• Puro conteúdo Reformado!

    .

    .

    FARMAKEIA - AS OBRAS DA CARNE


    As Obras da Carne conforme aparecem em Gálatas 5.19-21.

    Os Artigos anteriores desta série são:

    1. ASELGEIA 2. AKATHARSIA 3. PORNEIA

    FARMAKEIA



    FARMAKEIA
    Feitiçaria; magia – A palavra farmakeia seguiu um processo de degeneração no significado. Farmakos é uma droga, e farmakeia é o uso de drogas. Há três etapas no significado da palavra.

    1. Farmakeia é usada como uma palavra médica sem o menor mau sentido. Platão fala dos diferentes tipos de tratamento médico; a cauterização, a incisão, o uso de drogas, a privação dos alimentos (Platão: Protágoras 354 A). Dá sua própria opinião de que as doenças não-perigosas nunca devem ser complicadas ainda mais pelo uso de drogas(Platão: Timeu 89 B). A esta altura farmakeia é simplesmente uma palavra médica para uso medicinal das drogas.

    2. A palavra passa, então, a denotar o abuso das drogas, ou seja: o uso de drogas para envenenar e não para curar. Assim, lemos acerca da lei a respeito do envenenamento (Platão: Leis 933 B ), e Demóstenes acusa um homem mau de envenenamento e de todos tipos de vilezas (Demóstenes 40.57). Este é o começo do mau sentido da palavra.

    3. Por fim, a palavra assume o significado da feitiçaria e bruxaria. É usada, por exemplo, repetidas vezes para os feiticeiros e mágicos egípcios que competiam com Moisés quando Faraó não queira deixar Israel ir (Ex 7.11, 22; 8.18; Sab 7.12; 18.13); a magia, bruxaria e feitiçaria são pecados por causa dos quais Isaías prediz a destruição da Babilônia pela ira de Deus (Is 47.9, 12). A palavra completou um círculo inteiro. A partir do significado de uma droga que cura, veio a significar um envolvimento vicioso e maligno na bruxaria e feitiçaria.

    O cristianismo desenvolveu-se numa era um que o uso da feitiçaria e das artes mágicas era generalizado, e freqüentemente com intenções criminosas. Sabemos pouca coisa, ou nada, no tocante á feitiçaria, bruxaria e magia...

    Para continuar, clique aqui

    Este texto está no tópico - Artigos em Série


    0 comentários: