• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Ética Bíblica


    O termo ética se deriva do vocábulo grego ethos . A palavra ‘maneiras' é usada para denotar conduta ou prática; esse uso corresponde ao significado do termo grego em 1Co15.33, ‘bons costumes' (ethe chresta). A ética se refere, portanto, à maneira de vida ou de conduta. No Novo Testamento o termo usado para denotar a maneira de vida é, mais caracteristicamente, anastrophe, e seu verbo correspondente (cf. 2Pe 3.11). A ética bíblica diz respeito à maneira de vida que a Bíblia prescreve e aprova. De conformidade com as Escrituras, entretanto, conduta ou ‘maneiras' nunca podem ser disassociadas do complexo de disposições que se expressa em comportamento observável. A ética que é requerida pela Bíblia diz respeito ao coração do homem, porque ‘dele procedem as fontes da vida' e ‘como imagina em sua alma, assim ele é' (cf. Pv 4.23; 23.7; Mc 7.18-21; Lc 16.15; Hb 4.12). Os mandamentos de Deus são freqüentemente vasados em termos da ação externa requerida ou proibida. Porém, não devemos supor que esses mandamentos dizem respeito meramente às ações (cf. Mt 5.28; Rm 13.9, 10).
    k
    I. A unidade
    k
    Poderia ser facilmente asseverado que não existe unidade básica na ética que a Bíblia prescreve e que é exemplificada nas várias eras da história bíblica. Ao tratar dessa questão diversas observações e distinções têm de ser feitas. (a) Precisamos admitir o fato e a significação de uma revelação progressiva. Deus foi revelando Sua vontade progressivamente aos homens. Portanto, nos primeiros anos da história da revelação, a regra de conduta não era tão plenamente revelada como o foi em períodos posteriores. A revelação, no que respeita à história deste mundo, atingiu seu final no Novo Testamento, focalizado principalmente na vinda e realização de Cristo. Temos nestes últimos dias a plenitude da revelação e da graça de levar a revelação da vontade de Deus até sua frutificação mais rica. Para quem tanto é requerido, mas é exigido. Isso explica porque certas práticas dos santos do Antigo Testamento, claramente inconscientes com a ética do Novo Testamento, foram toleradas e não foram visitadas com penalidades religiosas ou civis durante o período do Antigo Testamento. (b) A prática atual dos santos não deve ser equiparada com a ética bíblica; esta última se refere àquilo que Deus exige, e não às falhas ou realizações dos homens. (c) A queda do homem afetou materialmente o conteúdo da ética que governa a conduta do homem. Novas provisões foram necessárias para tratar com a situação radicalmente diferente que foi criada. Por exemplo, por motivo do pecado e da vergonha resultante, o vestuário seria uma instituição que não teria qualquer relevância necessária num estado impecável (cf. Gn 2.25; 3.21). E as diversas sanções penais surgiram em vista da presença do pecado. A unidade da ética bíblica toma plena consideração das exigências criadas pelo pecado e pela culpa. (d) Devemos distinguir entre permissão e sanção, tolerância e aprovação, quando estivermos tratando das práticas prevalecentes no período do Antigo Testamento. Nosso Senhor enuncia claramente essa distinção em conexão com o divórcio permitido por Moisés (Dt 24.1-4). Moisés, diz ele, permitiu o divórcio, ‘entretanto, não foi assim desde o princípio' (Mt 19.8). A ordenança original de Gn 2.24, para a qual Jesus apelou (Mt 19.5), não provia... (para continuar lendo clique aqui).
    k
    Este texto está no tópico - Artigos.

    0 comentários: