãos vacilam, os lábios tremem, as forças diminuem, e o coração desfalece? Possivelmente você não sofrerá enfermidades, possivelmente não terá o uso de seus sentidos. É possível que Deus negue Sua graça a você e então onde estará seu arrependimento? É provável que aquele que se esquece de Deus em tempos de saúde, Deus Se esqueça dele em tempos de enfermidade.

    F. Ele reprova aqueles que começam a trabalhar, mas não desen volvem sua salvação. Não basta ter um bom começo. Alguns há que, como Jeú, atiram-se com tudo na religião, mas em pouco tempo seu esmorecimento é bem visível. Nós vivemos no outono. Observamos muitos que uma vez floresceram e deram boas esperanças de conversão, porém suas primaveras transformaram-se em outonos. Pararam de trabalhar para o céu, um sinal de que a motivação era apenas superficial e não vital. "Israel rejeitou o bem". (Os. 8:3). Eles que uma vez foram diligentes e zelosos na oração, que se reuniam santamente, agora deixaram as coisas boas. Eles se cansaram em sua caminhada para o céu.

    Eu tenho pensado com freqüência que há muitos que podem ser comparados à imagem de Nabucodonosor em Daniel, capítulo 3. A princípio eles pareciam ter a cabeça de ouro. Eles se assemelhavam a gloriosos professores. Então depois pareciam ser prata, depois cobre, ferro e então barro. Eles por fim se degeneraram no pecado. Assim, como acontece com manhãs ensolaradas, eles rapidamente se torna ram nublados. Epifanios fala dos gnósticos que a princípio pareciam ser um povo santo e rigoroso, todavia posteriormente caíram na libertinagem. Alguns se tornaram tão impudentes que vangloriaram--se de sua apostasia. Foram os tempos quando eles liam e oravam com suas famílias, mas agora agradecem a Deus porque têm se tornado mais sábios e abandonaram essas tarefas. Bem como se você pudesse ouvir o diabo vangloriando-se de que primeiro era um anjo de luz, porém agora se transformou no anjo das trevas. Os apóstatas são os mais ricos despojos que satanás leva consigo. Ele irá dependurá-los no inferno como seu troféu de triunfo. Os tais que deixaram de trabalhar, que leiam este trovejante versículo em II Ped. 2:21: "Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo--o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado. " Ao deixar de trabalhar, eles perderam tudo o que haviam feito antes. Eles perderam sua recompensa. Aquele que corre metade da corrida e depois desmaia, perde o prêmio.