• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    O Camaleão - A Visão Puritana do Pecado


    Os Puritanos, como um corpo, manifestaram uma percepção aguda da santidade, retidão, aversão ao pecado e severidade no juízo contra ele, que é uma das marcas do grande, gracioso, onisciente e onipresente Deus da Bíblia. Seu perspicaz discernimento da capacidade que o pecado tem para penetrar, causar repulsa e matar, brotou diretamente deste profundo senso de santidade na pessoa de Deus.

    Sua sensibilidade ao pecado como uma força interior, divergente e astuta, que tiraniza o não-convertido e tormenta os santos foi extraordinária. Eles continuaram sendo os mestres do Cristianismo do passado neste campo particular de entendimento.

    Viam o pecado como uma energia pervertida dentro das pessoas, que as escraviza. Levando-as a desafiar a Deus, ter um comportamento de satisfação própria, e algo que, por meio da distração, engano e oposição direta, enfraquece e derruba seus intentos de retidão. Tinham o pecado com o equivalente moral de um lobo em pele de ovelha, apresentando-se a nós constantemente como algo bom e desejável e necessário, nisso corrompendo a nossa consciência para que perdêssemos o senso de sua culpabilidade e o tratássemos como um amigo em vez de um inimigo.

    C. S. Lewis, em seu livro The Great Divorce (O Grande Divórcio), descreve um homem com um camaleão nos ombros , que representa a lascívia. O camaleão murmura em seu ouvido sobre o quanto a lascívia é essencial para o seu bem-estar contínuo. Quando o anjo pergunta: “Devo matá-lo?”, a primeira reação do homem é dizer: “Não”. (Alguém lembra-se da oração de Agostinho: “Dê-me a castidade, mas não agora”).

    Os puritanos teriam aplaudido o camaleão de Lewis como uma projeção perfeita do modo como o pecado assume suas diversas formas de expressão na vida do cristão. A teologia puritana afirma que o pecado foi destronado, mas não destruído ainda na vida do cristão. Agora o pecado encarrega-se, como o fazia, de buscar restabelecer o domínio que perdeu. Seu poder apresenta-se tanto nos maus hábitos, que muitas vezes estão profundamente enraizados e ligados às fraquezas humanas temperamentais, quanto nos repentinos assaltos e ataques frontais a áreas onde acredita-se estar invulnerável...
    k
    k
    Este texto está no tópico - Puritanos

    0 comentários: