• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Como Uma Criancinha - C. H. Spurgeon


    Como uma criancinha (Lucas 18.17)


    Quando nosso Senhor abençoou as crianças, ele estava fazendo sua última viagem a Jerusalém. Foi, portanto, uma bênção de despedida o que ele deu aos pequenos, e dentre suas últimas palavras a seus discípulos, antes de ser levado para o céu, nós encontramos a ordem terna: "Cuide dos meus cordeiros." A paixão reinante estava forte sobre o grande Pastor de Israel, que "Com o braço ajunta os cordeiros e os carrega no colo"; e foi apropriado que, enquanto fazia sua viagem de despedida, abençoasse com sua graça as crianças.

    Nosso Senhor Jesus Cristo não está entre nós em pessoa, mas nós sabemos onde ele está, e sabemos que ele é investido de todo o poder no céu e na Terra para abençoar seu povo; acheguemo-nos, então, a ele. Vamos buscar que ele nos toque na forma de comunhão, e vamos pedir o auxílio de sua intercessão; vamos incluir outras pessoas em nossas orações e, dentre elas, vamos dar a nossas crianças, a todas as crianças, um lugar proeminente. Conhecemos mais sobre Jesus do que as mulheres da Palestina conheciam; estejamos nós, então, mais ansiosos ainda do que elas para levar nossas crianças a ele para que as abençoe, e para que sejam aceitas nele, assim como nós mesmos somos. Jesus aguarda abençoar. Ele não mudou no caráter, nem empobreceu na graça; pois assim como ele ainda recebe pecadores, assim também ele ainda abençoa crianças; e que nenhum de nós se contente, quer sejamos pais ou professores, antes de ele ter recebido nossas crianças, e as ter abençoado de tal modo que tenhamos certeza de que elas entraram no reino de Deus.

    Nosso Salvador, quando viu que seus discípulos não estavam só com um pé atrás para deixar as crianças chegarem até ele, mas que repreenderam aqueles que as levavam, ficou muito descontente, e chamou-as para si para que as pudesse ensinar melhor. Então, informou que, em lugar das crianças serem vistas como intrusas, eram bem-vindas a ele; e em lugar de serem intrusas, tinham pleno direito de acesso, pois o seu reino era...

    Para continuar, clique aqui

    Este texto está no tópico - C. H. Spurgeon


    0 comentários: