• Puro conteúdo Reformado!

    ReformedSound

    .

    .

    Expiação - Sua Natureza IV


    Este é o 8º Artigo desta série. Os sete primeiros são:
    *
    k
    Apontamos nos artigos anteriores que o aspecto particular da Satisfação de Cristo que agora se encontra perante nós constitui o próprio coração desse assunto importante. Como o coração físico é para o corpo humano, assim é a natureza da Expiação para o todo deste maravilhoso tema. Quando o coração de um homem se torna seriamente afetado, o todo de sua constituição sofre. De forma semelhante, quando erramos em nossas vistas do caráter preciso dos sofrimentos e da obediência de Cristo, o todo do nosso sistema da verdade sofre danos em exata proporção. O teste ácido dos pontos de vista de um teólogo e da capacidade de um pregador de expor o Evangelho, é a sua ortodoxia neste ponto em particular. Por conseguinte, porque esta parte da Verdade é de tão vital importância, nós buscamos reverentemente examiná-la minuciosamente em sete partes, e apresentar aos nossos leitores, com certa profundidade, os resultados da nossa investigação.
    k
    Primeiro, mostramos que a obra de Cristo foi federal em seu caráter: isto é, Cristo tornou-Se legalmente um de Seu povo. Ele veio aqui não para estranhos, para Seus “irmãos” (cf. Hebreus 2:12(. Ele veio aqui não para alcançar um povo para Si, mas para assegurar um povo já Seu (cf. Efésios 1:4; Mateus 1:21}. O lugar que nós ocupávamos era “sob a lei”. Nós fomos colocados sob a lei na criação, e perfeita obediência tornou-se a condição do nosso bem-estar. Através da nossa queda em Adão nós nos tornamos incapazes de obedecer às demandas da lei e sujeitos à sua penalidade impossível de ser relaxada. A lei permaneceu sobre nós, portanto, como um capataz inexorável, demandando o impossível, e como o órgão de imutável justiça, insistindo na nossa morte. Para ser, portanto, o nosso Salvador, o Filho de Deus foi “nascido sob a lei” {Gálatas 4:4}: Ele foi, por intermédio da ordenação de Deus, transferido àquela posição. Assim, o lugar que Ele tomou foi o nosso lugar sob a lei. Ao tomar aquele lugar Ele necessariamente assumiu... (Para continuar clique aqui)
    k
    Este texto está no tópico - Artigos em Série
    k

    0 comentários: