• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    AQUILO QUE DEUS MAIS ESTIMA


    JONATHAN EDWARDS

    É apropriado que Deus revele por meio de suas obras aquilo que ele mais estima: a si mesmo. E, portanto, se é apropriado que essa deferência se mostre nas coisas por meio das quais ele se faz conhecido, ou por meio de suas palavras e suas obras, ou seja, no que ele diz e no que ele faz. Se é infinitamente amável (isto é, agradável, admirável) que ele tenha uma deferência suprema por si mesmo, é amável (isto é, agradável, admirável) que suas ações correspondam a essa deferência máxima por si mesmo, ou que ele aja de maneira a demonstrar que possui tal deferência: que o mais importante no coração de Deus seja o mais importante nas suas ações e conduta. E, se era a intenção de Deus – como há motivos fortes para crer que tenha sido o caso – que as suas obras revelassem uma imagem dele próprio como o seu autor, que mostrassem claramente o tipo de ser que ele é, oferecendo uma representação apropriada de suas excelências divinas, e especialmente de sua excelência moral, que consiste na disposição de seu coração, é razoável supor que as suas obras são realizadas a fim de mostrar esse reverência suprema dele por si mesmo, na qual consiste, sobretudo, a sua excelência moral.
    O grau de deferência por um ser é proporcional à sua existência e excelência. Ao considerarmos o objeto mais apropriado da reverência de Deus, principalmente a respeito da universalidade das coisas, talvez nos seja proveitoso, para avaliar mais fácil e satisfatoriamente, considerar o que podemos supor seria determinado por um terceiro ser de sabedoria e retidão irrepreensíveis, perfeitamente indiferente e desinteressado. Ou, ainda, conjecturar que a justiça infinitamente sábia e a retidão são uma pessoa distinta e desinteressada cuja incumbência é determinar de que modo as coisas sevem ser ordenadas mais apropriadamente em todo o reino da existência, incluindo o rei e seus súditos – Deus e suas criaturas –e, ao observar o todo, decidir qual deferência deve prevalecer em toda conduta – de que maneira esse juiz, ao aferir as devidas medidas e tipos de deferência, pesaria as coisas numa balança justa, cuidando para que a parte maior do todo fosse mais reverenciada que a...u


    Este texto está no tópico - JONATAHN EDWARDS

    Últimas mensagens em áudio postadas no blog

    0 comentários: