• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Stephen Hawking, O Big Bang e Deus



    Conheça o Autor: Dr. Henry "Fritz" Schaefer III Dr. "Fritz" Schaefer é Graham Perdue Professor de química e diretor do centro para computação quântica química na universidade da Geórgia. Foi nomeado para o Prêmio Nóbel e foi recentemente o terceiro químico mais citado no mundo. "O significado e alegria em minha ciência vem nos momentos ocasionais de descobrir algo novo e dizer para mim: 'Como Deus fez isto?' Minha meta é entender um pouco do plano de Deus". -U.S. News & World Reportl, Dez. 23, 1991.


    (Este artigo é uma cópia de uma conferência que dr. Schaefer apresentou na universidade do Colorado na primavera de 1994, patrocinado por Christian Leadership e outros ministérios de campus. Mais de 500 estudantes e professores estavam presentes.)


    O best-seller de Stephen Hawking, Uma Breve História do Tempo é conhecido por ser o livro mais popular já escrito sobre cosmologia. Os tópicos de cosmologia e outras questões são cientificamente e teologicamente profundos. O livro de Hawking abrange ambos os campos. Cosmologia é o estudo do Universo como um todo--sua estrutura, origem e desenvolvimento. Eu não responderei todas as perguntas que Hawking faz relativo a cosmologia, mas eu tentarei fazer comentários em muitas delas. Eu gostaria de dizer que você não deveria confundir cosmologia com cosmetologia, a arte de embelezar o cabelo, pele, e unhas! Aqui estão algumas das perguntas de cosmologia que busco responder (como em outro lugar nesta conferência, eu utilizei excelentes livros do astrofísico Hugh Ross "The Fingerprint of God"e "The Creator and the Cosmos".):


    1. O Universo é finito ou infinito em extensão e conteúdo?

    2. É eterno ou tem um começo?

    3. Foi criado? Se não, como começou? Nesse caso, como esta criação foi realizada e o que podemos aprender sobre o agente e os eventos da criação?

    4. Quem ou o que governa as leis e constantes da física? Tais leis são o produto do acaso ou elas foram projetadas? Como elas se relacionam ao apoio e desenvolvimento da vida?

    5. Há qualquer existência conhecível além das dimensões conhecidas do Universo?

    6. O Universo está se degradando ou evoluindo?


    O Big Bang


    A idéia que o Universo teve um tempo específico de origem foi resistido filosoficamente por alguns cientistas muito distintos. Poderíamos começar com Arthur Eddington, que experimentalmente confirmou a teoria da relatividade geral de Einstein em 1919. Ele declarou uma dúzia de anos depois: "filosoficamente, a noção de um começo para a ordem presente me é repugnante e gostaria achar uma abertura genuína". Ele disse depois "temos que dar para a evolução uma quantia infinita de tempo para ser começar". A reação de Albert Einstein para as conseqüências de sua própria teoria geral de relatividade parece reconhecer a ameaça de um encontro com Deus. Pelas equações da relatividade geral, nós podemos localizar para trás no tempo a origem do Universo com algum tipo de começo. Porém, antes de publicar suas conclusões cosmológicas, Einstein introduziu uma constante cosmológica, um "falso fator", para confirmar um modelo estático para o Universo. Einstein afirmou depois que isto foi o maior deslize de sua carreira científica.

    Einstein deu invejosa aceitação ao que ele chamou "a necessidade de um começo" e "a presença de um poder racional superior". Mas ele nunca aceitou a realidade de um Deus pessoal.

    Por que tal resistência para a idéia de um começo definido do Universo? Veja o primeiro argumento, o argumento cosmológico,:

    (a) tudo o que começa a existir tem que ter uma causa;

    (b) se o Universo começou a existir, então

    (c) o Universo tem que ter uma causa. Você pode ver a direção na qual este argumento está fluindo--uma direção de desconforto para alguns físicos.


    Em 1946, propôs George Gamow, um cientista nascido russo, que a explosão inicial, o "big-bang" foi uma intensa concentração de pura energia. Foi a fonte de toda a matéria que agora existe no Universo. A teoria prediz que todas as galáxias no Universo deveriam estar se afastando uma da outra a altas velocidades como resultado daquela explosão inicial. Uma definição do dicionário da teoria do Big-Bang é "o inteiro Universo físico, toda a matéria e energia e até mesmo as quatro dimensões do tempo e espaço, explodiram adiante de um estado de infinito ou próxima densidade infinita, temperatura, e pressão".

    Em 1965, a observação da radiação de fundo de microondas por Arno Penzias e Robert Wilson dos laboratórios da Bell Telephone convenceu a maioria dos cientistas da validez da teoria da grande explosão. Mais adiante observações informadas em 1992 alteraram a teoria do big-bang de uma pequena minoria para a quase unânime aceitação entre os cosmólogos: houve uma origem a aproximadamente 15 bilhões anos para o Universo.

    Sobre as observações de 1992 do COBE (o satélite de NASA ou Explorador do Fundo Cósmico), havia uma história na primeira página de virtualmente todo jornal no mundo. O assunto que saiu no London Times, New York Times, etc. e que parecia atormentar era uma declaração de George Smoot, líder da equipe do laboratório de Lawrence-Berkeley. Ele disse, "é como olhar para Deus". Obviamente, isto capturou a atenção do público.

    Uma definição um pouco mais sóbria dos achados foi dita por Frederick Burnham, um historiador da ciência. Ele disse, "estes achados, agora disponíveis, fazem a idéia que Deus criou o Universo, uma hipótese mais respeitável hoje que a qualquer hora nos últimos 100 anos".

    Nem todo mundo ficou extático sobre estas observações que revelaram as denominadas "ondulações do Big-Bang". Certamente, os que tinham discutido tão fortemente e apaixonadamente para um modelo estático do Universo não gostaram nada da interpretação destes resultados --principalmente duas pessoas, Fred Hoyle, o astrônomo britânico, e Jeffrey Burbidge, astrofísico muito distinto na universidade da Califórnia, em San Diego.

    Nós podemos começar a entrar nas implicações filosóficas destas observações quando nós avaliamos a declaração de Burbidge (feita durante uma discussão de rádio com Hugh Ross) nestas coisas. Burbidge desconta a nova experiência. Ele ainda é um forte defensor hoje, em face a evidência opressiva, da teoria estática. Ele diz que estas novas experiências vêm da "primeira igreja de Cristo do Big-Bang". Eu posso lhe falar que meu antigo colega George Smoot, no laboratório de Lawrence-Berkeley, reagiu a esta declaração. Ele insistiu absolutamente que suas observações estivessem de nenhuma maneira coloridas por qualquer pressuposição religiosa.

    Burbidge diz algo que é verdade, porém. Ele defende a hipótese estática e diz que suas observações apóiam o hinduísmo e não o cristianismo. Isso está correto, porque uma teoria estática do Universo, se fosse verdade, daria um pouco de apoio aos ciclos infinitos ensinados pelo hinduísmo. A teoria do Big-Bang é evidência significante contra o hinduísmo.

    Hugh Ross, um astrofísico, escreveu muito neste tópico. Ele nos traz novamente nas implicações filosóficas. Ross diz que, por definição: "o tempo é aquela dimensão em qual fenômeno causa e efeito acontecem... Se o começo do tempo é simultâneo com o começo do Universo, como o teorema de espaço-tempo diz, então a causa do Universo deve ser alguma entidade operando em uma dimensão de tempo completamente independente e pré-existente à dimensão do tempo do cosmo. Esta conclusão é poderosamente importante a nossa compreensão de quem Deus é e quem ou o que Deus não é. Nos mostra que o Criador é transcendente e opera além dos limites dimensionais do Universo. Nos mostra que Deus não é o próprio Universo, nem Deus é contido dentro do Universo. Estas são duas idéias muito populares que nos levam metafisica ou filosoficamente para algo muito significante. Se a teoria do Big-Bang é verdadeira, então podemos concluir que Deus não é igual ao Universo (uma idéia popular) e que Deus não está contido dentro do Universo (outra idéia popular).

    Stephen Hawking disse em seus escritos: "o atual ponto da criação permanece fora do âmbito das leis físicas" e um menos famoso mas muito distinto cosmólogo, o professor Alan Guth do MIT, diz que "o momento inicial da criação permanece inexplicado".

    Eu quero citar de um livro que eu não recomendo. É de um físico brilhante, Leon Lederman, um vencedor do prêmio Nobel. Chama-se The God Particle e embora o título soe muito atraente, a boa informação está toda no primeiro parágrafo. O resto só fala do edifício do SSC. Mas o primeiro parágrafo é maravilhoso; é um grande resumo do que eu disse até agora:

    "No mesmo começo, havia um vácuo, uma forma curiosa de vazio, um nada que não continha nenhum espaço, nenhum tempo, nenhuma matéria, nenhuma luz, nenhum som. Todavia as leis da natureza estavam no lugar e este curioso vazio ajudava o potencial. Uma história começa logicamente no princípio, mas esta história é sobre o Universo e infelizmente não há nenhum dado para os mesmos começos ,nenhum, zero. Nós não sabemos nada sobre o Universo até que alcança a idade madura de um bilhão... de um trilionésimo de um segundo. Quer dizer, algum tempo muito pequeno depois da Criação pelo Big-Bang. Quando você ler ou ouvir falar qualquer coisa do nascimento do Universo, alguém está fazendo isto - nós estamos no reino da filosofia. Só Deus sabe o que aconteceu no começo".

    Isso é tudo que Lederman tem a dizer sobre Deus--no primeiro parágrafo--e isso é tudo. O que fez o livro de Hawking tão popular é que ele fala do princípio ao fim sobre Deus.


    Stephen Hawking


    Hawking é talvez o mais famoso cientista vivo. Seu livro, Uma Breve História do Tempo, está disponível em livro e eu o recomendo muito. Vendeu mais de 10 milhões de cópias e eu acredito que ele vendeu cinco milhões antes da versão atual. É quase desconhecida na história da ciência outra história de um livro científico vender tanto. Houve um filme feito sobre o livro. O filme também é bom. Houve até mesmo um livro feito sobre o filme. Hawking tem um maravilhoso senso de humor. Ele escreve na introdução de seu segundo livro, "Este é o livro do filme do livro. Eu não sei se eles estão planejando um filme do livro do filme do livro ".

    Quero começar dizendo algo sobre a pesquisa científica de Stephen Hawking. Hawking fez sua reputação investigando, em grande detalhe, uma parte particular de problemas: a singularidade e horizontes ao redor dos buracos negros e no começo do tempo. Agora, todo mundo sabe que se você encontrar um buraco negro, seria a última coisa você encontraria--e isso está correto! Um buraco negro é um sistema volumoso condensado que a força de gravidade puxa tudo dentro dele e até mesmo luz deixa de escapar.

    O primeiro trabalho principal de Hawking foi publicado com Roger Penrose, físico muito famoso em seu campo e George Ellis, durante o período 1968-1970. Eles demonstraram que toda solução para as equações da relatividade geral mostrava a existência de um limite singular durante o espaço e tempo no passado. Isto é agora conhecido como o "teorema de singularidade" e é um achado tremendamente importante.

    Depois, trabalhando por si mesmo, em 1974, ele começou a formular idéias sobre a evaporação do quantum explodidos de buracos negros, a agora famosa "Radiação de Hawking". Estes são trabalhos científicos tremendamente importantes.

    O trabalho mais referido para Uma Breve História do Tempo também é o mais especulativo: o trabalho de 1984 com James Hartle, professor na universidade da Califórnia, em Santa Barbara. Usando um elegante modelo de flutuação de vácuo, eles puderam dar uma racionalização matemática para o Universo inteiro que vem em existência no começo do tempo. Isto também é chamado o "Universo como uma função de onda". Eu preciso enfatizar que eles estavam usando modelos muito simples. Agora, enquanto tais exercícios matemáticos são altamente especulativos, eles podem nos conduzir a um entendendimento mais fundo deste evento de criação.

    Hawking é certamente o físico mais famoso na história que não ganhou o prêmio Nobel. Isto confundiu as pessoas. Elas automaticamente pensam que ele ganhou o prêmio Nobel. Ele ainda não ganhou. Isto é porque os requisitos da Academia Real sueca diz que uma descoberta premiada deve ser apoiada por verificação experimental ou evidência observacional. O trabalho de Hawking , datado, permanece não comprovado. As matemáticas da teoria dele, porém, são certamente bonitas e elegantes. A ciência está começando a verificar a existência de buracos negros, a "radiação de Hawking" ou quaisquer das propostas teóricas mais radicais dele.

    Minha opinião é que dentro do próximo ano ou dois nós teremos evidência firme para a existência de buracos negros. Infelizmente, eu acredito que a pessoa que irá ganhar o prêmio Nobel será o observacionalista que propor seus dados. Assim eu penso que Hawking pode não vencer o prêmio Nobel logo, embora ele seja o cientista mais famoso do mundo. Até mesmo se alguns aspectos em volta de pesquisa de Hawking estiverem errados, ele terá tido um impacto profundo na história do pensamento científico. Einstein estava errado sobre todo o assunto de coisas, especialmente mecânicas de quantum, e nós ainda o reconhecemos como um dos três grandes gênios da física.


    E Deus


    Uma Breve História do Tempo diz muito sobre Deus. Deus é mencionado do princípio ao fim neste livro. Assim vamos tentar pôr as opiniões de Hawking sobre Deus em algum tipo de contexto. O contexto é que Stephen Hawking se decidiu sobre Deus antes que ele se tornasse um cosmólogo. A influência primordial na vida dele foi a mãe, Isabel. Isabel Hawking era um membro do partido comunista na Inglaterra nos anos 30, e seu filho levou boa parte daquela bagagem intelectual pela vida dele. Até que ele tivesse 13 anos, o herói de Hawking era o filósofo e matemático ateu, Bertrand Russell. À mesma idade, dois dos amigos de Hawking se tornaram cristãos como resultado da campanha de Londres de 1955 de Billy Graham . De acordo com seus biógrafos de 1992, Hawking estava de pé nestes encontros, com "uma certa separação divertida". Não há nada em Uma Breve História do Tempo que diverge do modo significante das visões religiosas dos 13 anos de Stephen Hawking .

    O evento mais importante da vida dele aconteceu a 31 de dezembro de 1962. Ele conheceu sua futura esposa, Jane Wilde, na festa de Ano Novo. Um mês depois, ele foi diagnosticado com uma doença terrível, ALS, esclerose amiotrófica lateral. Ele foi determinado a viver mais dois anos a partir daquele momento. Isso foi a 32 anos atrás. Eu tive três amigos que morreram desta doença. É uma doença horrível. Eles duraram dois, três, e cinco anos, respectivamente. Por qualquer estimação, Stephen Hawking é um milagre médico. Neste momento de sua vida, 1962, Stephen era um estudante diplomado na Universidade de Cambridge. Deixe-me citar dois biógrafos dele, White e Gribbon, neste ponto:

    "Há pouca dúvida que o aparecimento de Jane Wilde em cena fosse um ponto decisivo na vida de Stephen Hawking. Os dois começaram a ver muito mais um ao outro e uma forte relação foi desenvolvida. Estava encontrando Jane que o permitiu fugir da depressão e renovar alguma convicção em sua vida e trabalho. Para Hawking, o compromisso dele para Jane era provavelmente a coisa mais importante que lhe aconteceu. Mudou a vida dele, lhe deu algo para viver e o fez determinado a viver. Sem a ajuda que Jane lhe deu, ele certamente quase certamente não poderia continuar ou ter vontade para isto". Eles se casaram em julho de 1965. Hawking disse que "o que realmente fez uma diferença foi que eu fiquei ligado a uma mulher chamada Jane Wilde. Isto me deu algo para viver". Jane Hawking é uma pessoa interessante em seu campo. Eu penso que ela decidiu em entrar em uma disciplina acadêmica até onde foi possível de seu marido. Ela tem um doutorado em literatura portuguesa medieval!

    Jane Hawking é uma cristã. Ela fez a declaração em 1986, "sem minha fé em Deus, eu não teria podido viver nesta situação"; isto é, a saúde deteriorada de seu marido. "Eu não teria podido casar com Stephen em primeiro lugar porque eu não teria tido o otimismo para me levar a cabo e eu não teria podido continuar com isto".

    A razão que o livro vendeu mais de 10 milhões de cópias, i.e., a razão para o sucesso de Hawking como um popularizador da ciência, é que ele mostra os problemas de significado e propósito que preocupam todas as pessoas de pensamento. O livro sobrepõe com convicção cristã e faz tão deliberadamente, mas graciosamente e sem rancor. É um livro importante que precisa de ser tratado com respeito e atenção.

    Não há nenhuma razão para concordar com todo o avanço em Uma Breve História do Tempo e você verá que eu tenho algumas áreas de discordância. Foi dito que este é talvez o livro menos lido na história da literatura. Eu primeiro preparei este material para uma conferência em dezembro de 1992, porque eu fui convidado por um amigo na Austrália para ir lá e falar disto. Ele me falou, " algumas pessoas muito importantes em Sydney compraram este livro. Alguns disseram ter lido este livro". Assim eu o encorajo que você seja um desses que leram Uma Breve História do Tempo de fato.

    Começaremos com os aspectos filosóficos de Uma Breve História do Tempo que explica por quê tem vendido tantas cópias. Stephen Hawking disse: "é difícil discutir o princípio do Universo sem mencionar o conceito de Deus. Meu trabalho na origem do Universo está na fronteira entre a ciência e a religião, mas eu pretendo ficar no lado científico da fronteira. É muito possível que Deus atue de maneiras que não podem ser descritas por leis científicas, mas neste caso, teria que simplesmente passar pela fé pessoal." Quando perguntado se ele cria que a ciência e o cristianismo estavam em divisão, Hawking respondeu: "...então Newton não descobriu a lei da gravidade." Ele sabia que Newton tinha fortes crenças religiosas.

    Uma Breve História do Tempo tem interessantes frases ambíguas como "mesmo quando só há uma possível teoria unificada [aqui ele está falando sobre a unificação da mecânica quântica com um entendimento da gravidade], é só um conjunto de regras e equações. É o que respira fogo das equações e faz um Universo para eles descreverem?" (pág. 174). Eu amo esta frase.

    Hawking se diverte porque Albert Einstein não acreditava na mecânica quântica. Quando perguntado por quê ele não acreditava na mecânica quântica, Einstein dizia coisas como "bem, Deus não joga dados com os seres humanos"(p. 56). A resposta de Hawking é que Deus não só joga com dados, Ele às vezes os joga onde ninguém os pode ver.

    A primeira vez que eu li Uma Breve História do Tempo, pelas primeiras 122 páginas, eu pensei, "este é um grande livro; Hawking está construíndo um grande painel para a Criação por um Ser inteligente." Mas então tudo muda e este épico cosmológico magnífico se prejudica por uma fraca filosofia e teologia.

    Por exemplo, ele escreve, "estas leis podem ter sido decretadas originalmente por Deus, mas parece que Ele tem deixado o Universo evoluir segundo elas e não interveio até agora" (pág. 122). O ponto em que Hawking diz "parece" é infundado e dá a idéia que o Deus disso não é o Deus da história bíblica. O que se segue é uma mistura curiosa de deísmo e o Deus oblíquo dos buracos.

    Agora, para que ninguém se confunda, deixe-me mostrar que Hawking nega acusações que ele é um ateu. Quando ele é acusado fica indignado e diz que tais asserções são falsas. Ele é um agnóstico, deísta ou algo destas linhas. Ele certamente não é um ateu e inclusive não é simpatizante do ateísmo. Uma das mais famosas e citadas declarações do livro é, "tanto quanto o Universo teve um princípio, nós poderíamos supor que tenha um Criador [o argumento cosmológico]. Mas se o Universo é infinito, não tem extremidade ou borda, não tem princípio ou fim: ele simplestemente existe. Que lugar, então, para um Criador?" (pp. 140 - 1).

    Assim Hawking está incerto sobre sua crença em um deus de sua própria criação. Eu não posso resistir a conclusão que o deus de Stephen Hawking é muito pequeno. No final do livro ele declara, "no entanto, se nós descobrimos uma teoria completa...então nós conheceríamos a mente de Deus" (p. 175). Eu gosto desta declaração mas eu creio que ele está desejando muito. Eu a modificaria para dizer que se nós tivéssemos uma completa e unificada teoria, nós saberíamos muito mais da mente de Deus.


    O princípio antrópico


    Devo dizer algo sobre o princípio antrópico: há vários parâmetros científicos ou constantes, qualquer um dos quais, se simplesmente mudados um pouco, fariam a Terra inabitável pelos seres humanos. Um livro que eu recomendo é The Creator and the Cosmos, de Hugh Ross. Ele tem uma discussão substancial do princípio antrópico e demonstra por quê muitos físicos e astrônomos tem considerado a possibilidade que o Universo não só foi causado divinamente, mas de fato foi divinamente projetado. Uma pessoa deste tipo é o astrônomo panteísta, George Greenstein que faz esta declaração, "quando nós pesquisamos toda a evidência, o pensamento aparece insistentemente que alguma força sobrenatural, ou melhor um Agente, deve estar envolvido. É possível que de repente, sem pensar, nós temos tropeçado na prova científica da existência de um ser supremo? Foi Deus que projetou e criou o cosmos para nosso benefício?"

    Eu acredito que Greenstein tem ido um pouco longe em outra direção. Eu não penso que nós temos prova da existência de Deus mas eu penso que nós temos, no entendimento do Big-Bang, alguma boa evidência para a existência de Deus. Outros tem feito um comentário sobre esta evidência. Um livro que eu recomendo é Dreams of a Final Theory, Steven Weinberg. Ele não tem Deus no título, mas é comentado no livro inteiro. Ele conta a história sobre um poema do venerável Bede, uma pessoa religiosa da idade média. No poema, Bede fala sobre o privilégio de nossa existência e o comentário de Weinberg nisto é, "é uma tentação quase irresistível crer junto com o venerável Bede que deve haver algo para nós além da nossa existência." Deve haver algo mais além do materialismo.

    É claro que esta idéia vem no Novo Testamento. Por exemplo, Paulo, o apóstolo escreveu, "pois os seus atributos invisíveis, o seu eterno poder e divindade, são claramente vistos desde a criação do mundo, sendo percebidos mediante as coisas criadas, de modo que eles são inescusáveis;"(Rm. 1:20). Isto é exatamente o que Weinberg está falando sobre a tentação quase irresistível.


    Ateísmo


    É muito raro que um cientista fisico seja de verdade um ateu. Por que isto é verdade? Freeman Dyson, um membro da faculdade de Princeton, disse, "a natureza tem sido mais amável a nós que nós teríamos o direito de ter." Martin Rees, um dos colegas de Hawking em Cambridge, declarou, "a possibilidade de vida como nós a conhecemos depende de umas contantes básicas, físicas e em algum respeito sensíveis a seus valores numéricos. A natureza exibe concidências notáveis."

    Alguns cientistas expressam surpresa a tantas coincidências acidentais. No entanto, esse assombro desaparece rapidamente quando alguém vê o propósito divino em lugar da arbitrariedade das leis natureais. Contra a lógica evidente, alguns ateus continuam exigindo que o Universo e a vida humana foram criados por acaso. Uma resposta a este argumento foi desenvolvida pelo filósofo William Craig. O argumento ateu mostra que já que nós estamos aqui, nós sabemos que tudo veio por força material. O contra-argumento de Craig diz:

    Vamos supor que doze atiradores de elite são enviados para executar um prisioneiro em um esquadrão de fuzilamento. Todos atiram na direção dele, mas o prisioneiro escapa ileso. O priosioneiro concluiria, já que ele está vivo, que todos os atiraradores erraram por alguma chance extremamente improvável. Ele pode querer atribuir sua sobrevivência a uma boa sorte. Mas ele seria mais racional concluir que as armas estavam carregadas com festim ou que os atiradores erraram de propósito. Não só a vida é altamente improvável, mas sua aparência, quase imediatamente, talvez por um pequeno período de 10 milhões de anos seguindo a solidificação e esfriamento de nosso planeta, desafia a explicação por leis físicas e químicas convencionais.


    Nenhuma proposta de limite de Hawking


    Vamos voltar para a proposta de Hawking que o Universo não tem limite-como função de onda, vindo à existência há 15-20 bilhões de anos. O uso de tempo imaginário é um poderoso truque matemático que é usado em certas ocasiões por químicos e físicos teóricos. Meu melhor amigo em Berkeley, William Miller, em 1969 usou o tempo imaginário para entender a dinâmica de reações químicas e deu uma palavra familiar. É uma ferramenta poderosa. Na proposta de não-limite de Hawking e Hartle a noção de que o Universo não teve começo ou fim só existe em termos matemáticos. No tempo real, que é onde os seres humanos estão confinados, ao invés do tempo imaginário de Hawking, haverá sempre uma singularidade, isto é, um princípio de tempo. Entre suas declarações contraditórias em Uma Breve História do Tempo, Hawking realmente mostra isso. "Quando alguém se refere ao tempo real em que nós vivemos, no entanto, parecerá que ali tem singularidades....," ele escreveu. "Em tempo real, o Universo tem um princípio e um fim na singularidade que forma um limite para o espaço-tempo em que as leis da ciências são quebradas" (p. 139). Só se nós vivêssemos no tempo imaginário nós não teríamos singularidades. Aqui ele respondeu sua própria pergunta.

    A ciência está principalmente interessada em fatos, não o motivo, e assim uma descrição científica completa da criação não fornece um grande relato ao mesmo tempo. O famoso argumento de William Paley sugere que se você está passeando num bosque e encontra um relógio no chão, não conclui que o relógio reuniu sozinho suas peças, apesar de nós podermos ver o relógio em suas diferentes peças, olhar cada uma delas e entender como funciona. Nós vemos o relógio no chão e concluímos sabiamente que foi projetado por alguma inteligência superior.

    Em Uma Breve História do Tempo, Hawking diz, "se a proposta de não-limite para o Universo está correta, ele [Deus] não teria liberdade em absoluto para escolher as condições iniciais" (p. 174). Esta declaração é um passo para a irracionalidade. Por que Hawking encontra, junto do funcinamento do Universo, aspectos que parecem ser para ele limitações do poder de Deus? Isto não mostra um Deus infinito, mas atributos do homem finito. A saber, nós como seres humanos podemos discernir cientificamente só características do Criador quando elas se relacionam, ao que se crê, ao que nós podemos observar. Esta limitação reduz imediatamente o que poderia ser infinito a condição finita de nossa existência.

    É claro que biblicamente não há nenhum problema em aceitar a divina vontade como opção divina, se o Criador escolheu executar de acordo com Sua vontade e leis estabelecidas. A tenacidade divina a Suas prórias leis é, claro, a mesmo essência do Deus bíblico.

    Outra das declarações polêmicas de Hawking precisa ser comentada. Ainda que não se originou com ele, é assim: "nós somos criaturas insignificantes em um planeta menor de uma estrela média do subúrbio extremo de bilhões de galáxias. Por isso é difícil acreditar em um Deus que se preocupasse conosco ou notasse nossa existência."

    Minha contestação a essa declaração de Hawking e a outros que tem dito isto durante os anos, é que é uma coisa tola de se dizer. Não há nenhuma evidência para dizer que há vida no Universo. Os seres humanos, de longe, parecem ser as espécies mais avançadas do Universo. Talvez Deus se preocupa concosco! Onde Hawking vê o cosmos e conclui que a característica do homem ainda está para ser investigada, eu considero os mesmos dados e concluo que a humanidade é muito especial.


    Cientistas cristãos


    Estamos todos de acordo com a opinião de Hawking nestes assuntos? A resposta é não. Alan Lightman, professor do MIT, disse em seu livro, Origins: The Lives and Worlds of Modern Cosmologists (Harvard University Press, 1990): "Contrariamente aos mitos populares, os cientistas parecem ter as mesmas atitudes sobre os assuntos religiosos que o público geral." Este fato pode ter vindo tanto de anedota como de dados estatísticos. Sigma Xi, a honrada sociedadede científica, realizou uma grande votação a alguns anos mostrou que, em um certo domingo, por volta de 46% de todos os cientistas com Ph.D. estão na igreja; para a população geral a cifra é 47%. Portanto, qualquer coisa influi nas pessoas em suas crenças sobre Deus, não parece ter muito a ver com ter um Ph.D em ciência.

    Há muitos excelentes contra-exemplos a Stephen Hawking. Um é meu colega em Berkeley, durante 18 anos, Charlie Townes. Townes ganhou o prêmio Nobel por descobrir o laser. Uma declaração que ele fez difere enormememente da visão de Hawking; ele disse: "ao meu ponto de vista, a questão da origem parece ficar sem respostas se nós explorarmos exclusivamente de um ponto de vista científico. Assim, eu creio que há uma necessidade de alguma explicação religiosa ou metafísica. Eu creio no conceito de Deus e em Sua existência."

    Arthur Schawlow é outro ganhador do prêmio Nobel, professor em Stanford e cristão. Ele declara, "nós somos privilegiados por ter a Bíblia e sobretudo o Novo Testamento que nos diz tanto sobre Deus em termos humanos muito acessíveis."

    Outro professor de Cambridge de física teórica por muito tempo na carreira de Hawking foi John Polkinghorn, um físico nuclear. Ele deixou sua cadeira de física teórica em Cambridge em 1979 e entrou para o seminário para ser ministro. Ao completá-lo, ficou numa paróquia por algum tempo e agora regressou como presidente do Queen's College em Cambridge. Ele declara, "eu tenho a Deus muito seriamente. Eu sou um cristão fiel e creio que Deus existe e se tem conhecido em termos humanos por Jesus Cristo."

    Provavelmente o maior cosmólogo observacional do mundo é Allan Sandage. Sandage trabalha em Pasadena, Califórnia nos Observatórios Carnegie. Em 1991, ele recebeu um prêmio dado pela academia sueca que se dá a cada seis anos em física para a cosmologia e merece a mesma quantidade de dinheiro do premio Nobel (nao há um prêmio Nobel para a cosmologia). Sandage inclusive foi chamado "o grande homem velho da cosmologia", pelo New York Times.

    Na idade de 50, Sandage se tornou um cristão. Ele declara no livro de Lightman, Origins: The Lives and Worlds of Modern Cosmologists, "a natureza de Deus não será encontrada dentro de qualquer parte dos achados da ciência. Para isso, devemos nos voltar para as Escrituras." Quando lhe fizeram a famosa pergunta se é possível ser cientista e cristão, Sandage responde, "sim. O mundo é muito complicado em todas as suas partes e interconexões para ter vindo só por acaso. Estou convencido que a existência da vida com toda ordem nos organismos estão muito bem colocadas juntas."

    Uma das pessoas mais íntimas de Stephen Hawking, que você vê no filme Uma Breve História do Tempo, é Donald Page. Page sempre foi excelente físico mas começou a ser famoso depois de ser um companheiro pós-doutoral de Stephen Hawking. Os Hawking não estavam bem financeiramente e precisavam de ajuda para publicar o livro. Só os amigos pós-doutorados poderiam viver com os Hawking. Page fez isto durante três anos.

    Page descreveu estes anos em livro (o livro sobre o filme do livro!). Ele disse, "eu normalmente acordava às 7:15 ou 7:30, tomava uma ducha, lia minha Bíblia e orava. Então eu ia e acordava Stephen. Depois do café, eu lhe dizia o que li na Bíblia, esperando que lhe tivesse alguma influência. Eu me lembro de ter contado a Stephen a história sobre como Jesus havia visto um homem possesso e como os demônios foram enviados a uma manada de porcos. Os porcos então se precipitaram ao mar de um penhasco. Stephen ficou admirado e disse, "bem, a Sociedade Protetora dos Animais não gostaria muito dessa história , não?"

    Page declarou, "eu sou um cristão conservador no sentido de tomar muito a sério o que diz a Bíblia. É claro, eu sei que certas partes não devem ser tomadas literalmente, por isso não sou um literalista mas tento crer no significado que, creio, tem ali."


    Os limites da ciência


    Uma declaração que eu creio que dá algum equilíbrio a tudo isto é de um de meus heróis científicos, Erwin Schrodinger, que deu o nome a uma das mais famosas equações da ciência: a equação de Schrodinger. Eu tenho gasto boa parte de minha vida profissional tentando resolver esta equação para átomos e moléculas. No auge de sua carreira, Schrodinger disse esta declaração: "eu estou muito surpreso que o quadro científico do mundo real ao meu redor seja muito deficitário. Nos dá muita informação verdadeira e põe toda nossa experiência em uma ordem magnífica mas está muito calada sobre tudo isso e sobre o nosso coração que é o que realmente importa."

    Schrodinger acreditava que a ciência tem limites; não sabe nada do belo e feio, bem ou mal, Deus e eternidade. A ciência às vezes pretende responder perguntas nestes campos mas as respostas são tão ambíguas que nós nem as tomamos á sério. Jane Hawking tem feito um comentário sobre este aspecto de trabalho de seu marido: "Stephen pensa que já que tudo se reduz a uma fórmula racional, a matemática é a verdade", ela explicou. "Ele está entrando em terrenos que realmente importam às pessoas e, em certo modo, isto pode ter um efeito de perturbar as pessoas- e ele não é competente nisso."

    A ironia da história é que, atualmente, a vida profissional de Hawking se consagra a contar uma história sobre o cosmos em que todos os elementos que fazem sua própria vida fascinante - amor, fé, valor e inclusive a imaginação criativa - deixam de existir. Desejando conhecer a mente de Deus, ele não pode imaginar nada mais interessante que um jogo de equações que governam o movimento das partículas. Eu amo estas equaçõses também, mas elas não são tudo na vida!

    Uma teoria de campo unificada seria assombrosa, cientificamente magnífica. Mas a Hawking é só um passo para uma meta distante, mas acessível que ele chama "uma compreensão completa dos eventos em volta de nós e de nossa própria existência." (pág. 169) O caminho para esta meta não parece ser ler muito a Bíblia, Shakespeare e viver em uma variedade de culturas, experimentar arte, subir montanhas, amar e ter filhos. Parece que tudo gira em torno da tarefa intelectual de descobrir métodos melhores.

    Richard Feynman declara en seu último livro técnico, The Character of Physical Law, "tudo na ciência física é um todo de prótons , nêutros e elétrons, enquanto na vida diária, nós falamos sobre os homens e história ou beleza e eperança. O que está mais perto de Deus: a beleza e esperança ou as leis fundamentais? Caminhar até o fim de um cais e imaginar que já tem uma compreensão completa, é um erro". O que Stephen Hawking tem feito até agora foi caminhar até o fim desse cais.


    Algumas conclusões


    Depois de investigar toda evidência cosmológica, Hugh Ross chegou a várias conclusões (The Fingerprint of God, pp. 181-2). Com algumas modificações, eu concordo plenamente:


    1. Um Criador precisa existir. As ondas de choque do Big-Bang estão apontando claramente a uma criação ex nihilo consistente com os primeiros poucos versículos do livro de Gênesis.

    2. O Criador deve ter imponente poder e sabedoria. A quantidade de material e os recursos de poder dentro do nosso Unviverso é verdadeiramente imensa. A informação ou complexidade, manifestada em qualquer parte do Universo e sobretudo em um organismo vivo, está mais além de nossa habilidade de compreender. E o que nós vemos é o que Deus tem mostrado dentro de nossas dimensões de espaço e tempo!

    3. O Criador nos ama. A simplicidade, ordem, elegância e beleza visto ao longo da criação demonstram que Deus ama ao invés de ser caprichoso. Além disso, a capacidade de desejo de criar e proteger, visto em tantas culturas, tem sentido se seu Criador possui estes mesmos atributos. Está claro que Deus quer Suas criaturas, porque Ele tem mantido suas necessidades.

    4. O Criador é justo e requer justiça. A reflexão interior e a investigação exterior afirmam que os seres humanos tem uma consciência. A consciência reflete a realidade do bem e mal e a necessidade de obediência.

    5. Cada um de nós é passível de falha. Nós incorremos em seu desapreço quando violamos qualquer parte da lei moral de Dues em nossas ações, palavras ou pensamentos. Quem pode guardar seus pensamentos e atitudes puros por durante, talvez, uma hora? Se a cada queda uma pessoa viola suas normas, quanto mas as normas de Deus?

    6. Já que o Criador ama, é sábio e poderoso, Ele realizou uma maneira de nos resgatar. Quando estamos num ponto de preocupação sobre nossos fracassos pessoais, podemos começar a entender a criação em nossa volta nesse amor de Deus, sabedoria e poder são suficientes para nos livrar de nossa situação desesperada.

    7. Se confiamos em nossas vidas totalmente ao Redentor, Jesus Cristo, nos salvaremos. O único caminho é deixarmos nossos esforços humanos para satisfazer os requisitos de Deus e pôr nossa confiança somente em Jesus Cristo e em Seu meio de rendenção, a saber, Sua morte na cruz.

    Tradução: Emerson Honório de Oliveira

    0 comentários: